quarta-feira, 16 de março de 2016

"Dilma joga a toalha e entrega governo a Lula", diz analista. Toalha, nada: é golpe de Estado.

Insisto: Lula no governo, sem eleição, é golpe de Estado. E golpe em estilo bolivariano. Segue texto de Marcelo de Moraes, publicado no Estadão:

Pressionada pelos milhões de pessoas que ocuparam as ruas no último domingo e pelo teor explosivo das revelações feitas pelo senador Delcidio Amaral, a presidente Dilma Rousseff não resistiu. Sabendo que não teria mais força política para evitar sozinha o processo de impeachment, apelou para o padrinho. Nomeou Luiz Inácio Lula da Silva como ministro da Casa Civil e, na prática, lhe entregou o comando do governo.
A estratégia é uma só: sem saber o que fazer para consertar a confusão econômica e política em que seu governo se meteu, Dilma apelou para a última cartada possível. Usa o resto de popularidade que Lula ainda possui para injetar algum sopro de vida na sua administração.
O problema é que o atual estágio da crise não garante que o movimento desesperado funcione. Para Lula, a manobra é reconfortante. Passa a ficar protegido de ser preso por ordem do juiz Sergio Moro, já que terá foro privilegiado por ser ministro. Ou seja, apenas o Supremo Tribunal Federal poderá investigá-lo. De quebra, ganha o que sempre quis, antes mesmo de Dilma se reeleger: passe livre para iniciar seu terceiro mandato presidencial. Dessa vez, sem o voto das urnas, mas com a liberdade de atuação de um bombeiro que tenta apagar um mega incêndio que já lambe toda a casa.
Não é que essa estratégia seja arriscada. Foi a que restou aos petistas, enfraquecidos no poder, como as ruas mostraram no domingo , e fragilizados pelo mar de escândalos que envolve o mundo político.

Nenhum comentário: