terça-feira, 10 de maio de 2016

Cardozão, o ghost writer de Maranhão: só tiros nos pés.


Um comentário:

lgn disse...

O ex-ministro da justiça afirmou, quando ainda nesse cargo, que se tivesse que ser preso e conduzido à qualquer presídio brasileiro, ele preferiria a morte. Pois passou pelo ministério fazendo política nitidamente petista. Era um militante assumido. Nem sequer pensou em dar alguma dignidade aos presos tomando alguma medida efetiva. Já o assisti, por vídeo, palestrando no Foro de São Paulo. O que presumo diante de tal insistência em preservar o mandato de Dilma? Exatamente os compromissos assumidos pelo partido com o Foro. O projeto Pátria Grande vazando. O grande financiador sem grana por parte de uma desastrosa administração onde tinha tantos compromissos a serem cumpridos de toda ordem. Os PACs, a máquina pública infiltrada de companheiros, dinheiro para o caixa do partido, financiamento para países companheiros, os compromissos sociais de toda ordem, dinheiro desviado por todos os buracos estatais, e os investimentos em áreas de sua responsabilidade, como educação, saúde, segurança, portos, aeroportos, estradas, etc. etc. Haja grana. O país quebrou companheiro. Gilmar Mendes, ministro do Supremo, afirmou que o PT acumulou dinheiro suficiente para ficar no poder até 2038. Continuo afirmando que os partidos de esquerda enfrentam problemas gravíssimos com a matemática e com a realidade, esta sua maior dificuldade. Os brasileiros terão dias amargos pela frente. A cura desse doente passa por muitas reformas que poderão tirá-lo da UTI. Mas não esqueçamos que vivemos no país de Macunaíma. A cultura política, a estrutura estatal, a qualidade dos representantes me deixam com um sentimento de melancolia otimista, como diria Leandro Karnal. Temo que teremos mais do mesmo.