quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Lula, o Grande Impune, amarelou.

Pois é, o Conselho Nacional do MP suspendeu o depoimento do tiranete Lula e sua mulher, Marisa Letícia, sobre o tríplex do Guarujá, que Lula frequenta mas afirma não lhe pertencer, assim como o luxuoso sítio em Atibaia. Em poucas palavras, como mostra a charge de Sponholz, Lula amarelou:

O Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) suspendeu o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de sua mulher, Marisa Letícia, no inquérito aberto pelo Ministério Público de São Paulo sobre suposta propriedade de familiares do petista de um triplex na praia do Guarujá, no litoral paulista. O depoimento estava previsto para esta quarta-feira, 17, no Fórum Criminal da Barra Funda, na capital paulista. 
A decisão foi deferida no fim da noite dessa terça-feira, pelo conselheiro do CNMP Valter Shuenquener de Araújo. Ele atendeu a "pedido de providências", com pedido de medida liminar, protocolado pelo deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP), um dos parlamentares mais próximos de Lula.
No pedido, Paulo Teixeira alega que o promotor de Justiça paulista Cassio Roberto Conserino "transgrediu" a Lei Orgânica Nacional do Ministério Público e a Lei Orgânica do Ministério Público do Estado de São Paulo, ao antecipar à reportagem da revista Veja que denunciaria Lula e sua esposa por ocultação de propriedade, antes de se pronunciar oficialmente no processo.
O deputado petista alega ainda que o promotor violou as regras de atribuição e distribuição de processo de investigação, ao enviá-lo para a 2ª Promotoria Criminal da Capital do Estado de São Paulo, quando deveria estar distribuído à 1ª  Promotoria Criminal "ou, no mínimo, ter-se procedido à sua livre distribuição". 
Na decisão, o conselheiro ressalta que deferiu parcialmente o pedido de liminar feito por Teixeira, para "tão-somente" suspender a prática de qualquer ato pelo Ministério Público de São Paulo no processo de investigação de Lula, até que o plenário do CNMP delibere sobre a alegação de que o promotor Conserino violou as regras de distribuição do processo. (Estadão).

Um comentário:

Anônimo disse...

Amarelou? Acho que elle se borrou...