sexta-feira, 24 de junho de 2016

Há "novos Moros" no encalço dos petistas

Tempos atrás, os petistas comemoram o desmembramento da Lava Jato, que retirou do juiz Sérgio Moro o processo sobre a corrupção no ministério do Planejamento de Paulo Bernardo, agora preso. Comemoraram cedo demais. Essa medida, como alguém previu, criou "vários Moros" Brasil afora. Artigo de Merval Pereira no jornal O Globo:


Quando, em setembro de 2015, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu desmembrar a investigação da Operação Lava Jato, retirando da jurisdição da 13ª Vara Federal do Paraná, do juiz Sergio Moro, o processo sobre a corrupção no ministério do Planejamento, houve comemoração nas hostes petistas. Mas houve também quem previsse que aquela medida criaria “vários Moros” pelo Brasil.

Ontem, com mandados expedidos pelo juiz Paulo Bueno de Azevedo, da 6ª Vara Federal Criminal de São Paulo, foram feitas várias prisões e executados mandados de busca e apreensão em diversos estados, atingindo inclusive dois ex-ministros dos governos petistas, Carlos Gabas, ex-ministro da Previdência tão ligado à presidente afastada Dilma Rousseff que a levava a passear por Brasília na garupa de uma de suas possantes motocicletas Harley Davidson, e Paulo Bernardo, em cujo ministério do Planejamento que chefiava foi montado um grosso esquema de corrupção, segundo as investigações da Polícia Federal.

Com se previa, os juízes que receberam processos derivados da Operação Lava Jato estão atuando no mesmo diapasão da Justiça de Curitiba, a demonstrar que esse não é um padrão exclusivo de Moro e dos Promotores de Curitiba, mas de uma nova geração de juízes e Procuradores do Ministério Público, que se sentem moralmente responsáveis pela continuidade de uma ação do Judiciário que tem amplo apoio da sociedade.

No Rio de Janeiro, por exemplo, o Juiz Marcelo Bretas, da 7 Vara Federal Criminal, conhecdo como "o Moro do Rio", está à frente de casos do Eletrolão, que investiga a atuação do ex-presidente da Eletrobrás, Vce-Almirante Othon Pinheiro, especialmente na construção da usina Anga-3, e também alguns termos da delação premiada de Nestor Cerveró sobre compras de empresas estrangeiras pela Petrobras, uma de gás no Uruguai e outra na Argentina.

A sentença do caso de Angra-3 sai em julho, pois semana que vem iniciam os prazos para as alegações finais das defesas.Também está sendo investigado no Rio o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, por suspeita de ter recebido propina de empreiteiras envolvidas nas obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) e nas obras de reconstrução do Maracnã para a Copa do Mundo.

O desmembramento de diversos casos só aparentemente fragilizou a tese da Procuradoria-Geral da República de que o que está sendo investigado é uma organização criminosa que atuou em várias instâncias do governo federal além da Petrobras. A ação do Ministério Público Federal e da Polícia Federal, dando apoio a diversas investigações pelo país, garantiu que a Operação Lava Jato e suas ramificações não sofressem descontinuidade.

Está provado que não existe apenas um juiz no país, como ironizou o ministro do STF Dias Toffoli ao apoiar o desmembramento da investigação sobre o esquema dos empréstimos consignados montado no ministério do Planejamento pelo ex-ministro Paulo Bernardo. Naquela ocasião, houve críticas à decisão de desmembrar, pois como alegou o ministro Luis Roberto Barroso, o caso deveria ter sido definido pelo próprio juiz Moro na primeira instância, que decidiria qual tribunal adequado para conduzir as investigações do caso Consist. 

Também o ministro Gilmar Mendes se opôs à medida, alegando que, no afã livrar certos acusados do juiz Moro, estavam sendo puladas etapas importantes nas decisões do Supremo. Se Moro se afirmasse competente, e alguma parte discordasse, poderia interpor a "exceção de incompetência", a ser julgado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região, cabendo dessa decisão o recurso especial ao STJ.

Foi o que o plenário do STF decidiu na quarta-feira, enviando ao juiz Sérgio Moro o desmembramento do caso contra o presidente afastado da Câmara Eduardo Cunha, que decidirá se tem competência para assumir as investigações sobre a mulher e a filha do deputado, cabendo recurso em caso positivo.

Os desdobramentos das investigações ligadas à Operação Lava Jato em diversos pontos do país demonstram que há uma tendência nova no Judiciário brasileiro, o que abre caminho para uma superação de antigos vícios e costumes políticos no país.

4 comentários:

SHAMI disse...

QUO VADIS
Alô Professor.
Quem sabe lance uma campanha :FLOXIT
Separar Floripa do Brasil...
ehehehehehehe

eu não guento.

lgn disse...

O Estado gaúcho está no meio de uma das piores crises econômicas de sua historia. Por este motivo um debate ideológico vem retomando corpo no Rio Grande do Sul. O mote desta discussão é: o separatismo político.

César Deuscher, um dos coordenadores do movimento faz um comparativo com o que ocorre na Espanha a muitos anos: “Não temos vínculo político, nós queremos mudar, e vamos ter este plebiscito em 2016”. Vamos começar com o Rio Grande do Sul e depois iremos englobar, Santa Catarina e Paraná. Hoje já temos garantidas mais de 700 cidades. Contamos com o apoio de mais de 80 mil pessoas”.
Evidente que é um sonho de uma noite de verão, mas esse espírito existe e não é frágil. Uma coisa é certa, o que se percebe é que o Estado brasileiro tem dono e é a causa desse descalabro que atinge a todos. Centralizador, perdulário, infiltrado de larápios em todos os três poderes, impede que a nação, como um todo, se desenvolva. Um câncer no cérebro do país.

SHAMI disse...

QUO VADIS
Alô Professor..
Parte da história que o SHAMI já tinha conhecimento vem sendo publicada com FONTES:
https://www.facebook.com/notes/stb-no-brasil/novamente-sobre-ações-da-kgb-no-brasil/632642676894888

Anônimo disse...

O Brasil tem dono,vc que nunca cobrou os seus direitos políticos,quem sabe agora vc não deixa comunista te roubar...