quinta-feira, 21 de abril de 2016

Mantega intermediou caixa 2 para a campanha de Dilma em 2014

Notícia publicada hoje pelo jornal O Globo é mais lenha para o impeachment de Dilma, atingindo em cheio sua última e suja campanha para a presidência. Definitivamente, a lama invade o Palácio do Planalto. Vejam o que disse a mulher do marqueteiro João Santana, em delação premiada:


O ex-ministro da Fazenda e ex-presidente do BNDES, Guido Mantega, intermediou o pagamento de caixa 2 para a campanha pela reeleição de Dilma Rousseff em 2014, segundo a mulher do marqueteiro João Santana, Monica Moura. Em relato a procuradores federais de Brasília para tentar fechar acordo de colaboração premiada, Monica contou que Mantega se reuniu com ela e indicou, mais de uma vez, executivos de empresas que deveriam ser procurados para ela receber contribuições em dinheiro, que não passaram por contas oficiais do PT e, por isso, não foram declaradas à Justiça Eleitoral. Mantega reconhece ter se encontrado com Mônica, mas nega a acusação. O coordenador jurídico da campanha de Dilma Rousseff, Flávio Caetano, negou ter havido caixa 2 na campanha pela reeleição da presidente e também que Mantega tenha solicitado a empresários valores para campanha.

A mulher de João Santana também revelou que na disputa de 2014, pelo menos R$ 10 milhões teriam sido pagos a ela e a João Santana fora da contabilidade oficial. E mais: pagamentos via caixa 2 não teriam sido prática exclusiva da última eleição: ocorreram nas campanhas presidenciais pela eleição de Dilma (2010), e pela reeleição de Lula (2006), além das campanhas municipais de Fernando Haddad (2012), Marta Suplicy (2008) e Gleisi Hoffmann (2008).

Sócia em empresas e braço direito do marqueteiro petista, ela disse ter registrado em uma agenda, que não foi apreendida pela PF, detalhes dos encontros mantidos em hotéis e restaurantes de São Paulo com interlocutores dos executivos indicados por Mantega, com o intuito de recolher as contribuições, que eram entregues em malas de dinheiro.

Ao GLOBO, o advogado de Mantega, José Roberto Batochio, reconheceu que o ex-ministro teve encontros privados com Monica Moura, mas negou que tenham tratado de logística de pagamento de caixa 2 de campanha.

— Foram duas ou três conversas, jamais no ministério (da Fazenda). Se ele conversou com Monica em algum momento, foi somente quando indagado sobre dados técnicos e econômicos para elaboração de produtos de comunicação para a campanha. Quem tratava de recursos era o tesoureiro — afirmou o defensor do ministro, para quem a acusação é um "rotundo equívoco".

As investigações apontam que Monica, no entanto, cuidava de assuntos administrativos e financeiros do casal. Perguntado se outras pessoas participaram dos encontros, o defensor informou que preferia não se manifestar.

Segundo Monica, a Odebrecht pagou R$ 4 milhões em dinheiro para a campanha de Dilma em 2014, não registrados nas contas oficiais de campanha. Os valores teriam sido entregues diretamente para ela e usados para pagar fornecedores na área de comunicação. Ela afirma poder indicar, também, as empresas responsáveis pelos outros R$ 6 milhões recebidos por ela e usados para o mesmo fim.

Os dados trazidos por Monica dão novo sentido a anotações do celular do executivo Marcelo Odebrecht citadas em relatório da Polícia Federal (PF) localizado pelo GLOBO. Produzido em junho do ano passado, o documento mostra que em uma nota o empresário registrou a sigla “GM” ao lado de um número de celular. Quando a reportagem ligou para o telefone, Mantega atendeu. Ao lado da sigla também está a mensagem “Pedido específico, blindagem JEC”, que a PF diz não saber o significado.

No relatório da PF, os peritos escrevem que a sigla GM “pertence, possivelmente, a Guido Mantega”. Os agentes escreveram considerar a anotação “27M” uma referência a pagamentos de R$ 27 milhões. Pela hipótese levantada pela PF, a anotação associaria Mantega a um pagamento de pelo menos R$ 25 milhões por parte da Odebrecht (R$ 4 milhões até outubro e “depois”, R$ 21 milhões).

Em outras mensagens, o próprio executivo, que assinava e-mails com a sigla “MO”, assume possível participação na tratativa de contabilidade paralela de campanha. "Campanhas incluindo caixa 2 se houver, era só com MO, que não aceitava vinculação", escreveu em trecho.

Um comentário:

Anônimo disse...

A eleição de Jânio Quadros foi "o fim da bandalheira", seguido de Hino Nacional e lágrimas de comoção cívica. A queda de João Goulart foi "o fim da bandalheira", seguido de Hino Nacional e lágrimas de comoção cívica. A "Nova República" foi "o fim da bandalheira", seguido de Hino Nacional e lágrimas de comoção cívica. A eleição de Collor foi "o fim da bandalheira", seguido de Hino Nacional e lágrimas de comoção cívica. A queda de Collor foi "o fim da bandalheira", seguido de Hino Nacional e lágrimas de comoção cívica. A eleição de Lula foi "o fim da bandalheira", seguido de Hino Nacional e lágrimas de comoção cívica. As CPIs de 1993 foram "o fim da bandalheira", seguido de Hino Nacional e lágrimas de comoção cívica. A votação de ontem foi "o fim da bandalheira", seguido de Hino Nacional e lágrimas de comoção cívica. Ou a tal da bandalheira é imortal, ou todo mundo está mentindo.
Desde os anos 50 do século passado, já vi tantas festas cívicas de "fim da bandalheira", que, diante de mais uma, não tenho nenhuma inibição de ser um estraga-prazeres e dizer, como o inglês da piada: "Oh, Peter, você não mudou nada."

Fonte:

http://www.midiasemmascara.org/mediawatch/outros/16473-2016-04-20-21-46-10.html