sábado, 16 de abril de 2016

PT negocia apoio nas municipais para quem votar contra o impeachment? Quá-quá-quá, alguém ainda quer o apoio do PT?

Dilma no mundo da fantasia.
Dilma e seu partido andam prometendo o que não podem cumprir, a menos que estejam escondendo dinheiro surrupiado via corrupção, além dos cofres públicos, já corroídos. Repito: o lulopetismo transformou o país em esgoto a céu aberto:


As eleições municipais deste ano entraram no cardápio de negociação do governo para conseguir votos contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Deputados governistas confirmaram ao Estado que estão oferecendo apoio na disputa municipal deste ano, que irá escolher prefeitos e vereadores, em troca de votos. Ao menos quatro deputados teriam desistido de votar contra o impeachment em troca do apoio eleitoral. Os petistas não revelam os nomes para evitar que o grupo pró-impeachment faça contrapropostas.  

A estratégia dos governistas, contudo, nem sempre é bem sucedida. Um deputado petista admite que perdeu o voto de um colega do PDT por não ter como garantir aliança com o PT na disputa municipal. Seria o deputado Hissa Abrahão (PDT-AM), candidato à prefeitura de Manaus.  

A eleição nacional de 2018 também entrou no pacote das negociações. O deputado Waldir Maranhão (PP-MA) desistiu de votar a favor do impeachment depois de um acordo para ser o candidato ao Senado na chapa do governador do Estado, Flávio Dino (PC do B). 

Num cenário em que os votos mudam a cada momento, a estratégia dos governistas também inclui a escalação de deputados para vigiar os parlamentares que mudaram de posição. O trabalho é feito em equipe. Enquanto um deputado tem a função de conquistar o voto, o outro trabalha para evitar que ele seja abordado pela oposição. Segundo um governista, o trabalho deste último é ficar 24 horas colado no novo aliado. (Estadão).

Nenhum comentário: