terça-feira, 8 de março de 2016

Pé na cova: Dilma já não tem apoio nem do PT.

Artigo de Celso Ming no Estado: governo em acelerada deterioração.


O governo Dilma está isolado, não conta com apoio nem do PT. Terá de enfrentar agora até mesmo manifestações de rua contrárias agendadas por uma de suas bases sociais, que se imaginava fiel, o Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST).

Afirmar, simplesmente, que o governo Dilma acabou, como alguns analistas vêm fazendo, é um tanto precipitado. O que se pode dizer é que, no momento, não há governo em condições para enfrentar o colapso da economia. Mas é bom lembrar do aviso do senador Magalhães Pinto, repassado ainda nos anos 70: “A política é como nuvem. Você olha e ela está de um jeito. Olha de novo e ela já mudou”.

Mas a economia despenca em franca deterioração. Em apenas dois anos, 2015 e 2016, a renda per capita deverá desabar em torno de 10%. Embora com perspectivas de alguma desaceleração, a inflação segue acima de 10% ao ano. O desemprego avança também para o nível dos 10% da força de trabalho. A dívida pública tende aos 80% do PIB e acentua o risco de calote. E o investimento sumiu, porque não há ambiente favorável aos negócios.
Não se vê nenhum conjunto de políticas que apontem para o resgate do setor produtivo. Mais do que isso, a “sensação térmica”, para usar a expressão do economista-chefe do Grupo Itaú, Ilan Goldfajn, não é de simples repeteco da recessão de 2015, mas de aprofundamento ainda maior, o que acentua a dificuldade de recuperação e aumenta seu custo político.
O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, submergiu porque não encontra respaldo para as propostas do governo no Congresso e, de quebra, enfrenta oposição cerrada dentro do próprio partido da presidente Dilma.
O cenário do impeachment parece mais provável do que era há apenas um mês, mas ainda é uma aposta arriscada diante da falta de um Fiat Elba que o materialize.
A outra possibilidade é a de que a presidente Dilma desista, forçada até mesmo pelo PT, que já a vê como obstáculo a seus projetos eleitorais. No entanto, ela se aferra ao cargo. Só um novo fato político grave parece capaz de arrancar-lhe a capitulação. Os termos da delação premiada do senador Delcídio Amaral ainda a serem divulgados podem, eventualmente, servir para isso. E há os novos desdobramentos da Operação Lava Jato, que ninguém sabe quais serão.
Não dá para descartar um terceiro cenário, o de que esse governo se arraste mata adentro, como animal ferido, perdendo sangue e substância, à mercê dos predadores, até outubro de 2018. Se for por aí, um tempo precioso estará sendo perdido sem que se produza o ajuste das contas públicas e sem que se encaminhem as reformas capazes de tirar a economia da encalacrada.
Mas as coisas parecem precipitar-se. O PMDB ensaia o mergulho de abandono do barco, o que ficará mais claro na convenção nacional agendada para o próximo sábado, que poderá dar mais força ao vice-presidente, Michel Temer. E há as manifestações marcadas para este domingo que medirão o volume do ronco das ruas.

Um comentário:

César de Castro Silva disse...

Se essa senhora tivesse apenas um neurônio em bom funcionamento renunciaria imediatamente, poupando o Brasil, e ela própria, de tanto sofrimento.Com menos do que isso Getúlio se matou.