domingo, 6 de março de 2016

A verdadeira "condução coercitiva"


2 comentários:

Anônimo disse...

O RABO DA JARARACA

Ontem, no Fantástico, foi exibida uma nota do delegado que fez a condução da "jararaca". e cujo conteúdo não foi questionado por aquele instituto que teria sido fartamente financiado por dinheiro de Petrolão. Nela, o delegado esclarece que só fez alusão ao mandado de condução coercitiva de que era portador depois que a "jararaca" sibilou que só iria depor em outro lugar se saísse algemado dali. Este fato e os antecedentes da "jararaca", que usou de todos os recursos disponíveis para não depor em São Paulo, para obstruir a Justiça, para anular as investigações em curso e para insuflar seus milicianos à baderna, bem como o vazamento da operação de busca e apreensão na semana anterior (o instituto beneficiário do Petrolão estava simplesmente "limpo"!), somados ao respaldo que a lei dá, justificam plenamente a condução coercitiva da "jararaca". A meu ver, ela, a "jararaca", só difere dos outros 117 suspeitos que foram conduzidos coercitivamente para depor pelo fato de ser muito mais traiçoeira e peçonhenta. Se falha houve na operação, foram os mimos excessivos dispensados a ela, que deveria ter sido levada presa, como aconteceu com outras víboras de muito menor periculosidade. E mais: já havia evidências e provas de sobra para que essa operação tivesse sido realizada bem antes. mas a PF e o MP se cercaram de toda a cautela, pois sabiam que estavam mexendo como "deus-serpente" de uma seita peçonhenta.

Assim, nada justifica o chororó e o mimimi dos petralhas.

Anônimo disse...

Que dupla! jararaca & jabiraca.