sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Dilma, ano 4: indústria em queda livre.

Produção industrial sofre a maior queda desde setembro de 2009:


A produção industrial brasileira caiu 6,9% em junho na comparação com junho de 2013. Esse foi o resultado negativo mais intenso desde setembro de 2009 neste tipo de comparação, quando o recuo havia sido de 7,4%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O órgão ainda destacou que este é o quarto resultado negativo consecutivo nesta base de comparação.

Além disso, a taxa acumulada em 12 meses atingiu queda de 0,6% em junho, o primeiro resultado negativo desde março do ano passado, quando estava com queda de 0,9%.
Segundo o IBGE, o resultado mostrou "clara perda de ritmo" em relação aos resultados da taxa acumulada em 12 meses verificados em março (2,0%), abril (0,7%) e maio (0,2%).
No mês, a produção industrial recuou 1,4% em junho ante maio, o resultado negativo mais intenso desde dezembro de 2013, quando a queda foi de 3,6% em relação a novembro do ano passado. E, pelo quarto mês seguido, o indicador mensal também apresenta resultados negativos.
No acumulado no primeiro semestre de 2014, a produção da indústria registra queda de 2,6% ante o mesmo período do ano passado.
Em todas as bases de comparação, os resultados negativos foram puxados pelodesempenho do setor de veículos automotores, reboques e carrocerias, que apresentou queda de 36,3% em junho na comparação com junho de 2013; recuo de 12,1% em junho na comparação com maio e baixa de 16,9% no primeiro semestre na comparação com o mesmo período de 2013. (Continua).

quinta-feira, 31 de julho de 2014

O templo da escuridão lulista

Faltou luz no horrendo templo construído pela megalomania
de Edir Macedo em nome de Salomão (o pó de Salomão deve ter se agitado no túmulo), que recebeu, ora, ora, a candidata-presidente Dilma Ruimself na São Paulo do desastrado Haddad. Isso mesmo, a coletora IURB é lulista de carteirinha. O "bispo" tem faro para o dinheiro fácil. Do Radar on-line, de Lauro Jardim.


Não começou bem a festa de inauguração do Templo de Salomão, principalmente para Dilma Rousseff. Agora há pouco, faltou luz por seis minutos dentro da igreja. A área tomada de autoridades ficou no breu.

Sem energia, Dilma teve que encarar três andares de escada, entre a garagem e a sala Vip.

Pelegos da CUT, a platéia de Dilma. Rua, nem pensar...

A candidata do oficialismo só sai às ruas de carro blindado. Sua campanha se resume a ambientes fechados, prontinhos para aplaudir a fala desconexa da gerentona. Hoje foi a vez dos pelegos da CUT. Em breve teremos, provavelmente, discursos para o MST. Enquanto isso, o candidato da oposição, Aécio Neves, sai às ruas abertamente por todo o país. Isto é política, o resto é proselitismo chapa-branca:

Em seu primeiro ato de campanha em São Paulo, a presidente Dilma Rousseff afirmou nesta quinta-feira (31) para uma plateia de sindicalistas que nesta eleição "será preciso dar uma goleada nos pessimistas" e reforçou a estratégia de sua campanha de pregar que seus adversários, se eleitos, vão acabar com benefícios sociais de distribuição de renda e com a política de valorização do salário mínimo.

A fala foi direcionada para sindicalistas da CUT (Central Única dos Trabalhadores) que confirmaram apoio para a reeleição de Dilma. Com um discurso cheio de frases de efeito, Dilma disse que querem criar no país um "ambiente de quanto pior, melhor".

"Nós vamos fazer uma campanha respeitosa, não precisamos xingar ninguém. Agora, é uma campanha que vai confrontar a verdade ao pessimismo que querem implantar no Brasil, que querem criar o ambiente de quanto pior melhor. Nós queremos um Brasil de quanto mais futuro melhor", disse Dilma, sendo amplamente aplaudida.

A petista citou a valorização do salário mínimo como o principal fator para a diminuição das desigualdades sociais e disse que a gestão do partido nos últimos 12 anos lutou para assegurar o trabalho que é a principal válvula para o desenvolvimento do país.

Ela voltou a citar que o desempenho da economia nacional é puxado pela crise financeira internacional. Segundo Dilma, a oposição sempre responsabilizou e puniu o trabalhador em momento de crises financeiras, arrochando salários, sem reconhecer a participação do mercado.

"Nessa eleição vamos ter que dar uma goleada nos pessimistas. Para dar uma goleada de pessimistas, temos de ver aquilo que nos julgamos mais valioso para nós que são os direitos conquistados", afirmou. "Por isso, eu digo que o meu compromisso com a valorização do salário mínimo se deve porque lutamos para transformar o Brasil", completou.

A presidente afirmou ainda que cumpre suas promessas. "Não fui eleita nem serei reeleita para colocar nosso pais de joelhos diante de quem quer que seja. Isso significa também reconhecer para vocês que eu não sou uma pessoa pretenciosa. Posso não acertar sempre, como qualquer outro ser humano, posso não agradar a todos, aliás acho que desagrado alguns. Eu não traio meus princípios, meus compromissos, não traio minha parceria..

Ela disse que sua reeleição representa a vitória de um projeto. "Eu vou dizer para vocês como eu acho que mais uma vez vamos eleger um projeto. Não é A, B ou C, mas quem representa um projeto", afirmou.

A presidente foi cobrada pelos sindicalistas por promessas que enfrentam resistência do Planalto, como a redução da jornada de trabalho e o fim do fator previdenciário.

A política do mínimo que estabelece reajustes pela reposição da inflação segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), acrescida do índice de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) dos dois anos anteriores.

Petistas acusam o economista Armínio Fraga, coordenador da área de economia do presidenciável tucano, Aécio Neves, de defender a redução do salário mínimo.

Dilma também prometeu, se reeleita, fazer mais três milhões de moradias no programa habitacional Minha Casa, Minha Vida. (Continua).

A culpa não é do mercado. É do incompetente governo Dilma.

Em editorial, O Globo recomenda que, ao invés de criticar bancos ou analistas, a gerentona do lulopetismo passe a encarar a vida real e agir:


O governo enfrenta, nos últimos dias, uma crise no relacionamento com os fatos econômicos. A primeira grande rusga ocorreu em torno de uma análise feita no Santander para clientes preferenciais. O banco entrou na mira da artilharia oficial e da campanha à reeleição da presidente, por citar algo já conhecido: a bolsa tem subido quando saem pesquisas negativas para o projeto da reeleição, e vice-versa.

Essas oscilações relacionadas a sondagens eleitorais são interpretadas como reação de investidores em ações de empresas estatais que pagam alto preço devido ao intervencionismo característico da administração Dilma. A Petrobras é o exemplo mais evidente, forçada a acumular perdas majestosas por subsidiar o preço interno de combustíveis, e com isso adiar pressões sobre a inflação. O investidor em ações faz uma dedução lógica: se Dilma não se reeleger, a empresa deixará de perder dinheiro, e ele, acionista, receberá mais dividendos.

Logo em seguida, na terça, veio o desgosto, expresso pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, com o Fundo Monetário Internacional. Agora, devido a um relatório em que se alinham pontos críticos da economia brasileira. Também aqui, nada de novo. São questões que há tempos estão no mapeamento dos problemas brasileiros feito por analistas independentes.

Os técnicos do Fundo não veem como o Brasil voltará a crescer a taxas razoáveis - a última estimativa do FMI para este ano é de 1,3%, e 0,9% na projeção de analistas do setor financeiro do país -se não executar reformas estruturais. A própria gerente-geral do Fundo, a francesa Christine Lagarde, listou tarefas a serem executadas em Brasília: combater a inflação, os desequilíbrios fiscais, os déficits externos. Tudo também por demais conhecido.

Em vez de se crispar e responder no reflexo, de forma agressiva, a qualquer crítica sobre a economia, o governo deveria entender as análises, reconhecer que há mesmo problemas e tratar de manejar com esta realidade.

Não adianta praguejar contra o mercado. Subsidiar preços, comprimir inflação com tarifas atrasadas, dar subsídios fiscais pesados ao setor elétrico, na verdade um "esqueleto" em construção nas contas públicas, etc. apenas adiam problemas. E os agravam. É óbvio.

O tempo não para, e o mundo, por exemplo, precisa se preparar para o momento em que os Estados Unidos acabarão de vez com a política monetária expansionista e voltarão a elevar os juros. No segundo trimestre, soube-se ontem, os EUA cresceram à taxa anualizada de 4% - algo como quatro vezes mais rápido que o Brasil.

Em vez de criticar analista de banco, o FMI e o mercado, o Planalto precisa encarar a vida real. E agir. A economia brasileira sofrerá um impacto maior ou menor dessa guinada americana a depender de atitudes que o governo assumir agora diante de evidentes vulnerabilidades.

A pesquisa em que o PT é imbatível


Dinheiro, informação e censura no patrimonialismo petista.

Prefiro ver e ouvir Carlos Alberto Sardenberg na TV (quase sempre lá pela madrugada, no jornal apresentado por William Waack, aquele "reacionário"). Nos textos, que  me perdoe o jornalista, ele tende a divagar antes de ir ao ponto. Acho que o ponto de seu último artigo no jornal O Globo está embaixo, lá pela metade, que reproduzo abaixo. Ainda que com cuidado, ele diz que a reação do governo em relação ao Santander é uma ameaça à liberdade de informação. Apenas acrescentaria: o petismo, com sua manifesta inclinação totalitária, é uma ameaça constante à democracia, ao Estado de Direito, à liberdade de expressão e às demais liberdades. O lulopetismo - valha a junção do roto com o esfarrapado - é o rejuvenescimento do velho patrimonialismo - cobra de empresários que vivem à sombra do governo partidário, assim como cobra do curral de votos de cabrestro, tratado com bolsinhas disto e daquilo:


(...) Ora, é evidente que a política tem a ver com a economia. As políticas do governo Dilma provocaram enorme desvalorização das ações da Petrobras, o caso mais forte. Questionada sobre isso, a presidente já argumentou que as estatais não trabalham para especuladores — e colocou assim no mesmo saco os grandes especuladores, os trabalhadores que colocaram seu FGTS na estatal e o investidor comum que simplesmente pensava em juntar algumas economias.

Tudo considerado, qualquer analista diria que um segundo mandato da presidente Dilma não seria bom para o investidor comum. Mesmo admitindo que a atual gestão da Petrobras pode trazer resultados a longo prazo, o fato é que, no momento, a companhia não coloca o lucro e o interesse do investidor minoritário como objetivo central.

Foi o que disse o pobre ou a pobre analista do Santander. E é o que estão dizendo todos, repetindo, todos os demais analistas há muito tempo. Normal.

Ruim foi a reação do governo, escolhendo um alvo fácil para se declarar vítima de terrorismo, em vez de contestar os dados. Ameaçou assim a liberdade de informação.

Pior foi a reação da direção do banco, que pediu desculpas ao governo e demitiu o(a) analista. Disse que ele(a) fizera coisa errada. Quer dizer que o certo é comprar ações quando aumentarem as chances de Dilma? Os clientes do banco foram enganados nos últimos relatórios ou estão sendo enganados agora?

E o dono do banco, Dom Emilio Botin, defendeu o seu negócio. O governo é regulador e muito bom cliente. Uma ordem, e governos, prefeituras e entidades públicas podem fechar contas com o Santander. Resumo: prevaleceram o ataque à liberdade de informação e de fazer negócios; e o interesse do banqueiro. (Na íntegra).

Em resposta à Folha, Aécio restabelece a verdade sobre o aeroporto em Minas.

Vilipendiado por reportagem da Folha de São Paulo - a matéria, aliás, caiu como uma luva para a esgotosfera petista, que a repercute noite e dia -, o senador Aécio Neves obteve direito de resposta. Segue a nota, em linguagem educada que alguns repórteres daquele jornal não merecem:


Nasci no ambiente da política e vivi nele toda a minha vida. Sei que todo homem público tem uma obrigação e um direito: a obrigação de responder a todo e qualquer questionamento, especialmente os que partem da imprensa. E o direito de se esforçar para que seus esclarecimentos possam ser conhecidos.

Nos últimos dias, fui questionado sobre a construção de um aeroporto na cidade de Cláudio, em Minas Gerais. Como o Ministério Público Estadual atestou e a Folha registrou em editorial, não há qualquer irregularidade na obra. Mas surgiram questionamentos éticos, uma vez que minha família tem fazenda na cidade. Quero responder a essas questões.

A pista de pouso em Cláudio existe há 30 anos e vem sendo usada por moradores e empresários da região. Com as obras, o governo de Minas Gerais transformou uma pista precária em um aeródromo público. Para uso de todos.

As acusações de benefício à minha família foram esclarecidas uma a uma. Primeiro, se disse que o aeroporto teria sido construído na fazenda de um tio-avô meu. A área foi desapropriada antes da licitação das obras, como manda a lei. O governo federal reconheceu isso, ao transferir a jurisdição do aeroporto ao governo de Minas Gerais, o que só é possível quando a posse da terra é comprovada. Depois, levantaram-se dúvidas sobre o valor da indenização proposta pelo Estado. O governo ofereceu R$ 1 milhão. O antigo proprietário queria R$ 9 milhões e briga até hoje na Justiça contra o governo de Minas.

Finalmente, se disse que a desapropriação poderia ser um bom negócio para o antigo proprietário, porque lhe permitiria usar o dinheiro da indenização para arcar com os custos de uma ação civil pública a que responde. Não é verdade. O dinheiro da indenização está bloqueado pela Justiça e serve como garantia ao Estado de pagamento da dívida, caso o antigo proprietário seja condenado. Se não houvesse a desapropriação, a área iria a leilão. Se fosse um bom negócio para ele, não estaria lutando na Justiça contra o Estado.

Sempre tomei cuidado em não misturar assuntos de governo e questões pessoais. Durante meu governo, asfaltamos 5.000 quilômetros de estradas, ligando mais de 200 cidades. Apesar desse esforço, deixei sem asfalto uma estrada, no município de Montezuma, que liga a cidade ao Estado da Bahia e passa em frente à fazenda que meu pai possuía, há décadas, na região. Avaliei que isso poderia ser explorado. Foi a decisão correta. De fato, na semana passada, fui acusado de construir um aeroporto em Montezuma. A pista, municipal, existe desde a década de 1980 e recebeu em nosso governo obras de melhoria de R$ 300 mil, inseridas em um contexto de ações para a região. Pelo que me lembro, pousei lá uma vez.

No caso de Cláudio, cometi o erro de ver a obra com os olhos da comunidade local e não da forma como a sociedade a veria à distância.

Tenho sido perguntado se usei o aeroporto de Cláudio, como se essa fosse a questão central. Priorizei até aqui os esclarecimentos sobre o que me parecia fundamental: a acusação de ter cometido uma ilegalidade à frente do governo de Minas. Hoje, me parece que isso está esclarecido. Não tenho nada a esconder. Usei essa pista algumas vezes ao longo dos últimos 30 anos, especialmente na minha juventude, quando ela ainda era de terra.

Depois de concluída essa obra, demandada pela comunidade empresarial local, pousei lá umas poucas vezes, quando já não era mais governador do Estado. Viajei em aeronaves de familiares, no caso a da família do empresário Gilberto Faria, com quem minha mãe foi casada por 25 anos.

Refletindo sobre acertos e erros, reconheço que não ter buscado a informação sobre o estágio do processo de homologação do aeródromo foi um equívoco. Mas reitero que a obra foi não apenas legal, mas transparente, ética e extremamente importante para o desenvolvimento do município e da região.

Governo Dilma: de costas para a realidade.

O pachorrento Guido Mantega não faz outra coisa senão negar fatos que qualquer pessoa razoavelmente informada conhece. Merece este editorial do Estadão:

O Brasil estaria bem melhor, com maior crescimento, inflação menor, exportações bombando e contas públicas mais sólidas, se o ministro da Fazenda, Guido Mantega, reconhecesse os problemas e gastasse menos tempo negando fatos bem conhecidos por qualquer pessoa razoavelmente informada. Ele se envolveu em mais uma batalha desse tipo, nesta semana, em mais um esforço inútil para contestar avaliações apresentadas em relatórios do Fundo Monetário Internacional (FMI). No primeiro documento, sobre efeitos colaterais de mudanças na política dos países mais importantes, o Brasil é incluído na lista dos sete emergentes mais vulneráveis. Os outros são Rússia, Turquia, Indonésia, Índia, Argentina e África do Sul. No segundo, a situação das contas externas brasileiras é apresentada como "moderadamente frágil", com risco de rápida piora, em caso de forte desvalorização dos produtos básicos.
Segundo o ministro, o FMI repetiu, no primeiro estudo, um erro cometido há meses por outras instituições, quando incluíram o Brasil na lista dos países mais sujeitos a problemas, se as condições financeiras ficassem mais apertadas. O Brasil, segundo ele, enfrentou muito bem as dificuldades já ocasionadas pela mudança na política monetária americana. O câmbio, disse o ministro, está estabilizado e o País continua sendo um dos principais destinos do investimento estrangeiro direto.
Mas ele deixou de mencionar dois detalhe importantes. O real foi uma das moedas mais afetadas pelas mudanças nos mercados cambiais, no ano passado, e a instabilidade só foi contida graças a repetidas intervenções do Banco Central (BC). Essas intervenções foram mantidas neste ano, para impedir ou limitar o efeito inflacionário da depreciação do câmbio. Além disso, o investimento estrangeiro direto continua insuficiente - como já foi no ano anterior - para cobrir o déficit na conta corrente do balanço de pagamentos. Caiu, portanto, a qualidade do financiamento necessário ao fechamento das contas externas.
O esquecimento, ou negligência proposital, desses dois detalhes deixou na sombra um amplo conjunto de problemas. Nem o governo prevê para este ano um crescimento econômico superior a 1,8%, número apontado há poucas semanas pelo Ministério do Planejamento. No mercado, as projeções são inferiores a 1%. O FMI, em sua última revisão do panorama econômico mundial, baixou de 1,8% para 1,3% a estimativa de expansão do PIB brasileiro. Reduziu as projeções para outros países, também, mas os números previstos para o Brasil estão entre os piores, no cenário global, e desde o ano passado têm sido revistos para baixo.
O ministro da Fazenda está certo quanto a um ponto: o FMI tem errado em relação à economia brasileira. Mas tem errado por excesso de otimismo e por levar a sério, mais do que deveria, a política de Brasília.
O Brasil, como outros emergentes, perdeu dinamismo nos últimos anos e isso se deve, segundo a análise do FMI, mais a fatores estruturais do que à conjuntura internacional. São problemas internos: infraestrutura deficiente, contas públicas em mau estado, inflação elevada e contas externas em deterioração.
O câmbio valorizado é parte do problema, admitem os analistas do FMI. Mas eles poderiam acrescentar: esse problema persistirá enquanto a inflação for muito alta e o BC, para atenuar a alta de preços, intervier no mercado para conter a depreciação do real.
Todos esses problemas têm sido extensamente discutidos por economistas brasileiros e estrangeiros. Mas o governo se recusa a enfrentá-los seriamente. As autoridades têm preferido maquiar as contas públicas e administrar os índices de inflação, contendo os preços de combustíveis, da eletricidade e do transporte público.
A situação "moderadamente frágil" das contas externas é um complemento previsível desse quadro. O País dispõe de reservas próximas de US$ 380 bilhões e isso proporciona alguma segurança. Mas a segurança efetiva e duradoura só poderia provir de um aumento da produtividade geral do País e da competitividade. Disso o governo tem cuidado muito mal.

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Felipão de volta à 24ª província argentina

Acabo de ver no Jornal da Globo que Felipão, esse grosseiro e arrogante sujeito, foi recebido com aclamação pela seita gaúcha do Grêmio. Falou, falou e disse que não tem culpa de nada, o gargantão.

Tem, sim, e merece voltar  para a 24ª província argentina, governada por Tarso Illich Genro, o último dos leninistas do Grotão.

Viva o lulismo!


Tudo caindo, Dilma. O que fazer? Aposente-se.

A notícia é esta, péssima, como sempre: superávit do governo cai pela metade no primeiro semestre. E Dilma ainda quer mais quatro anos...

No acumulado do primeiro semestre de 2014, as contas do governo central apresentaram superávit de R$ 17,2 bilhões, o equivalente a 0,69% do PIB. Apesar de positivo, o valor representa queda é de 50,1% em relação ao mesmo período do ano passado, quando o superávit acumulava no mesmo período R$ 34,5 bilhões.

Além disso, este é o menor superávit para primeiros semestres desde o ano 2000, quando o superávit de janeiro a junho foi de R$ 15,4 bilhões.
O resultado engloba o desempenho das contas do Tesouro, INSS e Banco Central.
Em junho, as contas do governo central encerraram com o pior resultado da história para o mês, ao registrar mais despesas que receitas, acumulando um déficit de R$ 1,9 bilhão. A série histórica do governo começa em 1997. Em meses de junho, apenas em 2009 e 1998 o governo central havia registrado saldos negativos. O pior resultado, até agora, havia sido em 1998, com um déficit de R$ 1,8 bilhão.
O secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, reconheceu que o mês de junho contou com uma receita "que não teve o mesmo dinamismo de outros momentos", depois de lembrar que se trata, tradicionalmente, de um mês com altas receitas.
Augustin lembrou, ainda, que o déficit do mês passado ocorreu após um saldo negativo também recorde no mês de maio. Logo no início da entrevista, Augustin destacou que o governo já considerou os dados do mês de junho para elaborar o último relatório de receitas e despesas, divulgado no último dia 22. "Nesse relatório, como vocês sabem, nós aumentamos a previsão de Refis em R$ 6 bilhões, que será verificado no mês de agosto", disse. Segundo o secretário, no mês que vem será possível ter "noção do tamanho" da receita com Refis. "Este movimento vai se confirmar em agosto, quando teremos uma noção mais precisa. É uma parte importante da receita real que acontecerá", disse.
Meta. O governo central terá que fazer um superávit de R$ 21,7 bilhões em julho e agosto para conseguir atingir a meta do segundo quadrimestre, que é de saldo positivo de R$ 39 bilhões. Em apenas dois meses, esforço terá que ser maior que todo o acumulado de janeiro a junho. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira, 30, pelo Tesouro Nacional.
A meta para todo o ano é de um superávit de R$ 80,7 bilhões para o governo central. Com a arrecadação subindo menos que o previsto, o governo terá que contar com receitas extraordinárias do Refis para atingir a meta no segundo quadrimestre. O mercado já coloca em dúvida a capacidade do governo de entregar a meta prometida para esse ano. Incluindo Estados e municípios, a meta do setor público consolidado em 2014 é de R$ 99 bilhões, ou 1,9% do PIB.
Os investimentos totais do governo federal registraram uma alta de 21,7% de janeiro a junho deste ano. No período, somaram R$ 40,4 bilhões. Os investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que podem ser abatidos da meta fiscal, alcançaram até junho R$ 28,8 bilhões, com alta de 26,9%.
Receitas. O Tesouro registrou em junho um superávit de R$ 2,3 bilhões e a Previdência, um déficit de R$ 4,5 bilhões. Já as contas do Banco Central tiveram um superávit primário de R$ 183,7 milhões.
O resultado ficou dentro do intervalo das expectativas do mercado. O levantamento do AE Projeções apontava para um déficit de R$ 5,1 bilhões a superávit de R$ 3,5 bilhões. O resultado em junho foi um pouco melhor que a mediana negativa de R$ 2 bilhões.
No acumulado do primeiro semestre de 2014, o superávit soma R$ 17,2 bilhões, o equivalente a 0,69% do PIB. O valor também é o pior para primeiros semestres desde o ano 2000, quando o superávit de janeiro a junho foi de R$ 15,4 bilhões. A queda é de 50,1% em relação ao mesmo período do ano passado, quando o superávit acumulava no mesmo período R$ 34,5 bilhões.
Segundo os dados, o Tesouro apresenta um superávit de R$ 40,2 bilhões no acumulado do ano. Já as contas da Previdência registram um déficit de R$ 23,1 bilhões e o BC acumula um saldo positivo de R$ 185,6 milhões. De janeiro a junho, enquanto as despesas registraram alta de 10,6%, as receitas avançaram 7,2%. (Estadão).

Tecle certo, pianista eleitor. Fora 13!


A verdade reduzida à ideologia. Um artigo magistral de J. R. Guzzo sobre a pregação totalitária do PT.

A foto é um mero exemplo do totalitarismo petista
O jornalista J. R. Guzzo, articulista da Veja, toca num ponto pelo qual este blog tem se batido há anos: apesar de haver  eleições, nossa democracia não está consolidada, pois temos no poder um partido com pregação totalitária. O mercado, através do escândalo Santander, já recebeu a primeira bordoada - e, de maneira crápula, seu chefão se encolheu. A imprensa sofre assédio constante e ameaçador, apesar dos esbirros ideológicos formados pelas escolinhas de comunicação, que transformaram Lula em um ser intocável. Repito o alerta feito em post de ontem, sobre artigo de Guilhon Albuquerque: o problema já não é a (improvável) reeleição de Dilma, é estar atento às manobras de Lula et caterva para impedir a alternância de poder, desrespeitando o resultado das urnas. É a isto que se refere o texto de Guzzo, que assino embaixo, ponto por ponto. O empresariado que despreza valores e princípíos já recebeu a primeira estocada do lulopetismo - e é bom que acorde. Parte da sociedade, infensa ao neopatrionialismo petista, já acordou. É hora de erradicar a seita petista:


A campanha eleitoral para a Presidência da República e os governos estaduais está prometendo colocar o Brasil diante de uma pregação totalitária para ninguém botar defeito. Tudo isto? É sempre confortável, claro, imaginar que essas coisas não acontecem mais hoje em dia, não num país que caminha para a sétima edição presidencial seguida com voto livre, secreto e universal, sob a proteção de todas as leis e defesas de um Estado de Direito. Virar a mesa, a esta altura do jogo, com certeza não é fácil. Mas, como se vê, não é impossível criar um clima de hostilidade disfarçada, ou nem tão disfarçada assim, às regras segundo as quais candidatos de oposição têm o direito de disputar a Presidência, e o vencedor deve ser aquele que teve maioria absoluta de votos. É o que já se pode ver, neste momento, pelos atos praticados na campanha do governo e seu partido para reeleger a presidente Dilma Rousseff - ou, se não é isso, estão fazendo o possível para parecer que é. Sua atitude diante da eleição de outubro, pelo que dizem e fazem em público, é sustentar que os eleitores brasileiros só podem tomar uma decisão nas urnas: reeleger a presidente Dilma. Qualquer outro resultado, segundo o que têm pregado até agora, seria um " golpe de Estado da direita".

Não é uma suposição ou um exagero; são fatos que se repetem na frente de todo mundo, com frequência cada vez maior. A mensagem que o governo está enviando ao público em geral, quando se raspa o verniz do palavrório, é a seguinte: a alternância de poder não pode ser aceita pelo povo brasileiro, pois é um mal em si. Servirá apenas para colocar no governo a elite branca, principalmente a "do Sul", que vai "se aproveitar" de métodos falsamente democráticos, como são essas "eleições formais", para tirar do poder as forças comandadas pelo PT - as únicas, sempre na visão oficial, que têm o direito político e moral de governar o Brasil, pois quem discorda delas quer agir contra a pátria, o interesse nacional e os "benefícios sociais" que o povo ganhou nos últimos doze anos com Dilma e seu antecessor, o ex-presidente Lula. Em português claro: é indispensável para salvar a "verdadeira democracia", agir contra a democracia defeituosa que "está aí". A regra eleitoral, em suma, só vale se a presidente for reeleita. Se ela perder, é "golpe". Fim de conversa.

A ferramenta mais utilizada no momento para levar adiante esse evangelho é alegar que o governo está sitiado por uma poderosíssima ofensiva conservadora, que lançaria mão de armas e recursos desproporcionais, desleais e ilícitos para "derrubar" a presente administração do PT e sua "base aliada". Como assim? Disputar uma eleição, dentro das regras estabelecidas em lei, seria "derrubar" alguém? Também não dá para entender como pode se colocar no papel de vítima um governo cuja candidata tem à sua disposição todo um arsenal termonuclear de vantagens materiais para ganhar a eleição. Dilma conta com um tempo de propaganda obrigatória na televisão que é o dobro do que têm, somadas, as candidaturas de seus dois concorrentes mais próximos. Esse patrimônio, como é público, foi comprado dos partidos de aluguel que andam por aí, tentando escapar da polícia e do Código Penal, em troca de cargos rentáveis no governo, desses que decidem licitações de obras e outras maravilhas - algo que só pode ser dado por quem está no poder.

A campanha da presidente estimou que vai gastar 300 milhões de reais até outubro - cerca de 50% a mais do que o valor de 2010, e um total maior do que o de qualquer adversário. O governo se vale, também, do Tesouro Nacional; só nos meses de maio e junho gastou cerca de 800 milhões de reais em propaganda pró-Dilma. É dinheiro público direto na veia - de novo, coisa que só pode fazer quem manda no caixa. O governo tem a seu favor 70% dos votos no Congresso, uma força decisiva para protegê-lo de acusações de corrupção; com isso, 300 pedidos de investigação sobre irregularidades estão bloqueados no momento. As empreiteiras de obras jogam pesado a favor do governo - entre outros adjutórios, pressionam parlamentares que lhes devem favores a segurar a apuração dos recentes escândalos em torno da Petrobras. Mais que tudo, vende-se abertamente mercadoria falsa. Qualquer crítica em relação ao governo é tida como "preconceito". Quedas nas pesquisas são atribuídas ao "ódio" de quem discorda. A presidente chama de "urubus" os que apontam algum problema em seu governo.

O que Lula, Dilma e o PT estão dizendo é algo bem claro: "Só existe uma verdade aqui - a nossa". (Grato, Maricota, que surrupiou o texto da Veja).

A burrice ideológica contra o mercado

"Nacionalismo canhestro" é o título do artigo de Merval Pereira no jornal o Globo, observando que o governo petista flerta com o perigo: desmoralizar banqueiros internacionais não vai melhorar a economia brasileira:


De duas, uma: ou há uma conspiração internacional contra o Brasil, ou o governo brasileiro está flertando perigosamente com o perigo, alheio às advertências que partem de todos os lados sobre as fragilidades de nossa economia. Ontem, foi o Fundo Monetário Internacional (FMI) que colocou o país entre as cinco economias mais vulneráveis do mundo, ao lado de Índia, Turquia, Indonésia e África do Sul.

Também a agência de classificação Moody´s divulgou um relatório no qual afirma que a Petrobras é, entre as empresas petrolíferas da América Latina, a que corre o maior risco financeiro porque está sendo usada politicamente para segurar a inflação com o represamento dos preços de combustíveis no país.

E o que respondem nossos dirigentes? Ao mesmo tempo em que vibram com a derrota política que impuseram ao banco espanhol Santander, tratam de declarar platitudes, à espera de que as coisas melhorem por si, sem demonstrar a menor intenção de fazer mudanças no rumo tomado. Ao contrário, consideram que não há o que mudar.

A única concessão feita pela presidente Dilma foi admitir que o ex-presidente Lula errou ao julgar que a crise financeira que estourou em 2008 chegaria ao Brasil como uma marolinha . A presidente Dilma mais uma vez considera inadmissível o pessimismo em relação à economia brasileira, e compara-o ao pessimismo sobre a Copa no Brasil. Para Dilma, não há necessidade de mudanças. Ela nega que a inflação no país esteja descontrolada .

Já o ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que o FMI comete o mesmo equívoco de outros organismos no passado, quando afirmaram que o Brasil estaria entre as cinco economias mais frágeis. Segundo o ministro, ninguém mais falou nesse assunto e nada aconteceu . Para ele, uma instituição financeira respeitável não faria uma análise dessas. Pois foi a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, que comentou ontem o relatório sobre o Brasil, reiterando que há 15 meses o FMI vem repisando as mesmas fortes recomendações para que reformas estruturais sejam feitas, gargalos sejam reduzidos na economia e que o potencial, a capacidade de o Brasil entregar crescimento seja liberada. E isso não vem sendo feito .

Lagarde repetiu que o receituário para superar os obstáculos, é único: reformas estruturais, conserto dos problemas macroeconômicos como inflação alta, déficits em contas externas, desequilíbrios fiscais. A previsão do FMI é a de que o país será afetado duramente pela retirada de estímulos e pelo aumento de juros, especialmente nos Estados Unidos, se os emergentes continuarem crescendo abaixo do esperado, como ocorre há três anos.

A queda dos preços das commodities é outro fator que pode complicar a vida dos emergentes, alerta o FMI. Já a agência Moodys destaca que a estatal irá enfrentar também riscos políticos substanciais , pois está cerceada pelas políticas de preços para gasolina e óleo diesel . A Moody´s ressalta ainda que o cenário macroeconômico do país tem desacelerado desde a crise de 2009. A expectativa da agência é de crescimento de apenas 1,5% no PIB brasileiro, o que é uma previsão otimista, tendo em vista que a pesquisa Focus, realizada pelo Banco Central, já está em 0,9%.

O tal mercado financeiro está cheio de dúvidas e de advertências à política econômica do governo brasileiro, e nossas autoridades brincam de um nacionalismo canhestro, como se mobilizar sindicatos e militantes políticos para demitir analistas de mercado e desmoralizar banqueiros internacionais fosse melhorar a situação de nossa economia.

Aécio: PT custa muito caro ao Brasil.

Sabatina de Aécio Neves na CNI, que pode ser acompanhada ao vivo no Estadão (clique):


"Não podemos compreender como aceitável o Brasil ter o segundo pior crescimento em relação aos países da América Latina. Ao longo de 10 anos, o governo demonizou parcerias com o setor privado. Eu aprendi desde cedo que o arquivo mais precioso da política é o tempo. E esse tempo que perdemos não voltará mais. O aprendizado do PT no governo vem custando muito caro ao Brasil", discursa Aécio.

A violência petista contra a liberdade de expressão

Editorial d'O Globo reconhece que a violenta reação do governo e do PT contra o Santander expõe uma vez mais o cacoete autoritário do partido contra a liberdade de expressão. Não se trata de algo conjuntural: os petistas sempre flertaram com ideias totalitárias. Se puderem, implantarão a censura em todos os setores:

Podia-se creditar apenas ao estado de nervos no núcleo da campanha da presidente Dilma a reação violenta dela, do seu partido e do ex-presidente Lula à análise feita para clientes preferenciais do banco Santander em que altas da Bovespa são relacionadas a pesquisas eleitorais negativas para o projeto da reeleição.

Para o PT, segundo seu presidente, Rui Falcão, tratou-se de “terrorismo eleitoral”. A própria Dilma considerou “inadmissível para qualquer país”, disse em sabatina na “Folha de S.Paulo”, a interferência do mercado financeiro no processo eleitoral. Já Lula, em um evento na CUT, pediu a demissão da analista responsável pelo texto. Talvez seja o primeiro político de origem no sindicalismo a defender publicamente a demissão de um assalariado.

Mas a explicação para reação tão violenta não é conjuntural. O vozerio petista tem a ver com o cacoete autoritário de frações hegemônicas no partido contra a liberdade de expressão. Mesmo de departamentos de análise de instituições financeiras, as quais, daqui para frente, praticarão a autocensura, como foi obrigada a fazer a imprensa durante a ditadura militar. Talvez este seja o objetivo da resposta petista em uníssono.

A imprensa profissional conhece esta reação típica petista diante de informações que não agradem o partido. Foi assim no escândalo do mensalão, em cujo início o próprio presidente Lula pediu desculpas ao país. Logo depois, ele e partido passaram a negar o malfeito e a acusar a divulgação dos fatos como parte de um projeto “golpista”. O Santander, grupo financeiro espanhol, sabe agora o que significa contrariar o PT. O presidente mundial do banco, Emilio Botín, por coincidência em viagem ao Brasil, acompanha de perto a pedagógica experiência.

Para azar do banco espanhol, no Brasil, em que o Estado tem grande ingerência na economia, o setor financeiro é particularmente vulnerável à ação regulatória dos governos. A mudança de uma resolução do Banco Central, numa penada, pode produzir milhões: em lucros ou prejuízos.

Entende-se, portanto, que mesmo campanhas publicitárias de grandes conglomerados financeiros privados reproduzam um certo ufanismo nacionalista típico da visão que o Planalto tem do país nesses tempos eleitorais. O que aconteceu na Copa do Mundo foi típico.

Em alguma medida, o Brasil de Dilma lembrou a Argentina de Cristina Kirchner. Lá, quando a economia estava subordinada ao truculento secretário de Comércio Interior, Guillermo Moreno, escritórios de consultoria que divulgassem estimativas independentes da inflação eram punidos com pesadas multas. Moreno e Casa Rosada queriam impedir comparações com a inflação oficial, manipulada.

O Brasil, felizmente, devido a suas instituições, está muito distante da Argentina kirchnerista. Mas os governos têm cacoetes muito parecidos.

Dar um cavalo de pau? Quem não fez em 4 anos, não fará com mais 4.

Em artigo no Estadão, Celso Ming diz que não bastarão correções pontuais, caso Dilma tenha um segundo mandato. Erros profundos exigem mudanças profundas. O governo petista já deu mostras de que não reconhece nem sequer os erros - e muito menos tem estratégia:

Não dá para afirmar que o governo Dilma tenha cometido erros apenas pontuais na condução da política econômica, como o represamento das tarifas de energia elétrica e de combustíveis ou a adoção de técnicas esquisitas de contabilidade criativa.
Se a presidente for conduzida a um segundo mandato também não bastarão correções pontuais de política econômica. Mudanças mais profundas terão de acontecer para virar o jogo, porque os erros foram também mais profundos, embora Dilma continue negando, como fez nessa segunda-feira na sabatina realizada pelo jornal Folha de S.Paulo em Brasília.
Mas como providenciar mudanças profundas se, nos primeiros quatro anos, as autoridades – e não apenas a presidente Dilma – insistiram em dizer que não há nada de errado com a economia e os programas de assistência social (Bolsa Família, por exemplo) tiveram tanto êxito que compensam eventuais equívocos cometidos ao longo do caminho?
A desoneração dos encargos trabalhistas, que contemplou apenas um punhado de setores, custou R$ 50 bilhões em renúncias tributárias só no primeiro semestre deste ano e deverá superar os R$ 100 bilhões até o fim de 2014. É mais do que o governo federal arrecada em um mês. E, no entanto, ninguém conseguiu ver os resultados. A indústria continua empacada, entulhada em estoques, perdendo competitividade todos os dias, despedindo mais gente do que contratando.
O programa de concessões de serviços públicos, destinado a empurrar os investimentos em infraestrutura, não consegue decolar. O erro não foi só tentar tabelar o lucro (Taxa Interna de Retorno) das empresas vencedoras dos leilões, mas a incapacidade do governo de gerenciar o processo e de apressar a concessão de licenciamentos ambientais.
O erro de fundo foi estratégico: foi não ter estratégia. O governo Dilma tentou inovar, desvencilhar-se do tripé original (inflação na meta, câmbio flutuante e formação de superávit primário de 3,1% do PIB) e tudo o que conseguiu foi desarrumar a economia. O resultado é a sucessão de avanços miseráveis do PIB, inflação mais perto dos 7% do que dos 6%, finanças públicas desorganizadas, investimento em queda, aumento do rombo das contas externas (déficit em conta corrente) e tombo generalizado dos níveis de confiança. Isso aí nada tem a ver com ideologia ou com concepção de linha administrativa. Tem a ver com divórcio entre políticas adotadas e resultados a serem alcançados.
Dentro do governo ainda há aqueles que sustentam que a economia só precisa de alguns ajustes e não de um cavalo de pau. Talvez não precise de tudo isso, seja lá o que signifique, na prática, dar um cavalo de pau. Terão de ser bem mais do que alguns ajustes.
A retomada da confiança do investimento, do crescimento sustentável e do controle das finanças públicas não pode mais ser alcançada com experimentos. Exige a volta à solidez dos fundamentos. Mas como justificar essa eventual reviravolta sem reconhecer os erros passados e sem contrariar aqueles que justificaram e continuam justificando a chamada Nova Matriz Macroeconômica? (Continua).

Caso Santander: Lula & Dilma contra o mercado e os fatos.

Alexandre Schwartsman, que já foi economista-chefe do Santander, faz uma observação importante em relação à escandalosa interferência de Lula e Dilma no banco: o governo e o PT podem não concordar com a avaliação do mercado - mas trata-se de um fato, e não de simples opinião. A visão de ambos, com efeito, é meramente ideológica:


Antes de tudo, um alerta: para quem não sabe, fui economista-chefe do Santander entre 2008 e 2011, demitido após discussão pública com o então presidente da Petrobras. Digo isso porque quero hoje tratar do imbróglio que envolveu o banco na semana passada, quando foi publicada análise relacionando o desempenho da presidente nas pesquisas eleitorais ao comportamento da Bolsa, do dólar e de outros ativos.

A análise nada trouxe de controverso. Aqui mesmo na Folha, no dia 19, lia-se na página B3: "Bolsa chega ao maior nível em 16 meses", notando que "as ações de empresas estatais dispararam na BM&FBovespa e impulsionaram o principal índice da Bolsa brasileira nesta sexta-feira (18), após pesquisa Datafolha ter apresentado empate técnico entre a presidente Dilma Rousseff (PT) e o senador Aécio Neves (PSDB)". Acrescentou ainda que, "desde que começaram a ser divulgadas pesquisas apontando perda de espaço da presidente (...), o mercado de ações nacional, que caía e acentuava queda (...), mudou de tendência".

O governo e o partido podem não concordar com a avaliação do mercado, mas, conforme descrito pelo jornal, trata-se de um fato: para bem ou para mal, a percepção é que uma mudança de orientação de política econômica terá efeitos positivos sobre as empresas brasileiras, em particular as sujeitas a controle acionário governamental.

E é bom notar que o tal mercado pode ter as preferências ideológicas que quiser, mas, na hora de comprar ou vender uma ação, o que menos interessa é ideologia; é sempre a perspectiva de lucro que move esses agentes. Posto de outra forma, ninguém rasga dinheiro em nome de suas convicções políticas.

O texto do banco, enviado a correntistas com renda mensal superior a R$ 10 mil, supostamente mais propensos a operar no mercado financeiro, nada mais fez do que compartilhar esses fatos, e por um motivo muito claro. Bancos têm um dever fiduciário com seus clientes: não podem omitir ou distorcer informações relevantes para sua tomada de decisão.

Em particular, a opinião das áreas de pesquisa deve refletir exatamente esse tipo de preocupação. Analistas não estão certos o tempo todo, mas é claro que suas conclusões não devem ser guiadas pelos interesses da instituição financeira. Não por acaso as regras buscam (nem sempre com sucesso, diga-se) isolar a pesquisa econômica das posições próprias do banco e mesmo de áreas que gerenciam as aplicações de clientes (fundos de investimento), precaução devidamente apelidada de "muralha da China".

Nesse sentido, a decisão de demitir os analistas que expuseram, mais que uma opinião, um fato representa uma violação desse procedimento. A alegação de que a análise conteria "viés político ou partidário" não se sustenta diante da própria diretriz interna que "estabelece que toda e qualquer análise econômica enviada aos clientes restrinja-se à discussão de variáveis que possam afetar a vida financeira dos correntistas". Não há, como se viu, a menor dúvida de que as perspectivas acerca da eleição presidencial são mais que relevantes para afetar a vida financeira dos clientes.

A consequência desse comportamento é óbvia (e aqui falo em termos gerais, não do banco em si). Se a autonomia da pesquisa é ameaçada, a credibilidade da análise fica comprometida, a despeito das qualidades do analista. Quem, de agora em diante, pode confiar em relatórios se não sabemos a que tipo de filtros estes se encontram sujeitos?

O maior perdedor é o debate econômico, ainda mais numa conjuntura em que --em face de desafios nada triviais no futuro próximo-- ninguém se aventura a discutir a sério o que precisa ser feito para colocar a economia brasileira de volta nos eixos. Se até o óbvio, amplamente noticiado (ainda bem!) pela imprensa, vira objeto de censura, pouco falta para que fujamos da controvérsia como quem tem um miúra nos calcanhares. (FSP).

Indústria, comércio, bancos, consumidores: todos descontentes com Dilma.

O resultado só podia ser este: Dilma despencando nas pesquisas, como tem acontecido - e deve piorar daqui para frente. Editorial do Estadão:

Se o mau humor do empresário prejudica o desempenho da economia, todos os brasileiros têm mais um forte motivo para se preocupar - no caso do governo, um motivo eleitoral. O Índice de Confiança da Indústria (ICI) caiu em julho pela sétima vez consecutiva e chegou ao menor nível desde abril de 2009, segundo informou ontem a Fundação Getúlio Vargas (FGV). Foi mais uma confirmação de um estado de espírito dos mais sombrios. No dia 18, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) havia divulgado seu Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei), também apurado em julho. Foi o menor valor da série iniciada em janeiro de 1999.
O leitor pode escolher a série de sua preferência. Estenderá a comparação até janeiro de 1999, momento de uma grave crise cambial, ou abril de 2009, quando o Brasil começava a sair de uma recessão iniciada no mundo rico, no ano anterior, com o estouro de uma bolha financeira. A escolha é livre, mas a conclusão é inescapável: depois de mais um semestre muito ruim, os dirigentes da indústria ainda esperam dificuldades até o fim do ano.
Com mais um semestre de estagnação, a presidente Dilma Rousseff completará quatro anos de um mandato desastroso para a atividade industrial. Segundo a última sondagem da FGV, o Índice de Confiança da Indústria caiu 3,2% de junho para julho e chegou a 84,4 pontos. Esse indicador varia de zero a 200 e valores acima de 100 apontam expectativa de melhoras. A média histórica dos últimos cinco anos é 105,2, na série com ajuste sazonal. Mas até o ligeiro otimismo apontado por esse número já sumiu há muito tempo. Em todos os meses desde agosto do ano passado o ICI ficou abaixo de 100.
Dois componentes entram na formação desse indicador: um Índice de Situação Atual (ISA) e um Índice de Expectativas (IE). O primeiro caiu de 90,1 pontos em junho para 85,8 em julho. O outro, já abaixo de 100 em julho do ano passado, recuou de 84,4 para 82,9 na apuração recém-divulgada.
"O resultado de julho acende uma luz amarela em relação ao terceiro trimestre", comentou o pesquisador Aloísio Campelo Jr., superintendente adjunto de Ciclos Econômicos da FGV. A demanda, segundo ele, continua sendo um entrave importante ao crescimento e foi o fator de maior peso para a piora da avaliação do quadro atual.
Ainda sobrou um leve sinal positivo, de 105,4 pontos, no quesito "tendência dos negócios nos próximos seis meses", mas esse componente também piorou, com queda de 7,6% em relação ao nível de junho. No conjunto, o Índice de Expectativas ficou na área negativa (82,9%), com redução de 16,35% desde julho do ano anterior, na série com ajuste sazonal.
As sondagens da FGV e da CNI sobre a confiança dos dirigentes de indústrias combinam com o cenário geral das projeções econômicas.
Na pesquisa Focus, realizada semanalmente no mercado pelo Banco Central (BC), a mediana das projeções de crescimento econômico chegou a 0,9% na sexta-feira passada. O mesmo levantamento apontou a expectativa de contração de 1,15% do produto industrial. Na última semana, a CNI publicou suas novas estimativas dos principais indicadores econômicos. O novo quadro inclui crescimento de apenas 1% do Produto Interno Bruto (PIB), expectativa pouco melhor que a apurada na pesquisa Focus, e contração de 0,5% do produto industrial. O Ministério do Planejamento cortou de 2,5% para 1,8% sua projeção de aumento do PIB. (Continua).

Agora é o Deutsche Bank que vê risco na reeleição de Dilma. Tchau, gerentona.

O estrategista do banco usa luva de pelicas, mas não esconde dos clientes que a situação tende a se agravar caso Dilma seja reeleita. E agora, Lula, vai pedir cabeças no Deutsche também?

O banco Deutsche Bank está recomendando os seus clientes a reduzirem sua exposição aos títulos da dívida soberana brasileira denominados em dólar citando como uma das principais razões a perspectiva de reeleição de Dilma Rousseff e o “otimismo” demasiado dos mercados em relação a uma melhora nos fundamentos macroeconômicos do Brasil num eventual segundo mandato da presidente.
O banco alemão espera uma eleição apertada e apenas decidida no segundo turno.
Em nota enviada a clientes ontem, o estrategista para mercados emergentes do Deutsche Bank, Hongtao Jiang, rebaixou o peso dos títulos soberanos do Brasil em dólar de “neutro” para “underweight” (abaixo da média dos títulos que compõem a carteira sugerida para mercados emergentes), o que levaria os investidores a reduzir as suas aplicações nos papéis brasileiros em favor de outros países emergentes.
O Deutsche Bank havia elevado o Brasil para o peso “neutro” em janeiro deste ano, depois de ter deixado os títulos brasileiros por mais de um ano na posição “underweight”. Contudo, diante da recente valorização dos ativos brasileiros e da perspectiva dos fundamentos macroeconômicos, o banco voltou atrás e rebaixou novamente o País.
Jiang também recomenda os investidores favorecerem os títulos com vencimentos mais longos na curva de juros em dólar do País.
“Seguimos esperando que a presidente Rousseff seja reeleita, mas apenas após uma corrida presidencial apertada e com um apelo mais populista”, afirma Jiang em nota a clientes. “Além disso, acreditamos que o mercado está precificando muito otimismo sobre uma melhora potencial de políticas num segundo mandato de Dilma.”
Segundo Jiang, o sub-índice Brasil (na carteira de índices de mercados emergentes globais) registrou uma queda de 25 pontos-base desde o final de março. Uma queda refletiria teoricamente uma melhora na percepção do risco-País. Agora, segundo Jiang, o sub-índice Brasil está sendo negociado a 15 pontos-base abaixo da média dos títulos de países emergentes com rating soberano de grau de investimento, enquanto que no final de janeiro os papéis brasileiros eram negociados a 30 pontos-base acima da média dos países emergentes com nota de risco semelhante.
Esse nível atual de preços dos títulos brasileiros, ressaltou Jiang aos clientes do Deutsche Bank, “não compensa o risco de contínua deterioração dos fundamentos caracterizados por estagflação, piora no balanço de pagamentos, deterioração da qualidade fiscal, e um horizonte desafiador de política econômica antes e depois das eleições”.
O estrategista do Deutsche Bank disse acreditar que as eleições de outubro permanecem como um fator de restrição, limitando o escopo de mudanças significativas de políticas econômicas. O cenário base do banco alemão é que a presidente será reeleita após uma corrida apertada e apenas no segundo turno.
“A popularidade dela (Dilma) continuará provavelmente caindo nas pesquisas de opinião, devido ao ciclo desfavorável da economia, mas também em razão de uma crise de energia, uma investigação no Congresso e dificuldades ao sediar a Copa do Mundo”, disse Jiang. Mas essa queda da popularidade não será suficiente para prejudicar as chances de reeleição ou mesmo trazer de volta o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para substituir Dilma como candidato do PT, escreveu o estrategista aos clientes.
Essa dinâmica, ressaltou ele, representará um cenário desfavorável ao mercado, pois o PT provavelmente conduzirá a campanha eleitoral com forte apelo populista, o que provavelmente não melhorará a percepção sobre um segundo mandato de Dilma Rousseff. Tal apelo populista, disse Jiang, ficou explícito com o anúncio de reajuste de 10% nos valores do Bolsa Família e a correção da tabela do Imposto de Renda em 4,5% para 2015, além da continuidade da política de manter o salário mínimo crescendo a um ritmo maior do que a inflação para além de 2015.
Com base nas estimativas de José Carlos Faria, economista-chefe para Brasil do Deutsche Bank, Jiang disse que a perspectiva para os fundamentos econômicos do Brasil é bastante desafiadora. No lado fiscal, ele cita a projeção de um superávit primário consolidado do setor público de 1,5% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2014, em comparação com a meta de 1,9% anunciada pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega.
“A inflação permanece sob pressão, agravada por condições climáticas”, afirmou Jiang. “O provável racionamento de energia elétrica neste ano e em 2015 causará uma redução adicional da atividade econômica; a balança comercial tem se deteriorado continuamente e a estagflação parece ser o curso do futuro próximo (ao menos nos próximos dois anos)”, escreveu o estrategista do Deutsche Bank. (Blog do Fábio Alves, no Estadão).