quinta-feira, 10 de março de 2016

Manifesto do peleguismo jornalístico

O manifestinho dos pelegos petistas da Fenaj (hoje quase todos no Psol) esconde, atrás da pretensa defesa dos jornalistas, uma defesa do governo corrupto praticado no Brasil. A linguagem, como convém, é ambígua, mas o recado é o de sempre: socialismo. Conheço essa gente. Valha o detalhe: "O cidadãos têm todo o direito de protestar e criticar as instituições do país, inclusive a própria imprensa, mas, no entanto, os excessos devem ser evitados, pois só interessam aos inimigos da democracia". A recomendação deveria ser feia às hordinhas lulopetistas:

Em defesa do Jornalismo e dos Jornalistas

A Federação Nacional dos Jornalistas novamente vem a público manifestar preocupação com a segurança, integridade e trabalho dos jornalistas brasileiros. Nesse momento em que novos atos de rua estão programados para os próximos dias, a FENAJ:

1 – Dirige-se ao ministro da Justiça, exigindo que garanta a integridade e o trabalho dos jornalistas; que respeitada a autonomia dos Estados, oriente às forças policiais a não só evitar agressões como salvaguardar aos jornalistas o livre exercício da profissão; 

2 – Dirige-se às empresas de comunicação para que adotem o Protocolo de Segurança proposto pela Federação, no sentido de: a) constituir comissões de segurança para avaliar a pertinência das pautas que coloquem em risco a integridade dos profissionais; b) fornecer equipamentos de proteção individual e treinamento, a fim de capacitar os profissionais para coberturas de risco; e c) permitir aos jornalistas executar um trabalho com a qualidade que a sociedade merece, ou seja, pautado no interesse público; 

3 – Dirige-se à sociedade para que reconheça na atividade jornalística e nos seus profissionais um elemento fundamental de sustentação da democracia; 

A liberdade de imprensa é uma prerrogativa da atividade jornalística no cumprimento do seu dever maior, que é o de garantir a liberdade de expressão que pertence ao povo brasileiro.

O cidadãos têm todo o direito de protestar e criticar as instituições do país, inclusive a própria imprensa, mas, no entanto, os excessos devem ser evitados, pois só interessam aos inimigos da democracia.

Liberdade de imprensa e de expressão são pilares fundamentais do estado de Direito.

A verdade, o combate à corrupção e a liberdade conquistados com a redemocratização não devem ser destruídos por interesses autoritários e estranhos à soberania nacional;

A FENAJ e os Sindicatos dos Jornalistas dizem não à intolerância, ao autoritarismo, à prevalência de interesses privados em detrimento do interesse público no Jornalismo e a qualquer forma de violência contra a categoria.

Um comentário:

Anônimo disse...

No tempo das vacas mais gordas vários desses pelegos coonestaram várias formas de violência petralha contra o povo brasileiro.