sábado, 7 de maio de 2016

Sexta-feira 13, sem bruxa.

Artigo de Guilherme Fiúza no jornal O Globo analisa a saída de Dilma, observando que "a parada, agora, é entre o Brasil que trabalha e o Brasil que atrapalha":


Os democratas que defendem Dilma e a quadrilha do petrolão contra o golpe de Sérgio Moro estão discretamente eufóricos. Os tanques da direita, que vieram arrancar a presidenta mulher à força do palácio, resolverão todos os seus problemas. Estava desconfortável (e, o que é mais grave, trabalhoso) esse negócio de ser governo.

Foram anos de sofrimento para continuar do contra, sendo a favor. Foi preciso instaurar o primeiro governo de oposição da história — e não pensem que isso é fácil. Aumentar os juros e gritar contra os juros altos, roubar o Estado e denunciar a corrupção, devastar a economia popular e defender o povo... Isso cansa uma pessoa.

Mas deu tudo certo: após 13 anos e meio de poupança ortodoxa, com propinas por fora e por dentro, valerioduto e pixulecos garantindo o formidável abastecimento do caixa partidário, chegou a hora de desfrutar. A elite vermelha volta para o presépio dos oprimidos, gorda e rica, só para jogar pedras — o que faz um bem danado à alma progressista e quase não suja as mãos. Mas eis que surge o revés inesperado.

Quando os professores de História já abrilhantavam suas aulas-comício, inserindo o golpe contra os imaculados parasitas para entregar o Brasil ao PMDB de Eduardo Cunha, viraram a mesa. Num ato sem precedentes, o Supremo Tribunal Federal destituiu o presidente da Câmara dos Deputados. Cunha caiu. E agora?

Foi um golpe duro demais para os democratas. É verdade que eles ainda têm o Bolsonaro, a PM de São Paulo, o Trump e a Guerra do Vietnã, mas a perda de um Eduardo Cunha não se repõe facilmente. Quem o STF pensa que é para cometer uma arbitrariedade dessas? Como os homens de bem farão, a partir de agora, para defender Lula — e todos os seus crimes progressistas denunciados pelo procurador-geral — sem poder gritar que bandido é o Cunha? A Anistia Internacional não está vendo isso?

O Prêmio Nobel da Paz está. Pelo menos um dos seus detentores, o escritor argentino Adolfo Pérez Esquivel, parceiro de Cristina Kirchner, Nicolás Maduro e toda essa turma boa que ama a democracia (amor infelizmente não correspondido). Pérez Esquivel fez história no Senado brasileiro ao denunciar o golpe de Estado contra Dilma Rousseff. E atenção: o golpe foi executado por Eduardo Cunha, o mau. Quem sabe até o seu afastamento agora não foi uma espécie de queima de arquivo?

Aí vem o relator da comissão do impeachment, naquela mesma bancada onde um Nobel da Paz fez história, e expõe de forma monótona, sem um pingo de glamour, todos os crimes cometidos por Dilma Rousseff no exercício da Presidência da República. Esse aí nunca vai ganhar um Nobel. Além de tudo, é estraga-prazeres: mostrou de forma absolutamente desagradável que Eduardo Cunha não tem nada a ver com o impeachment — apenas o colocou em votação. A Anistia Internacional não está vendo isso?

Nos dois anos de literatura da Lava-Jato, entende-se de onde vieram os bilhões de reais que bancam há anos os advogados mais caros do país para os guerreiros do povo brasileiro; que bancam há anos as campanhas eleitorais nababescas pelas quais o PT se tornou o feliz proprietário dos Três Poderes; que compraram movimentos sociais (sic), entidades de classe, jornalistas com indignação tabelada, espalhadores de boatos e manifestantes profissionais. Mas nada é tão poético quanto um pedido de propinas retroativas — atribuído ao companheiro Ricardo Berzoini pelo ex-presidente da Andrade Gutierrez.

Segundo Otavio Azevedo, o então presidente do PT e atual ministro da golpeada e oprimida Dilma avisou, em 2008, que a empreiteira deveria pagar propinas sobre as obras feitas desde 2003 (ano em que o Brasil foi redescoberto). O apetite dos representantes desse governo progressista é conhecido, vide seus tesoureiros presos e o envolvimento de todos — todos — os seus principais líderes em negociatas democráticas e revolucionárias. A conta é a seguinte: quem foi mais importante na construção heroica da atual pindaíba nacional? A gangue do Lula ou a do Eduardo Cunha?

Quem acertar ganha um Nobel da Paz e meio quilo de mortadela.

Da última vez em que o Brasil viveu um impeachment, o governo passou às mãos de um presidente filiado ao PMDB. O que se impôs, então, não foi uma orgia fisiológica — foi o Plano Real. Itamar Franco foi obrigado pela ruína política e econômica a dar poder ao Brasil que trabalha. Michel Temer está na mesma situação.

Os prognósticos apontam para a sexta-feira 13 o fim da agonia. Descerá a rampa, então, a criatura que Lula inventou para tomar conta da porta, enquanto eles limpavam a casa. Uma criatura que os brasileiros incrivelmente engoliram — mesmo que, diante dela, um Tiririca seja praticamente um Churchill. Tchau, querida.

A parada agora é entre o Brasil que trabalha e o Brasil que atrapalha.

3 comentários:

O MESMO de SEMPRE disse...

.
Não ha coisa mais estúpida do que esta maluquice de que Teori "desarmou uma bomba".

Não desarmou nada e ao contrário armou uma bomba.
Se Cunha permanecesse, nenhum juizeco NOMEADO pelo PT ou PRIMO de Collor e pai de desembargadora de baixa qualificação, poderiam sozinhos anular o impeachment e tão pouco poderá o STF impedir, dentro da lei e da constituição, o impeachment. Porém, agora a constituição foi VIGOROSAMENTE VIOLADA e FEITO uma VEZ, a segunda vez é mais fácil de ser aceita.

ESSE BARULHO TODO sobre um RIDÍCULAMENTE INVEROSSIMIL e ABSURDO "desarmamento da bomba" É APENAS UMA ANESTESIA para a POPULAÇÃO, ACALMANDO os ÂNIMOS,pois esta poderia se INDIGNAR com tal ARBITRARIEDADE DITATORIAL de um ESBIRRO do PT no STF. COm tal fantasia prontamente alardeada e replicada com fervor para acalmar revoltas populares, uma próxima violação torna-se mais aceitável.

A estupidez é tão imensa (crer em tal patacoada é coisa de dementes) que DILMA APROVOU a arbitrariedade do putrefato STF. Os petistas comemoraram a VINGANÇA contra Cunha.
Não há qualquer Lógica que explique tal "desarmamento". ISSO É PURO BARULHO PARA ACALMAR REVOLTA POPULAR com essa ridícula FANTASIA de "desarmar golpe contra o impeachment".

COM ou SEM CUNHA na casa, nenhuma decisão sobre impeachment se altera no STF. AO CONTRÁRIO ATÉ, já que após tal CANALHA DECISÃO, que VIOLA A CONSTITUIÇÃO, SURGE UM ARGUMENTO para tentar MELAR o impeachmet NUM SEGUNDO ATO AMACIADO pelo PRIMEIRO.

Afinal, caso a FANTASIOSA IDIOTICE PLANTADA e REPLICADA pela MIDIA ESQUERDISTA, com base em ALEGADA SUSPEITA ABSURDA, fosse levada a cabo, tal "complô" de M. Mello e Lewandowisk seria muitíssimo mais difícil de ser aceito NUM SÓ GOLPE. Com a canalhice de Teori, agora a opinião pública esta mais AMACIADA para aceitar MAIS UMA ARBITRARIEDADE do visivelmente CORRUPTO STF.

Mas a questão não é essa, pois que o STF não esta ali para atender somente a DILMA, MAS SIM Á IDEOLOGIA, à esquerda em geral, ao SALVAR vários corruptos desta e ainda posando de isento ao aceitar a cassação de Dilma.

"A organização vale mais que o indivíduo" e o STF quer salvar o BANDITISMO da ESQUERDA muito mais que o banditismo de Dilma.

O MESMO de SEMPRE disse...

Atribui-se a Einstein:
'Só duas coisas são infinitas, o universo e a estupidez humana. Porém não tenho certeza da primeira'

Essa fantasia absurda de que Teori impediu o 'golpe de M. Aurélio e Levandowisk' reforça minha certeza na segunda afirmativa sobre coisas infinitas.

'Marco Aurélio Mello disse que 'é preciso analisar' se o seu relatório sobre a ação da Rede está ou não prejudicado e tentou até brincar, dizendo do que Zavaski 'poupou metade do seu trabalho'.

Com certeza Zavascki FEZ METADE do trabalho dos dois 'golpistas'.
Nesse ponto Marco Aurélio esta coberto de razão.

O providencial alarde midiático sobre a fantasia elaborada pela petista Catanhêde por si só já PROVA que tal absurda elucubração tem por objetivo APLACAR possível IRA POPULAR contra Zavascki. E AINDA PREPARA, ou AMACIA, a MASSA CRÉDULA para que ACEITE NOVAS VIOLAÇÕES da CONSTITUIÇÃO por PARTE do STF nomeado pelo PT e chantageado com ameaças de denunciar desobedientes. Vide o que fizeram com J. Barbosa (e que renunciopu antes que engrossassem contra ele) E gILMAR mENDES (AQUELE tucano QUE IMPEDIU QUEBRA DE SIGILO DO OKAMOTO NO mensalão).

Engolir essa fantasia ABSURDA da Catanhêde é coisa para quem acredita em DUENDES.

Uma primeira violação da constituição por parte do STF (mais uma VIOLAÇÃO, pois BARROSO 'interpretou a lei OMITINDO PALAVRAS e ALTERANDO OUTRAS com 'minha posição é que significa...').

Ou seja, para o STF as leis são aquilo que os NOMEADOS inventam para beneficiar seus TUTORES e donos de DOSSIÊS AMEAÇADORES. Afinal, até offshores em sociedade com empreiteiras do petrolão poderiam surgir contra os MERETRÍSSIMOS.

Ítalo disse...

Aqueles petistas de outrora que subiam nos palanques para protestar contra "tudo o que está aí" e pregar a moralidade, hoje estão irreconhecíveis.
Eram magrelos, hoje estão gordos. E terão dificuldades para subir num palanque. Como vão ter que "desembarcar" junto com a Dilma, terão dificuldade de conseguir trabalho nas empresas privadas. Pois são incompetentes. Provavelmente buscarão uma nova boquinha em nas esferas
estaduais e municipais onde o PT (des)governa. Ou vão se encostar
dentro dos sindicatos. Mas como vai ser maravilhoso ver essa cambada
ser enxotada !!