terça-feira, 4 de outubro de 2016

Não seja pai, seja padrasto, Temer.

O Antagonista Mário Sabino dá um bom conselho ao presidente Michel Temer. É pau na tigrada:


De acordo com uma pesquisa do Ibope divulgada hoje, 68% dos brasileiros não confiam em Michel Temer.

Eu acho que esse é um ótimo capital para o presidente, desde que ele não queira ganhar concurso de popularidade — e o maior desses concursos é a sua própria eleição em 2018.

A falta de confiança dos brasileiros dá liberdade a Temer para empenhar-se na realização das três reformas vitais para o Brasil: a que limitará os gastos públicos, a que eliminará o déficit na previdência e a que diminuirá os encargos trabalhistas que dificultam a criação de empregos. Os brasileiros de hoje vão odiá-lo ainda mais por causa disso, vão dizer que ele é, de fato, nada confiável, mas as gerações futuras lhe serão gratas.

O país não precisa de um papai bonzinho na Presidência da República.

Precisa de um padrasto mau, que chute o traseiro dos seus enteados e os acorde para a realidade. A realidade é que o governo não produz riqueza, não pode gastar mais do que arrecada e precisa diminuir de tamanho.

O escritor francês Honoré de Balzac escreveu que “chega um momento na vida íntima das famílias no qual os filhos se tornam, voluntária ou involuntariamente, os juízes dos seus pais”.

Danem-se os filhos desta pátria tão lascada porque irrealista. Vamos aos netos, Temer.

Um comentário:

Anônimo disse...

Temer conhece a bucha do são Francisco, então esperar o que...nada.