sábado, 4 de junho de 2016

Com Sponholz, adeus a Cassius Clay.

Já virei madrugada com meu saudoso pai, nos anos 70, para ver Cassius Clay derrubar os adversários. Depois virou Muhammad Ali, adepto de uma religião que não é nem nunca foi da paz.

Um comentário:

Anônimo disse...

Comigo não foi diferente a tentativa de junto com meu pai tentar assistir as lutas, pois devido à ninha tenra idade sucumbia ao sono a meio caminho da luta...