quarta-feira, 30 de março de 2016

Insensatez e desespero: falso programa vira palanque para Dilma achincalhar a Constituição.

Dilma et caterva: mundo da fantasia.
A presidente búlgara Dilma Rousseff, cuja teimosia em abandonar a presidência é uma ameaça às instituições democráticas, usou o palanque da suposta 3a. fase do Minha Casa Minha Vida para defender seu indefensável mandato. Ridículo, ou melhor, trágico: Dilma despreza a Constituição.

Um dia depois de o PMDB desembarcar do governo de Dilma Rousseff, o lançamento da terceira etapa do Minha Casa Minha Vida se transformou em ato de defesa do mandato da presidente.
Representantes dos movimentos sociais que lotam o salão nobre do Palácio do Planalto se revezam na tribuna para defender a bandeira de que o impeachment da presidente é um "golpe" contra a democracia.
Além das palavras de ordem costumeiras contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e a imprensa, o alvo desta vez foi o vice-presidente Michel Temer. "Temer, renuncia". O vice tem sido acusado de trabalhar a favor do impeachment, para que possa assumir a Presidência no lugar de Dilma. "Não vai ter golpe" é a forma como as pessoas que se revezam na tribuna encerram os discursos.
Além dos movimentos sociais, também participam do anúncio prefeitos. Os ministros Jaques Wagner (gabinete pessoal), Nelson Barbosa (Fazenda), Kátia Abreu (Agricultura) e Gilberto Kassab (Cidades).
Durante a cerimônia, a presidente Dilma Rousseff defendeu o alto volume de subsídios do Minha Casa, Minha Vida no lançamento da terceira etapa do programa. "Dinheiro público não pode resultar em muquifo, tem que resultar em casa boa e de qualidade", discursou a presidente no Palácio do Planalto.
"Nós temos orgulho de subsidiar porque sabemos que a conta do bolso do trabalhador e trabalhadora brasileira, dos quilombolas, dos extrativistas, a conta não fecha se o governo não for capaz de devolver recursos tributários para garantir a melhoria das condições de vida", afirmou.
A presidente Dilma afirmou que mesmo diante das "dificuldades públicas e notórias" da economia, o governo optou em não cortar os programas socais porque é preciso enfrentar um "passivo histórico" de "desigualdade imensa" no País.
Ainda durante a cerimônia, a presidente começou o discurso exaltando o Minha Casa, Minha Vida com a afirmação de que só o governo dela e do antecessor, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foram capazes de implementar um programa habitacional que garantisse a milhões de brasileiros o sonho da casa própria. "Lançamos o programa para enfrentar a crise em 2009 e de outro pela absoluta consciência que a questão da casa própria era uma das reivindicações mais importantes dos movimentos sociais", afirmou.
Impeachment. Enquanto enfrenta um processo de impeachment no Congresso, a presidente aproveitou o evento para puxar o discurso de que o processo de impedimento sem crime de responsabilidade é golpe. "Nós estamos discutindo impeachment concreto sem crime de responsabilidade e impeachment sem crime de responsabilidade é golpe", disse a presidente sendo aclamada pela militância petista presente. (Estadão).

2 comentários:

Anônimo disse...

SINTO NOJO DESTA SENHORA!

Pessoal do blog, usem o MAPA DO IMPEACHMENT e convençam os parlamentares/senadores do seu estado, que estão indecisos, a aderir ao impeachment.

http://mapa.vemprarua.net/

Faça um texto curto e objetivo. Mãos à obra!


Eu já escrevi para todos os parlamentares indecisos de todos os estados.


Chris/SP

Anônimo disse...

A bandilma ainda fala em quilombolas! Isso é mais véio que o próprio marx, o inspirador do besteirol esquerdista!