quinta-feira, 17 de abril de 2014

Coelho do terror


Nada como "alegrar" as crianças no dia da Páscoa com o coelho do PT.

Dilma derrete e Aécio se consolida como candidato da oposição

O blog Construindo Pensamentos foi rápido no gatilho: pegou de primeira a nova pesquisa Ibope, que traz boas novidades. Confiram:
O Ibope divulgou hoje uma nova pesquisa, que confirma a tendência apresentada nos últimos meses por todos os institutos: Dilma está derretendo. Aos números:
Vamos lembrar o que aconteceu desde junho de 2013, quando explodiram os protestos de rua: Dilma despencou e viu sua popularidade desaparecer. Depois disso, ensaiou uma recuperação (na época, João Santana, marqueteiro do PT, chegou a dizer que os adversários de Dilma não passavam de “nanicos”…), mas rapidamente o movimento se estagnou. Dilma mostrou que seu teto é demasiado baixo para um governante em busca de reeleição. E recomeçou a cair, lenta e gradualmente.
“Mas ela segue liderando com folga e a oposição demora a crescer.”, lê-se em alguns jornais e blogs. Reiterando algo que venho dizendo há tempos, insisto: a essa altura, interessam menos os números em si mesmos e mais a curva de cada candidato. O que norteia as campanhas nesse período são as tendências e as reveladas nos gráficos acima são claras:Dilma está se esvaziando. (Continua).

Contra a "mídia pública" e a doutrinação estatal

Os meios de comunicação ditos públicos servem apenas ao poder: são instrumentos de doutrinação ideológica pagos pelos próprios cidadãos. No caso brasileiro, basta ver o que acontece com a "TV Lula" ou com a TV dos pelegos da CUT - ambas a serviço do lulopetismo. A tal de "democratização da comunicação", defendida por escolas de comunicação e jornalistas de sindicato, não passa de tentativa de ampliar a esfera estatal, deliberadamente confundida com espaço "público". Esse sempre foi o projeto totalitário dos petistas. O fato é que o Estado não deve ter TV, assim como não tem jornal impresso. Isso é da esfera da sociedade. Em favor da efetiva liberdade de expressão, privatize-se tudo. O artigo que reproduzo abaixo, de Antonio José Chinchetru, tem como título justamente "Meios públicos contra a liberdade de expressão":


En las diferentes protestas de sindicatos y otras organizaciones a favor "de lo público" en el ámbito de los medios de comunicación se observan diversas constantes. Una de ellas, que es la que nos interesa en este caso, es que se vincula la existencia de radios y televisiones de titularidad estatal (o autonómica, en el caso de España) con la libertad de expresión, como si una y otra tuvieran algún tipo de relación positiva directa. Sin embargo, la realidad es bien distinta.

Los medios de comunicación públicos son órganos de propaganda al servicio del poder político, con independencia de que sea el Ejecutivo (caso más frecuente en España) o el Legislativo. En cualquier caso, son instrumentos de adoctrinamiento de los ciudadanos pagados por estos mismos. En el caso de que existiera la muy elogiada "independencia" política de los medios, tampoco sería muy distinto.

En estos casos seguirían siendo un órgano de propaganda al servicio de los supuestos representantes de los trabajadores de los medios (el poder sindical, directamente conectado con determinados partidos) o de cualesquieras que fueran las organizaciones encargadas de nombrar a los directivos de las radios y televisiones públicas. Además, se trataría de vender, y seguramente se lograría, la idea de que la supuesta "independencia" garantiza la "objetividad", con lo que el espectador estaría con la guardia baja ante las posibles manipulaciones o incluso la mera existencia de una línea editorial.

Pero los medios públicos tienen una característica que les hace todavía más nocivos para la libertad de expresión: distorsionan el mercado de los medios debilitando al resto de empresas del sector, hasta el punto de poder poner en peligro la continuidad de algunas de ellas.

Si como ocurría antiguamente en España con TVE (y sigue ocurriendo con las radios y televisiones autonómicas) los medios públicos tienen publicidad, esto significa una merma en los ingresos del resto de radios y televisiones al quedarse con una parte nada despreciable del mercado.

Si se sigue el actual modelo de financiación de Radio Televisión Española, se impone un coste añadido al resto de cadenas, que deben entregar al Estado una parte de sus ingresos para sufragar RTVE. Esto afecta no sólo a las grandes cadenas de ámbito nacional (que al menos se han visto beneficiadas con un aumento de sus ingresos publicitarios al desaparecer la competencia de las cadenas estatales). También han de hacer frente a esos pagos televisiones pequeñas, de ámbito autonómico o local, con cuentas muy ajustadas y para las que el fin de la publicidad en TVE no ha supuesto la llegada de nuevos anunciantes.

Esto último, un incremento artificial de los costes destinado a mantener la televisión pública sin que aumenten los ingresos, se puede traducir en la pérdida de empleos en estas cadenas o incluso en el cierre de alguna de ellas que estuviera ya en una situación especialmente difícil. De esta manera, al querer dar oxígeno a un medio público se reduce la pluralidad en el ámbito audiovisual.

El modelo de la BBC, mediante el canon por la propiedad de un aparato de televisión, es simplemente un robo. Se obliga a los ciudadanos a estar suscritos a un canal que tal vez no quieran ver nunca. En cualquier caso, los medios públicos al final siempre reciben financiación pública que sale de los impuestos de los ciudanos, incluyendo algunos que no quieren verlas jamás.

En el caso de España, ocurre algo similar en otros países, otro elemento que hay que tener en cuenta a la hora de ver la relación entre medios de comunicación públicos y libertad de expresión y de prensa es la existencia de la agencia EFE. No se suele hablar de este caso, pero su efecto es especialmente nocivo. Creada en los inicios de la dictadura franquista, es la principal proveedora de teletipos para una gran cantidad de medios, al tiempo que está bajo control político al ser estatal. Eso significa que gran parte de la información que llega a los medios corre el riesgo de estar manipulada al servicio del Gobierno de turno (o por los sindicatos, o una confluencia de ambos).

Para la libertad de prensa, y por el respeto a los ciudadanos, lo mejor es la inexistencia de medios públicos. Sería necesario privatizarlos y para eso se puede optar por varias fórmulas. Además de la venta a una o varias empresas, existen otras opciones.

Lo ideal sería dividir el capital de estas empresas en acciones que se repartieran entre los ciudadanos (que a la postre son quienes han pagado con sus impuestos la creación y el mantenimiento de esas empresas) y después cada accionista-ciudadano podría hacer con sus participaciones lo que quisiera, mantenerlas sin más, mantenerlas sindicadas con otros accionistas, o venderlas. Otra opción viable sería convertir esos medios en cooperativas, y que los trabajadores empleados fueran los propietarios cooperativistas y tuvieran que hacer frente a la gestión y los gastos sin ayuda pública.

Si no es posible ninguna de las opciones anteriores, hay que cerrar esos órganos de propaganda y distorsionadores del sector de los medios que son las radios, las televisones y las agencias públicas. Si se admite que no es lógico que el Estado sea propietario de medios impresos (como sí lo era durante el franquismo o en cualquier régimen comunista de Europa central y oriental, o lo es en Cuba), debería resultar insostenible aceptar que sí posea medios audiovisuales o una agencia de noticias.

Cristo e os privilegiados da Papuda


O Estado como promotor da criminalidade

No país que tem 14 das 50 cidades mais violentas do mundo, o Estado é o grande propulsor da criminalidade. Artigo de Eduardo Franco, no site do Instituto Mises Brasil:


O brasileiro vive com medo. Sair à rua gera medo. Ficar em casa gera medo. Todo esse medo graças aos enormes números do crime no Brasil. De quem é a culpa disso tudo?

Só no ano de 2012, mais de 50 mil pessoas foram assassinadas no país, e tivemos registro de mais de 556 mil casos de roubos e furtos a residências e comércios. Mas os números podem ser ainda maiores, pois o desânimo é tanto que a maioria dos crimes nem sequer vira ocorrência policial.

Ocupamos hoje a perigosa posição de 11º pais em número de homicídios a cada 100 mil habitantes. Segundo a Pesquisa Nacional de Vitimização, 21% dos entrevistados foram vítimas de algum tipo de crime nos últimos 12 meses. Das 50 cidades mais violentas do mundo, o Brasil tem 14 delas no ranking.

Uma área da ciência econômica chamada de Economia do Crime trata a ação criminosa da mesma forma que trata a ação econômica: como um ato racional de empreendimento que leva em consideração o custo e o retorno que, nesse caso, incide sobre o ato de cometer um crime.

Como dito por Mises em Ação Humana, toda ação consciente efetuada por um indivíduo tem o objetivo de retirá-lo de uma situação de menor conforto e levá-lo para uma situação de maior conforto em relação à situação atual. Um investidor ou empreendedor sempre toma por base, para validar seus investimentos, o risco e o retorno esperado da ação. Da mesma forma, um criminoso avalia o cenário para cometer o crime, seja um assalto a banco ou, simplesmente, estacionar em local proibido. É isso mesmo: você empreendedor pensa da mesma forma que um assaltante.

Ícones da esquerda brasileira defendem que o aumento da criminalidade é resultado da desigualdade social e econômica do país, ou, ainda, que a culpa é da vítima. Repito: da vítima. A solução seria uma reforma do sistema capitalista ou a implantação do socialismo. O que parece ser uma contradição quando se compara os resultados que o governo se vangloria de ter atingido e os grandes números na criminalidade.

Já o pessoal da direita diz que a causa da criminalidade é que todo criminoso é um pervertido, e que esse comportamento é intrínseco a pessoa.

O fato é que não existe uma causa única no fenômeno da criminalização, muito menos existe uma única solução, ou uma solução simples. Como liberal, gostaria de parafrasear Bastiat e chamar a atenção para aquilo que não se vê: se existe algum "sistema" que deve ser reformado ou substituído, com certeza este seria o sistema de intervenção estatal ao qual estamos submetidos.

Seguindo a lógica da Economia do Crime podemos, facilmente, visualizar que o estado é o grande responsável pelo aumento da criminalidade.

Como?

Agindo de duas formas: diminuindo os riscos e os custos de se cometer um crime, e aumentando os riscos e os custos de se empreender uma atividade lícita e moralmente aceita.

Promovendo a sensação de impunidade

Muitos liberais defendem a existência do estado para cuidar do sistema judiciário, do policiamento e da segurança. Mas esses são setores em que o governo falha mais miseravelmente.

As leis — sendo que algumas até preveem penas severas — sofrem fortes interveniências a favor do condenado. A maioria dos criminosos dos ditos "crimes mais leves" não chega sequer a ir para prisão; e, quando vão, é com a certeza de que é por pouco tempo, devido à grande quantidade de brechas jurídicas que existem.

Sabendo disso, a pessoa que se aventura pelo crime o faz com ciência de que o custo de praticar a atividade ilegal (que nesse caso é a prisão) é reduzido. (Continua).

O indomável dragão de Dilma

O fato é que o incompetente governo Dilma alimenta o monstro da inflação, que, sem maquiagens, já estaria em 7,5 por cento. Quem vai a supermercado, sabe que ela já extrapolou os 10 por cento na maioria dos produtos:


Por que a inflação não baixa? Essa pergunta vem à tona cada vez que o Banco Central anuncia mais uma alta dos juros básicos da economia, exatamente para combater a inflação. Juros mais altos encarecem os financiamentos, diminuem as compras e os preços, então, baixariam. Isso na teoria. Esses mesmos juros, a Taxa Selic, aumentam sistematicamente há um ano. Partiram de 7,25% em 17 de abril do ano passado, no mais baixo patamar que a taxa já alcançou, para 11% em 3 de abril último e devem continuar na escalada. Mesmo assim, a inflação não dá trégua, mantém-se perto de 6% ao ano, e os preços dos alimentos não param de subir. O tomate voltou a preocupar. O vilão de 2013 ficou 32,85% mais caro em março.

O governo se comprometeu a manter a alta dos preços em 4,5%, podendo chegar a 6,5% para absorver choques no abastecimento. Esse compromisso só foi alcançado em quatro anos dos 15 em que o sistema de metas de inflação está instalado no Brasil.

Economistas enumeram um conjunto de fatores para explicar essa falta de eficácia da política monetária este ano. Segundo Sérgio Vale, economista-chefe da MB Associados, tirando da conta o ano de 2009, o da crise global, quando o país entrou em recessão, o IPCA, índice medido pelo IBGE e a referência para a meta, ficou perto de 6% ao ano desde 2008. Ele culpa o Banco Central de ter dado sinais de que a inflação no teto da meta é aceitável. Outro passo errado foi a queda de juros em 2012 e início de 2013. Diante da melhora internacional, o BC reduziu os juros, os maiores do mundo:

— É esse número basal (6%) que toda a sociedade trabalha agora, e qualquer choque joga esse número para cima. O problema é que o governo baixou demais a Selic até o ano passado e não fez o ajuste necessário lá atrás, de trazer a meta para baixo. Chancelou uma meta elevada e sinalizou tranquilidade em manter o IPCA próximo do teto, que é o que temos hoje. Qualquer choque coloca em risco o teto da meta. Seria necessário um choque mais forte, uma Selic que fosse para 14% ou 15% para ajustar essa inflação.

Esse remédio — diz Vale — pode fazer o “PIB derreter”, nas próprias palavras do economista. Isso pode significar até recessão e afetar o mercado de trabalho brasileiro, que vem se mantendo firme, mesmo com a expansão do Produto Interno Bruto próxima de 2% nos últimos três anos.

O professor da PUC Luiz Roberto Cunha chama a atenção para os extremos climáticos. Secas, nevascas, temporais mais intensos têm sido mais frequentes. Houve seca nos Estados Unidos no ano passado e aqui no Brasil este ano. Esse clima instável afeta diretamente o preço dos alimentos. Em 2010, a alta da alimentação no domicílio fora de 10,69% enquanto o IPCA fechou o ano em 5,91%. Em 2012, de 10,02% contra 5,84%; em 2013, de 7,65% contra 5,84%; e este ano, em apenas três meses: de 3,35% contra 2,18%:

— É uma combinação de extremos climáticos com mais gente comendo mais, com a inclusão da chamada classe C. Quem não é a favor de as pessoas comendo mais e melhor ?

Os juros atuariam sobre outros preços como os de bens duráveis, vendidos mais a prazo. Só que o avanço tecnológico tem baixado o preço, e os itens são símbolos de ascensão social, diz Cunha.

Inflação seria de 7,5%

Eduardo Velho, economista-chefe da INVX Global Partners, cita a piora fiscal como motivo para a inflação resistir. Artifícios para fechar as contas públicas, como a contabilidade criativa, tiram o crédito da política econômica:

— Se governo aprovasse uma lei impedindo que as despesas subissem mais que a expansão do país, as expectativas de inflação poderiam cair.

Ele diz que o índice, sem a ação do governo para frear aumentos de ônibus, da gasolina e da luz, estaria em 7,5%.

Para Estêvão Kopschitz, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a Selic está servindo para manter a taxa em 6%.

— Inflação, quanto mais alta, mais difícil de combater. Se ela está em 2%, 3%, pode-se até deixar o reajuste para depois. A indexação aumenta quanto maior é a inflação. (O Globo).

Aécio ataca o desgoverno Dilma em programa da oposição

O senador Aécio Neves, candidato do PSDB à presidência da República, terá programa de 10 minutos na TV, hoje às 20:30, para bombardear o desgoverno Dilma. Tratará do escândalo da Petrobras, da incompetência na Eletrobras e da perigosa volta da inflação. É uma boa oportunidade de conhecer as ideias do candidato, já que a oposição disporá de pouco tempo no período eleitoral. Matéria do jornal O Globo:


No programa do PSDB que vai ao ar nesta quinta-feira, em rede nacional de rádio e TV, o senador Aécio Neves (MG), pré-candidato à Presidência da República pelo partido, menciona a Petrobras e a Eletrobras e diz que é preciso acabar com a divisão entre “nós” e “eles” que está sendo vista no país quando o assunto é a política e a economia. O formato escolhido é o de entrevista, mais sóbrio e sem imagens de apelo ou jingles, e o senador se expressa livremente, sem texto pré-definido.

— Vamos virar essa página, dessa tentativa de fazer sempre uma divisão entre nós e eles. Aqueles que criticam o governo, aqueles que se indignam, como eu estou indignado e acho que tantos brasileiros, com o que está acontecendo com a Petrobras, com o que está acontecendo com a Eletrobras, o que está acontecendo com o Estado brasileiro, são os pessimistas, são os que não gostam do Brasil. E os que bajulam o governo são os patriotas. Nada disso — diz Aécio, em trecho da propaganda que vai ao ar hoje.

O responsável pela campanha do PSDB, o marqueteiro Paulo Vasconcelos, afirmou que o formato escolhido para o programa, que terá dez minutos, foi o de uma entrevista. Sem cortes na fala do senador, o depoimento de Aécio traz explicações que aprofundam os assuntos tratados e formulam as perguntas.

— Minha preocupação foi deixar o senador o mais livre possível para se manifestar. Escolhemos o formato de entrevista, nossa preocupação foi evitar cortes e deixar que o pensamento dele fosse livre. É uma peça simples, sem trucagem publicitária. Isso deu a ele uma liberdade maior. Não tem teleprompter, nem direção de texto — disse Vasconcelos. — Os dez minutos correm de uma só vez, e para facilitar a compreensão do cidadão, colocamos algumas perguntas, deixas para o assunto que vem em seguida – explicou.

O vídeo foi gravado há cerca de uma semana, quando já estava deflagrada a crise na Petrobras, com tentativas já em curso de abertura de CPIs sobre a compra da refinaria em Pasadena, nos Estados Unidos, e a prisão do ex-diretor da estatal Paulo Roberto da Costa. Porém, a peça foi gravada antes dos depoimentos da presidente Graça Foster e do ex-diretor da área Internacional da empresa, Nestor Cerveró, a parlamentares.

'Aposta no carisma'

Outros assuntos econômicos são citados pelo senador no filme, como os debates sobre a redução de energia e a ajuda do governo federal dada às distribuidoras, entre elas à Eletrobras. O responsável pela campanha destaca que o tema Petrobras foi aprofundado por Aécio no filme, mas que Eletrobras e o setor elétrico não foram explicados com mais profundidade.

— Apostamos no carisma do senador, na capacidade dele de se colocar junto ao cidadão. Alguns temas ele aprofunda, como Petrobras, mas Eletrobras não — disse.

A opção pela sobriedade no vídeo – sem jingles ou ilustrações e em formato de entrevista – se assemelha ao que foi escolhido pela campanha do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), e sua vice, Marina Silva, em filme exibido na semana retrasada. Todo em preto e branco, o vídeo do PSB e da Rede não contava com músicas ou imagens de apelo emocional. Porém, o coordenador da campanha tucana evita comparações.

— O estilo não é parecido, há uma diferença grande — afirma Vasconcelos.

Aécio vem se manifestando sobre a crise na Petrobras. Na terça-feira, após audiência de Graça Foster, no Senado, Aécio disse que a governança da estatal está em xeque. Para o tucano, Graça Foster tem idoneidade, mas deu autonomia excessiva aos diretores, que cometeram erros.

— A governança da Petrobras está em xeque, assim como os fatos pontuais. Ela deixou claro que foi um mau negócio (a compra da refinaria em Pasadena). Acho que ela estimula (a instalação de uma CPI). Ninguém questiona a Graça Foster na sua competência, na sua idoneidade. Mas, na governança, é falha, com diretores que tomam decisões com autonomia — disse Aécio. 

Ideli no TCU? O Brasil não merece.


Declarações contraditórias impõem CPI da Petrobras

São tantas as declarações e versões que só uma investigação profunda poderá esclarecer quem é quem nesse escândalo. Como diz Merval Pereira (O Globo), "o Brasil precisa saber quem está com a razão":

O governo petista não tem sido feliz nas duas frentes em que luta para se livrar de crises políticas à beira da eleição presidencial. O ainda deputado federal André Vargas, ex-diretor de Comunicação do PT, desistiu de renunciar, mas continua sob pressão partidária para fazê-lo. É provável que acabe capitulando. E, cada vez que uma nova versão sobre a compra pela Petrobras da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, vem a público, fica mais claro que é preciso investigá-la em profundidade.

Ontem, foi o momento do ex-diretor da área internacional da empresa Nestor Cerveró, acusado tanto pela presidente Dilma quanto pela presidente da Petrobras de ser o grande culpado por induzir a erro o conselho da Petrobras.

Para começo de conversa, o fato de ter omitido no resumo técnico a cláusula de saída, que obrigava uma das partes a comprar a outra em caso de litígio, e a Marlim, que garantia um rendimento básico de 6,9% à belga Astra Oil, parece a Dilma, a Graça Foster e aos empresários Jorge Gerdau e Fabio Barbosa, que também faziam parte do conselho, um pecado capital.

Já Cerveró ironizou sutilmente essa preocupação, dizendo que simplesmente não colocou as cláusulas no resumo porque elas são corriqueiras no mundo dos negócios.

Ou ele é um mentiroso que teve objetivo escuso ao omitir as cláusulas, ou todos os demais não entendem nada de negócios e estão utilizando essa desculpa esfarrapada para se livrarem da responsabilidade de terem autorizado um mau negócio . Não há alternativa, e somente uma investigação independente do Congresso pode definir as responsabilidades de cada um.

Um comentário lateral de Nestor Cerveró mostra bem o surrealismo da situação. Vários deputados tentaram incentivá-lo a falar o que sabe, alegando que fora traído por seus superiores ao ser demitido recentemente da diretoria financeira da BR Distribuidora - cargo a que fora rebaixado, segundo Graça Foster, devido ao episódio da compra de Pasadena.

Cerveró, muito sério, alegou que a saída do cargo agora não pode ser atribuída à compra da refinaria nos Estados Unidos, mas a uma simples questão administrativa, porque ela acontecera há 8 anos, e eu não fui demitido na ocasião . Raciocínio perfeito, que poderia ser complementado com a informação de que, ao ser transferido da Petrobras para a BR Distribuidora, Nestor Cerveró foi elogiado por escrito por esse mesmo conselho da Petrobras, que não registrou oficialmente a transferência como uma punição ao servidor.

As evidências de que a compra da refinaria de Pasadena foi no mínimo estranha são muitas, a começar pela troca de e-mails entre diretores da companhia Astra Oil mostrando que eles consideravam improvável que a Petrobras oferecesse preço tão alto quanto ofereceu para a compra dos outros 50% da refinaria.

Sobre esses e-mails, que revelam os bastidores da negociação, ninguém consegue explicar nada, e somente uma CPI terá condições de investigar a fundo a motivação da compra, até agora camuflada por comentários técnicos que são opostos, Graça Foster admitindo que foi um mau negócio que parecia bom, e Nestor Cerveró afirmando que foi um bom negócio de qualquer maneira, mesmo a Petrobras tendo admitido já uma perda de US$ 530 milhões.

O sincericídio da presidente Dilma, admitindo que não autorizaria a compra se tivesse os dados completos, deu início a essa crise, pois até aquele momento a versão oficial da Petrobras era a de que tinha sido um negócio perfeitamente normal. Hoje, a atual diretoria joga para sua antecessora a culpa, e a presidente da República atual transfere para seu antecessor e mentor a responsabilidade por um mau negócio na estatal símbolo do país.

O país precisa saber quem está com a razão.

Dilma põe o Brasil a reboque da Casa Rosada

A tiranete peronista Cristina Kirchner pinta e borda em cima do governo Dilma, que aceita tudo e se conforma vergonhosamente. Editorial do Estadão vai ao ponto:


O Brasil é oficialmente governado pela presidente Dilma Rousseff e sua capital é Brasília, mas as decisões mais importantes da diplomacia comercial brasileira vêm sendo tomadas na Casa Rosada, em Buenos Aires, capital da República Argentina. Se o governo argentino se recusa a negociar seriamente e de forma razoável um acordo comercial com a União Europeia, o acordo fica emperrado e as autoridades brasileiras aceitam e se conformam. Pelo menos até agora tem sido esse o procedimento-padrão. É o mesmo seguido, regularmente, quando a presidente argentina decide impor mais uma barreira comercial ao Brasil ou prorrogar o acordo automotivo e reformar suas regras. As autoridades brasileiras ainda se expõem, no mínimo, ao ridículo, com a mesma subserviência, ao apoiar abertamente a Casa Rosada em suas disputas com as vítimas inconformadas do calote declarado em 2001.

No mês passado o novo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Mauro Borges, voltou de Buenos Aires com uma exibição de otimismo quanto à negociação entre Mercosul e União Europeia.
Segundo ele, no começo de abril o governo argentino apresentaria uma lista suficiente de ofertas para permitir o avanço das conversações com os europeus. Brasil, Paraguai e Uruguai já haviam apresentado suas listas e só esperavam a proposta argentina, já muito atrasada, para planejar os próximos passos.
Na semana passada, em Montevidéu, mais uma vez a Casa Rosada prejudicou o jogo, com uma proposta bem inferior às de seus vizinhos e, obviamente, inadequada. Ficaram fora da lista vários produtos classificados como "sensíveis", como autopeças, químicos, eletrônicos e bens de capital. Além disso, o governo argentino defende um prazo de 15 anos para redução das tarifas sobre os produtos europeus e carência de 7 anos. Os outros membros do Mercosul pedem até 12 anos para o ajuste das tarifas e os europeus, 10.
A meta combinada entre as partes é uma redução tarifária para produtos correspondentes a 90% do comércio entre Mercosul e União Europeia. Brasil, Paraguai e Uruguai chegaram perto disso, mas a proposta argentina reduz a média das ofertas para cerca de 80%. O Brasil ainda pode melhorar sua oferta, mas a negociação é conjunta e a disposição argentina é fundamental para o resultado. Além do mais, a troca inicial de ofertas é apenas o começo da discussão mais substancial e mais consequente. Aberta essa fase, as partes ainda terão muitos detalhes para acertar.
Será importante retomar logo as negociações, para haver algum avanço ainda este ano. Se houver nova demora, a troca dos comissários europeus, em setembro, e as eleições no Brasil prejudicarão os trabalhos. Qualquer perda de tempo, nesta altura, pode ser desastrosa, porque várias outras negociações muito importantes estão progredindo, incluída a de um acordo entre União Europeia e Estados Unidos. A cada dia aumenta a desvantagem do Brasil e do Mercosul num mundo onde se multiplicam os acordos comerciais.
O governo brasileiro, afirma-se reservadamente em Brasília, está pronto para pressionar o argentino, se um entendimento entre os parceiros do Mercosul for impossível até a metade de maio. Esse tipo de ameaça, ou de promessa, já circulou em outras ocasiões, mas a Casa Rosada sempre se manteve como o principal centro de decisões da diplomacia do Mercosul.
A desastrosa política da presidente Cristina Kirchner já impôs à Argentina a perda de US$ 6 bilhões em exportações de carne nos últimos quatro anos, segundo a Fundação Mediterrânea, um centro de estudos econômicos. Em 2012 e 2013 o país ficou fora da lista dos 10 maiores exportadores de carne. Isso é só um exemplo - mas muito significativo - do custo da política econômica. Parte da conta dessa política vem sendo paga pelo Brasil, prejudicado pelo protecionismo do segundo maior sócio do Mercosul.
Custos até maiores já resultaram de erros cometidos em Brasília, como a opção terceiro-mundista do governo Lula, até agora preservada, e a insistência em sujeitar os interesses brasileiros a um Mercosul desmoralizado, mas ainda sujeito ao requisito de ação conjunta de uma união aduaneira.

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Pelo menos o falastrão Maduro calou a boca por alguns minutos

Ainda que os resultados das conversações entre o ditador Nicolás Maduro e setores da oposição não cheguem a bons resultados, pela primeira vez o ex-motorista de ônibus, o espectro de Chávez que tiraniza a Venezuela, teve que permanecer em silêncio por alguns minutos (o que deve ser uma façanha para falastrões tipo Lula. Artigo de Carlos Alberto Montaner: 

A Nicolás Maduro le salió muy mal la primera ronda de conversaciones en el palacio de Miraflores. No sólo de consignas vive el hombre. Él, su gobierno, y media Venezuela, por primera vez debieron (o pudieron) escuchar en silencio las quejas y recriminaciones de una oposición que representa, cuando menos, a la mitad del país.

El revolucionario es una criatura voraz y extraña que se alimenta de palabras huecas. Era muy fácil declamar el discurso ideológico socialista con voz engolada y la mirada perdida en el espacio, tal vez en busca de pajaritos parlantes o de rostros milagrosos que aparecen en los muros, mientras se acusa a las víctimas de ser fascistas, burgueses, o cualquier imbecilidad que le pase por la cabeza al gobernante.

El oficialismo habló de la revolución en abstracto. La oposición habló de la vida cotidiana. Para los espectadores no dogmáticos el resultado fue obvio: la oposición arrasó.

Es imposible defenderse de la falta de leche, de la evidencia de que ese pésimo gobierno ha destruido el aparato productivo, de la inflación, de la huida en masa de los venezolanos más laboriosos, de las pruebas de la corrupción más escandalosa que ha sufrido el país, del saqueo perpetrado diariamente por la menesterosa metrópoli cubana, del hecho terrible que el año pasado fueron asesinados impunemente 25.000 venezolanos por una delincuencia que aumenta todos los días.

¿Por qué Maduro creó esa guarimba antigubernamental en Miraflores? ¿Por qué pagó el precio de dañar inmensamente la imagen del chavismo y mostrar su propia debilidad dándole tribuna a la oposición?

Tenía dos objetivos claros y no los logró. El primero era tratar de calmar las protestas y sacar a los jóvenes de las calles. El “Movimiento Estudiantil” —la institución más respetada del país, de acuerdo con la encuesta de Alfredo Keller— había logrado paralizar a Venezuela y mostrar las imágenes de un régimen opresivo patrullado por paramilitares y Guardias Nacionales que se comportaban con la crueldad de los ejércitos de ocupación y ya habían provocado 40 asesinatos.

El segundo objetivo era reparar su imagen y la del régimen. Las encuestas lo demostraban: están en caída libre. Ya Maduro va detrás de la oposición por unos 18 puntos. Lo culpan (incluso su propia gente) de haber hundido el proyecto chavista y de ser responsable del desabastecimiento y de la violencia. Casi nadie se cree el cuento de que se trata de una conspiración de los comerciantes y de EE.UU. La inmensa mayoría del país (81%) respalda la existencia de empresas privadas. Dos de cada tres venezolanos tienen la peor opinión del gobierno cubano.

Ese fenómeno posee un alto costo político internacional. Ciento noventa y ocho parlamentarios sudamericanos de diversos países, encabezados por la diputada argentina Cornelia Schmidt, se personaron ante la Corte Penal Internacional de La Haya para acusar a Maduro de genocidio, torturas y asesinatos. Eso es muy serio. Puede acabar enrejado, como Milosevic.

Ser chavista sale muy caro. Lo comprobó el candidato costarricense José María Villalta. Esa (justa) acusación lo pulverizó en las urnas. En una encuesta realizada por Ipsos en Perú se confirmó que el 94% del país rechaza a Maduro y al chavismo. Eso lo sabe Ollanta Humala, quien hoy pone una distancia prudente con Caracas. Ni siquiera al popular Lula da Silva le convienen esas amistades peligrosas. Sólo Rafael Correa, quien padece una notable confusión de valores y no entiende lo que son la libertad y la democracia (en Miami se empeñó en defender a la dictadura de los Castro), insiste en su inquebrantable amistad con Maduro.

La oposición, como dijo Julio Borges, va a seguir en las calles y, por supuesto, continuará dialogando con el régimen. ¿Hasta cuando? Hasta que suelten a los presos políticos, incluidos los alcaldes opositores, restituyan sus derechos a María Corina Machado y Leopoldo López. Hasta que el régimen renuncie al tutelaje vergonzoso e incosteable de La Habana, configure un Consejo Nacional Electoral neutral y le devuelva la independencia al Poder Judicial. Hasta que el gobierno desista de la deriva comunista y admita que los venezolanos no quieren “navegar hacia el mar cubano de la felicidad”. En definitiva, hasta que celebren unas elecciones limpias, con observadores imparciales y se confirme lo que realmente quiere el pueblo: que se vayan Maduro y sus cómplices.

Blog do historiador Marco Villa sumiu. Vítima da patrulha petista?

O blog do professor e historiador Marco Antonio Villa, crítico do lulopetismo e autor de várias obras que analisam o tétrico espólio da seita, está fora do ar. Certamente, obra das patrulhas totalitárias. 

Tentem acessar: http://www.marcovilla.com.br/.

Lula e Dilma escondem; Aécio mostra.


Depois de 12 anos de petismo, a novidade é o PSDB. É o que temos. O resto é mais do mesmo.

O legado de Dilma: Brasil no buraco.


Ao que tudo indica, o país estará em péssima situação no fim do ano. É isto que Dilma, em fim de governo, deixará para os brasileiros. Chega de embromação, já deu, PT. Editorial do Estadão:


O Brasil estará em péssimas condições no fim do ano, se os fatos confirmarem metade das projeções negativas coletadas pelo Banco Central (BC) entre economistas do mercado financeiro e de consultorias na última pesquisa Focus. Pioraram as previsões de inflação, crescimento industrial, balança comercial e saldo da conta corrente do balanço de pagamentos. Mas houve pelo menos uma rara melhora: o crescimento estimado para o Produto Interno Bruto (PIB) subiu de 1,63% na semana anterior para 1,65% no levantamento realizado sexta-feira passada e divulgado nessa segunda-feira. Só uma pessoa desesperada festejaria esse minúsculo, quase inexistente, detalhe positivo. Além disso, quatro semanas antes a projeção indicava um crescimento econômico maior: 1,70%. Mas também esse resultado seria bem mais pífio que o do ano passado, de 2,3% segundo a primeira estimativa. As projeções divulgadas no boletim são medianas dos valores apontados por cerca de uma centena de especialistas consultados. Serão todos mal-humorados?

A inflação agora estimada para o ano, de 6,47%, quase bate no limite da margem de tolerância de 6,5%. Ou bate, com arredondamento. O governo e o BC haviam prometido para este ano preços mais comportados que os de 2013, quando a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) chegou a 5,91% e superou a de 2012, de 5,84%. Continua perfeitamente justificável a pergunta formulada muitas vezes por analistas conhecidos e respeitados: qual a meta real?
Será mesmo 4,5%, como registram os documentos oficiais e repetem os dirigentes do BC, ou será algo na faixa de 5,5% a 6%? Mesmo se levada a sério pelas autoridades, a meta de 4,5%, é bom lembrar, já seria muito maior que a de países mais dinâmicos que o Brasil.
O aparente pessimismo dos economistas do mercado e das consultorias é bem fundamentado pelos números divulgados até agora por instituições públicas e privadas. Publicado nessa segunda-feira, o Índice Geral de Preços - 10 (IGP-10) de abril bateu em 1,19%. Pouco menor que o de março, ainda foi o pior para os meses de abril desde 2004 (1,20%). Seu principal componente, o Índice de Preços por Atacado (IPA), subiu 1,42%. Foi um resultado melhor que o do mês anterior, de 1,65%, mas ainda muito alto. Além disso, a alta dos preços ao consumidor passou de 0,70% no mês anterior para 0,88%.
A alta das cotações agrícolas também tem atingido outros países, mas com efeitos inflacionários muito menores. Na semana passada, economistas e dirigentes do Fundo Monetário Internacional recomendaram novos aumentos da Selic, a taxa básica de juros, para conter a inflação. A política do BC está na direção correta desde o ano passado, segundo esses economistas, mas os resultados ainda são insuficientes.
Enquanto a inflação avança, o setor produtivo patina. O aumento de 1,65% projetado para o PIB nem chega a ser medíocre. Mas o cenário da indústria é desastroso. O crescimento previsto foi reduzido de 1,50% na semana anterior para 0,70%. A estagnação industrial, sensível há vários anos, prejudica a criação de empregos decentes e as demissões no setor cresceram nos últimos dois anos. O governo ignora a qualidade dos postos de trabalho criados, quando exibe o baixo nível geral de desemprego como uma de suas vitórias. Uma economia como a brasileira, ainda longe de ser uma economia de serviços modernos, depende do setor industrial para a criação de ocupações de qualidade no mínimo razoável.
A estagnação industrial, por falta de investimentos e de condições favoráveis a iniciativas mais ousadas, tem reflexos no comércio exterior. O saldo previsto para o ano diminuiu de US$ 5 bilhões para US$ 3 bilhões em quatro semanas. Mesmo o resultado de US$ 5 bilhões seria muito baixo para as necessidades brasileiras. Com o comércio emperrado, o saldo das transações correntes está agora estimado em US$ 77 bilhões. O investimento direto estrangeiro, projetado em US$ 60 bilhões, será de novo insuficiente para cobrir o buraco. O País dependerá, de novo, de capitais menos confiáveis.

Amanhã, na TV, Aécio falará sobre o desgoverno Dilma.


Já deu, petralhas! Chega, basta, fora!

Escândalo Ipea: pior que a encomenda.


Da página É Mentira do PT, no Facebook:

A polêmica envolvendo os dados da Pesquisa do IPEA sobre violência contra a mulher pode ser ainda pior do que imaginávamos!

Segundo denúncias publicadas pela revista Época e pelo jornal O Globo, há suspeitas de que o Instituto tentou jogar para debaixo do tapete o erro de seus pesquisadores..

O presidente do Instituto, Marcelo Neri, em entrevista publicada no dia 07/04/2014 pelo jornal O Globo, afirmou que desde o dia 31/03 já tinha conhecimento de que havia erro grave na pesquisa. No entanto, mesmo tendo conhecimento do erro, o Ipea demorou quase uma semana para reconhecer a lambança e publicar os dados verdadeiros. (Continua).

Gleisi queria um IBGE tipo Cristina K.

O Indec argentino, que a arrogante senadora Gleisi Hoffmann, nova pit bul do lulopetismo (e sempre de nariz empinado),  queria imitar, chegou a falsificar dados sobre a inflação. Editorial do jornal O Globo:


A experiência desaconselha misturar interesses político-partidários com instituições públicas de pesquisa, entre outras. Como prova, aí está o problema criado pela senadora petista Gleisi Hoffmann (PR) — aguerrida defensora do governo Dilma, de quem foi ministra-chefe da Casa Civil — com o corpo técnico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), entidade respeitável do Estado brasileiro. A polêmica trata de parte da nova pesquisa por amostra de domicílios, a “Pnad Contínua", importante aperfeiçoamento na apuração de indicadores sócio-econômicos no Brasil, por ser aplicada num universo bem mais amplo que a conhecida Pnad. Ao abranger 3.500 dos 5.700 municípios, ela garante informações mais precisas.

A questão é que sairão da nova Pnad os dados regionais de renda para efeito de cálculo dos novos parâmetros aos quais se subordinará a distribuição dos recursos do fundo de participação de estados e municípios — um assunto crucial para governadores e prefeitos.

O problema começou quando a senadora colocou sob suspeita a capacidade de o IBGE fornecer informações de qualidade para a recalibragem do fundo de participações, e nos prazos legais. O conselho diretor do IBGE suspendeu a Pnad Contínua, jogando sua retomada para 2015 — depois das eleições. De maneira compreensível, a diretora do IBGE Marcia Quintslr se exonerou, sendo acompanhada por técnicos. Entende-se o gesto como pertinente ação cautelar diante de precedentes de interferência político-partidária. O exemplo mais conhecido é a ingerência de frações petistas no Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), também estatal, durante um certo período, quando chegou a haver uma caça ideológica às bruxas. Seu presidente à época, o economista Márcio Pochmann, depois candidatou-se pelo partido, sem êxito, à prefeitura de Campinas.

Foi lógico relacionar a ação da senadora ao fato de a Pnad Contínua, por características técnicas, mostrar um índice de desemprego diferente daquele que é divulgado mensalmente. Mesmo que os números não possam ser comparados, os 7% de desemprego da nova pesquisa desagradam os marqueteiros da campanha de Dilma, já certamente com peças de propaganda nas gavetas para exaltar o índice de 5% apurado pelo indicador velho, em apenas seis regiões metropolitanas.

O clima ontem à tarde era de desanuviamento. Os técnicos tratam de reformular o esquema de trabalho, para a Pnad Contínua fornecer os dados de renda regionais nos prazos legais, enquanto a ministra do Planejamento, Míriam Belchior, considera tudo um mal-entendido e reafirma que o instituto tem total autonomia operacional.

Melhor assim. Seria inaceitável o IBGE seguir o destino do congênere argentino Indec, subjugado aos interesses do governo de Cristina K, a ponto de falsificar as taxas oficiais de inflação. Como Casa Rosada e Planalto têm preocupantes afinidades, é preciso manter-se vigilante.

O "coelho" de Dilma


(Aviso: persistem os problemas de conexão).

Problema de conexão

Aviso aos amigos que a situação deve voltar ao normal até o final da tarde. Abraços.

A invasão cubana na Venezuela



Por sugestão do amigo Paulo Roberto de Almeida. Sem comentários.

terça-feira, 15 de abril de 2014

Para entender a tragicomédia latino-americana

Acho que já chamei por aqui, mas, em todo caso, vale repetir: o inovador livro Del buen salvaje al buen revolucionario, do jornalista e escritor venezuelano Carlos Rangel (1929-1988), está disponível  na rede, no idioma original. É precursor de ideias liberais que só recentemente passaram a arejar essa região de tradição autoritária, civil ou militar. A obra foi publicada originalmente em 1976 - portanto, bem antes da queda do muro de Berlim e da implosão da União Soviética. Atentem para a antecipadora visão do autor. Para quem lê hoje, chega a ser cruel.

Os escritores latino-americanos que hoje se valem da crítica do politicamente correto devem muito a Rangel, embora raramente o citem. 

Bene, o endereço para baixar o livro é este aqui.

Esse Varguinhas merece mesmo é chicote

Ô, sujeitinho safado, esse André Vargas. Bom petista. Até quando, PT, abusarás da nossa paciência? Se depender do blogueiro, a cabeça da serpente lulopetista será cortada nas próximas eleições:

Depois anunciar para esta terça-feira sua renúncia ao mandato na Câmara para minimizar o desgaste sobre seu envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, o deputado André Vargas (PT-PR) mudou o discurso e agora diz que há um “impasse” e que está “reestudando” o afastamento. Ao site de VEJA, o petista exaltou a preocupação com o fato de que vai continuar respondendo a processo disciplinar, mesmo após o desligamento da Casa.
“A Câmara é que está dizendo que não posso renunciar. Estou impedido”, afirmou Vargas, por mensagem de texto enviada à reportagem. Em verdade, Vargas não está impedido de renunciar, mas a atitude seria inócua em afastá-lo das investigações.
A alegação se dá pelo fato de que, estando ou não no mandato, o Conselho de Ética dará continuidade ao processo aberto contra Vargas na semana passada. Dessa forma, seu nome se manteria nos holofotes até o fim da ação, que tem prazo de até noventa dias para ser concluída pelo colegiado – ou seja, pode terminar apenas em julho.
Também por mensagem, o deputado petista enviou o trecho de mudança feita à Constituição que determina que a “renúncia de parlamentar submetido a processo que vise ou possa levar à perda do mandato terá seus efeitos suspensos até as deliberações finais”. A assessoria do parlamentar também se manifestou: “A renúncia ao mandato será inócua, pois não surtirá qualquer efeito. Em face disso, o deputado está reestudando a hipótese da renúncia”.
O petista vem sendo pressionado pelo PT a entregar o cargo sob a ameaça de ser excluído do partido. Após reunir-se com dirigentes petistas na noite de segunda-feira, em São Paulo, o parlamentar anunciou que atenderia ao apelo e se afastaria da Casa.
Como já enfrenta um processo disciplinar, Vargas ficará inelegível se entregar o mandato, podendo voltar a concorrer a um cargo eletivo apenas nas eleições municipais de 2024. Por outro lado, se decidir não renunciar, ele se arriscará a enfrentar um processo de cassação – que, se aprovado, também o tornará inelegível. De dezembro para cá, seis deputados optaram por entregar o mandato para fugir da ação de perda de mandato. Conhecido estrategista, Vargas estuda saída que lhe trará menor dano.
“Eu não entendo o motivo de uma renúncia após o início do processo. É inócua e isso não vai mudar minha postura e minha conduta nesse trabalho”, disse o relator do caso no Conselho de Ética, deputado Júlio Delgado (PSB-MG). A tendência é que o deputado apresente na próxima semana parecer que aceite a denúncia contra o parlamentar e inicie as apurações sobre o envolvimento dele com o doleiro Alberto Youssef. (Veja).

Jornalista estrangeiro joga a toalha: nada de cobrir a Copa da Corrupção.


A decepção que o jornalista dinamarquês sentiu em Fortaleza é a mesma que os cidadãos honestos sentem neste país despedaçado pela corrupção, pela criminalidade e pelo lulopetismo (desculpem a redundância):


Até aonde você iria por um sonho? O jornalista dinamarquês Mikkel Jensen desejava cobrir a Copa do Mundo no Brasil, o "país do futebol". Preparou-se bem: estudou português, pesquisou sobre o país e veio para cá em setembro de 2013.

Em meio a uma onda de críticas e análises de fora sobre os problemas sociais do Brasil, Mikkel quis registrar a realidade daqui e divulgar depois. A missão era, além de mostrar o lado belo, conhecer o ruim do país que sediará a Copa do Mundo. Tendo em vista isso, entrevistou várias crianças que moram em comunidades ou nas ruas.

Em março de 2014, ele veio para Fortaleza, a cidade-sede mais violenta, com base em estatísticas da Organização das Nações Unidas (ONU). Ao conhecer a realidade local, o jornalista se decepcionou. "Eu descobri que todos os projetos e mudanças são por causa de pessoas como eu – um gringo – e também uma parte da imprensa internacional. Eu sou um cara usado para impressionar".

Descobriu a corrupção, a remoção de pessoas, o fechamento de projetos sociais nas comunidades. E ainda fez acusações sérias. "Falei com algumas pessoas que me colocaram em contato com crianças da rua e fiquei sabendo que algumas estão desaparecidas. Muitas vezes, são mortas quando estão dormindo à noite em área com muitos turistas".

Desistiu das belas praias e do sol o ano inteiro. Voltou para a Dinamarca na segunda-feira (14). O medo foi notícia em seu país, tendo grande repercussão. Acredita que somente com educação e respeito é que as coisas vão mudar. "Assim, talvez, em 20 anos [os ricos] não precisem colocar vidro à prova de balas nas janelas". E para Fortaleza, ou para o Brasil, talvez não volte mais. Quem sabe? (Continua).

Chile: a caminho da igualdade ou da servidão?

Artigo do escritor chileno Mauricio Rojas - que escreveu bons livros sobre filosofia e política - analisa a nova ofensiva socialista no Chile, que já padeceu o socialismo de Allende e, na sequência, a ditadura de Pinochet:

“Las naciones de nuestros días, no podrán evitar que en su seno las condiciones no sean iguales; pero depende de ellas que la igualdad las conduzca a la servidumbre o a la libertad, a las luces o a la barbarie, a la prosperidad o a la miseria.” Con esas palabras proféticas cerraba Alexis de Tocqueville el segundo tomo de la obra que lo inmortalizaría, La democracia en América. 

Más de 17o años han transcurrido desde entonces y no se puede negar lo acertado del diagnóstico. La búsqueda de la igualdad ha sido la clave del desarrollo político moderno y la misma nos ha llevado tanto a la creación de sociedades libres, prósperas y civilizadas como a verdaderos infiernos terrenales caracterizados por la servidumbre, la barbarie y la miseria. Todo depende de qué igualdad se busque. Esto es lo que Chile debe dilucidar en un debate que será decisivo para su futuro. 

Desde que Tocqueville hiciese su certera predicción se han estado enfrentando dos concepciones radicalmente diferentes de la igualdad: la socialista y la liberal. La primera ha conducido, allí donde se ha impuesto, a la limitación o incluso al arrasamiento de la libertad individual en aras de la igualdad. La segunda, ha buscado, no siempre con éxito, hermanar igualdad y libertad. Cuando lo ha logrado el progreso ha sido extraordinario; cuando ha fracasado ha creado las condiciones para el florecimiento del igualitarismo socialista, tal como lo muestra el caso de Chile. 

La concepción socialista se propone alcanzar la igualdad mediante la creación de seres humanos iguales, es decir, formados en el mismo molde y que comparten condiciones similares de vida. Para lograrlo, el control de la educación es clave, cosa que Michelle Bachelet ha entendido perfectamente. Este ha sido el elemento común a todos los socialismos, ya sean de corte socialdemócrata (evolutivo) o marxista-leninista (revolucionario): el hombre nuevo del socialismo lo forma el Estado docente, que monopoliza y uniforma la educación desde la más temprana infancia hasta la adultez. 

Junto con ello se debe “socializar el consumo” (como decían los ideólogos socialdemócratas suecos de los años 30), ya sea de golpe, como en las revoluciones comunistas que para ello se apoderan de todo el aparato productivo, o paulatinamente, como en los regímenes socialdemócratas que mediante un alza sostenida de impuestos van transfiriendo el poder sobre el consumo, y con ello de formar nuestras vidas, de manos de los ciudadanos a las de los políticos y sus tecnócratas. Este es el propósito estratégico de la reforma tributaria actual y de aquellas que, sin duda, vendrán. En esta perspectiva, la igualación de los ingresos es un objetivo secundario ya que lo decisivo para el socialismo es, más allá de lo que dice su retórica, cómo se usan los ingresos y no su igualación. Es una cuestión de poder y no de pesos más o pesos menos. 

Los resultados de este afán igualizador han variado. Cuando se ha aplicado plena y consecuentemente ha conducido a la barbarie y la miseria de los totalitarismos comunistas. Aplicado paulatinamente condujo a enormes Estados, llamados del bienestar, que han terminado hundiendo a Europa occidental en el marasmo y la crisis. El problema de fondo es que en ambos casos se ha sacrificado, total o parcialmente, la libertad individual y con ello la diversidad y la creatividad humanas que son la base imprescindible del progreso. 

Por su parte, el pensamiento liberal contemporáneo ha tratado de enfrentar el desafío de la igualdad de forma tal que amplíe la libertad y la diversidad. Su punto de partida es el valor o dignidad igual de los individuos y sus proyectos de vida. Por ello trata, por una parte, de limitar las intervenciones políticas que nos impongan formas de vida ajenas a nuestra voluntad. Por otra parte, reconoce la necesidad de ir más allá de la igualdad ante la ley o formal buscando darles a todos un acceso justo a las premisas o condiciones del ejercicio de la libertad. 

Para un liberalismo moderno nadie debe quedar excluido de la realización de sus potencialidades ni del uso de su libertad por razones ajenas a su voluntad, como lo son sus condiciones de nacimiento u otras similares. En este caso existe el deber de la solidaridad, es decir, de redistribuir parte de la riqueza de una manera que cree una igualdad básica de oportunidades que haga legítimas las disparidades que naturalmente se producirán en una sociedad libre. Cuando los liberales no han advertido la importancia clave de este aspecto o no han apostado decididamente por “emparejar la cancha” han terminado deslegitimando su propia causa y abriéndole las puertas a la igualdad de resultados propia del socialismo con todas sus consecuencias destructivas para la creatividad y el dinamismo sociales. 

Ahora bien, desde una perspectiva liberal es muy importante la forma en que se realiza esta redistribución dirigida a crear una igualdad razonable de oportunidades. Lo que se busca es dar más poder a los individuos, empoderarlos, y no aumentar el poder que otros ejercen sobre ellos. Esta es la diferencia clave con el pensamiento socialista que empodera al Estado y somete a los individuos para hacerlos iguales. Es en base a este ideal de igualdad, que potencia la libertad y la diversidad, que debemos y podemos enfrentar la ofensiva socialista hoy en marcha. De ello dependerá si Chile se orienta, con las palabras de Tocqueville, hacia “la servidumbre o a la libertad, a las luces o a la barbarie, a la prosperidad o a la miseria”. (Fundación para el Progreso).

O IBGE da Dilma