terça-feira, 11 de outubro de 2016

O enterro do parteiro de ciclovias e a soberba tucana

Augusto Nunes faz boas considerações sobre a reação dos tucanos à vitória de João Dória à prefeitura de São Paulo. O PSDB que se cuide, com sua soberba misturada a parvoíce provinciana, ao disseminar conflitos internos quando deveria é estar comemorando. Baixem a crista, esnobes:


A reação dos cartolas do PT ao naufrágio nas urnas de São Paulo confirmou que o partido nunca perde uma eleição, mesmo quando o seu candidato é derrotado. Ainda grogue com o tremendo nocaute imposto por João Doria, Fernando Haddad foi carregado nos ombros pelos chefões que lançaram a candidatura a governador do campeão moral que só não chegou ao segundo mandato porque o fiasco de 2 de outubro chegou primeiro. O prefeito não perdeu, concordaram colunistas diplomados pelo Instituto Lula. O povo é que perdeu a chance de reeleger o moderníssimo parteiro de ciclovias.

A reação dos cardeais do PSDB ao estrondoso triunfo na capital paulista reafirmou que o partido jamais ganha uma eleição, mesmo quando seu candidato é vitorioso. Divididos em três grupos que orbitam em torno de líderes cuja meta primeira e única é chegar à Presidência da República, os tucanos viram no resultado sem precedentes não uma conquista da espécie inteira, mas apenas da subespécie que habita os domínios do governador Geraldo Alckmin, padrinho da candidatura de João Doria. Saíram perdendo, portanto, os dois terços que povoam territórios administrados pelo senador Aécio Neves e pelo ministro José Serra.

Sempre tão gentis com adversários que os tratam a socos e pontapés, exemplarmente dóceis na lida como os reais antagonistas, os figurões do PSDB só exibem a face beligerante em tiroteios domésticos. Em vez de celebrarem abraçados o triunfo no primeiro turno, em vez de festejarem a derrocada do PT no meio da multidão eufórica, os generais desavindos e seus oficiais graduados deixaram claro que, quanto maior é a vitória de um candidato tucano, mais desunido fica o partido. Alguns figurões do PSDB, como fizeram adversários como Haddad, cumprimentaram o prefeito eleito por telefone. Outros, nem isso.

O chanceler José Serra, por exemplo, declarou-se tão ocupado com a agenda que cumpria no Paraguai que, no dia seguinte ao da eleição, ainda não sabia direito o que acontecera no domingo. Ignorava até a extraordinária proeza do seu partido na capital paulista?, espantaram-se os jornalistas. Nâo achava que Doria merecia ao menos uma ligação telefônica? “Muitos tucanos, muita gente do PSDB deve ter ido para o segundo turno ou ganhado”, desconversou Serra.

Os cardeais amuados deveriam usar o tempo que desperdiçam com picuinhas num exame acurados das causas do desempenho de João Doria. Em menos de 30 dias, o candidato atraiu a atenção, depois a simpatia e finalmente o apoio militante da imensa parcela do eleitorado farta da conversa fiada, das safadezas da velha política, do cinismo gatuno do PT e da pusilanimidade da oposição oficial. De 2002 a 2014, durante as campanhas presidenciais, os tucanos trataram com mesuras e rapapés o farsante que pariu a Era da Canalhice e a nulidade que a prolongou. Enquanto Lula e Dilma faziam o diabo, os tucanos tiravam para um dançar um minueto a dupla que só sabe capoeira.

Doria venceu também por ter feito o contrário. Apoiou desde sempre o impeachment de Dilma ─ que o PSDB só encampou quando o caminhão de mudança já estacionara no Palácio da Alvorada. Sem desandar na grosseria, não deixou sem revide nenhum golpe dos adversários. Escancarou o tempo todo a roubalheira na Petrobras, as origens da crise econômica e outros destaques da herança maldita. Ao sair de casa para votar, Lula teve a má ideia de investir contra “um aventureiro que ninguém sabia de onde vinha”. Doria prometeu visitar em Curitiba o freguês da Lava Jato, que preferiu mudar de assunto.

“Como eu disse ao Dória antes das eleições, é certo que o apoio dos políticos conta muito para armar as candidaturas, mas para a vitória conta o desempenho”, constatou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. “Ganhar no primeiro turno é sempre uma vitória pessoal, embora beneficie o partido”. Os demais tucanos devem refletir sobre isso e assimilarem as mudanças ocorridas no Brasil da Lava Jato. Só assim conseguirão sintonizar-se com os milhões de insatisfeitos à procura de siglas e personagens que os representem.

Se o clube dos inimigos íntimos não aproveitar a chance de transformar-se num partido de verdade, o PSDB terá vida curta. Vai morrer de soberba. (Veja.com).

3 comentários:

Lil disse...

...eu gostaria de ter escrito esse artigo. Com essas palavras. Perfeito.

Lil disse...

...eu gostaria de ter escrito esse artigo. Com essas palavras. Perfeito.

Anônimo disse...

PETISTA QUER MANDAR MORO PARA A FOGUEIRA

A Folha de S. Paulo publicou um artigo de Rogério Cezar de Cerqueira Leite contra Sergio Moro.

Ele respondeu da seguinte maneira:

"Lamentável que um respeitado jornal como a Folha conceda espaço para a publicação de artigo como o 'Desvendando Moro', e mais ainda surpreendente que o autor do artigo seja membro do Conselho Editorial da publicação. Sem qualquer base empírica, o autor desfila estereótipos e rancor contra os trabalhos judiciais na assim denominada Operação Lava Jato, realizando equiparações inapropriadas com fanático religioso e chegando a sugerir atos de violência contra o ora magistrado. A essa altura, salvo por cegueira ideológica, parece claro que o objeto dos processos em curso consiste em crimes de corrupção e não de opinião. Embora críticas a qualquer autoridade pública sejam bem-vindas e ainda que seja importante manter um ambiente pluralista, a publicação de opiniões panfletárias-partidárias e que veiculam somente preconceito e rancor, sem qualquer base factual, deveriam ser evitadas, ainda mais por jornais com a tradição e a história da Folha.

Sergio Fernando Moro, juiz federal (Curitiba - PR)"

Do Blog O Antagonista