segunda-feira, 30 de maio de 2016

A experiência socialista, de colapso em colapso.

O colapso da Venezuela, os desastres históricos e a renitente estupidez socialista (vide bolivarianismo e lulopetismo):


Olhando para o futuro, é seguro prever que mais países irão se recusar a aprender com a história e irão adotar novamente políticas socialistas, ainda que talvez sob outra roupagem e sob outro rótulo. Pior ainda: estou igualmente certo de que, quando isso novamente ocorrer, haverá "idiotas úteis" — para utilizar as palavras de Lênin — como David Sirota, que irão cantar as glórias do socialismo até o momento em que tal país se afundar no mais profundo colapso. E, após o colapso, esses nobres palpiteiros irão simplesmente tirar o time de campo, ignorar tudo o que escreveram, e passarão a parolar eloquentemente sobre outros assuntos. 

O que nos leva a essa importante pergunta: dado que o socialismo sempre fracassou em todos os locais em que foi tentado, por que ainda existem inúmeras pessoas que insistem em lhe tecer glórias e em tentar fazê-lo funcionar? ( Leia as respostas no texto integral).

Um comentário:

Paulo Robson Ferreira disse...

Os idiotas úteis de Lenin, são, na realidade, o que hoje a ciência classifica com indivíduos de baixa inteligência emocional. É importante notar que tais indivíduos possam até ter bom QI, mas no equilíbrio entre emoção e razão são dotados de muita fragilidade. Todos os movimentos sectários exploram exatamente essa vulnerabilidade das massas oferecendo resultados utópicos de grande apelo emocional. As utopias são: justiça social distributiva, afirmação da superioridade de uma raça, afirmação da superioridade de uma religião, limpeza étnica e vai por aí. Quando o militante se liga a um movimento desses não são argumentos lógicos que determinam seu engajamento mas sua índole psíquica. Só para ilustrar, vai aqui a pergunta: é possível convencer um corintiano virar palmeirense com argumentos lógicos?