sexta-feira, 20 de abril de 2012

Dirceu e Ali Babá


Artigo no Estadão, sobre as barbaridades do lulopetismo:
Parece nome de banda de rock, mas não é. Trata-se de algo ainda pior. Está mais para Ali Babá e os 40 Ladrões. Na verdade um pouco menos, porque, entre as quatro dezenas de denunciados, alguns já foram absolvidos. Os mensaleiros protestam inocência, como, aliás, fazem todos aqueles que cumprem pena no inferno. Lúcifer - que reside por lá - vive a cutucá-los com o seu tridente e eles reclamam por entenderem que não merecem tal tratamento. Os petistas, em geral, são todos assim. Vivem a cometer as maiores barbaridades e se sentem com a consciência tranquila porque tudo o que fazem se justifica pela nobreza da "causa" que defendem.
Que causa tão excelsa seria essa? Ora, a "causa justa", a mesma pela qual se bateram Lenin, Trotsky e Stalin, que extinguiu qualquer vestígio de liberdade e - ninguém entende por quê - ainda povoa os sonhos de muitos imbecis. Um mundo melhor, uma sociedade composta de iguais, sem classes, na qual as pessoas, em vez de competirem entre si, colaboram umas com as outras. Alguém já resumiu essa questão de forma magistral: "Capitalismo é um regime em que os homens exploram os homens. Já o socialismo é exatamente o contrário". (Continua).

5 comentários:

Dawran Numida disse...

Olha, na hora de utilizar essa imagem de Ali Babá e os 40 Ladrões, é preciso tomar cuidado para não estar utilizando como favorável o desfavorável.

Na história, Ali Babá é inimigo dos ladrões e os engana. Ele não é o chefe dos 40 Ladrões.

Quanto ao trio citado, que defendia o igualitarismo, é sempre bom lembrar que não deu certo na época. E não deu certo nos 70 anos em que conseguiu manter-se.

Depois de 70 anos na forja, o novo homem igualitário, ao menos muitos deles, surgiram biliardários, adquirindo qualquer coisa mundo afora.

O igualitarismo falhou, pois, apenas alguns ficaram biliardários enquanto a maioria continuou pobre.

Antes, se defendessem o humanitarismo de Brás Cubas e suas Memórias Póstumas.

Maria do Espírito Santo disse...

Que bom ler uma referência ao Brás Cubas, Dawran. A mais fantástica personagem masculina de Machado.

E você tem toda razão: o abre-te sésamo do petralismo é código que poucos conhecem.

Anônimo disse...

tõ na área
Sempre é bom têrmos referências de figuras brasileiras,pena que cada vez MAIS LONGINQUAS no tempo e espaço.
Professor,que diz DO JUIZ que elaborou um ATESTADO DE ÓBITO,anulando o verdfadeiro, baseado-se em testemunhas(bandidos)que frequentavam o mesmo presídio do morto?.
Ah, o morto em questão era figura do PC brasileiro e o juiz deve ter ouvido a voz,não das ruas,mas das celas.
Meus sais vão se acabar...

fui..

Dawran Numida disse...

Olha, Anônimo-Sexta-feira, Abril 20, 2012 1:47:00 PM.

Uma coisa simples é que quem é melhor, tem de ser melhor sempre, entende?

Tem de se diferenciar e não ser igual.

Dawran Numida disse...

Maria do Espirito Santo, que as veredas do sertão de Minas, mesmo poéticas, tenham ensinado algo a alguém.
São coisas assim que podem obstaculizar os aprendizes de feiticeiros.