terça-feira, 8 de novembro de 2016

Os EUA vão eleger um mau presidente

Trump ou Clinton, pouco importa: os EUA vão eleger um mau presidente. Esta é a opinião de Rui Ramos, em artigo publicado no Observador: "nestas eleições, parece que os americanos, à direita ou à esquerda, não esperam escolher mais do que um mal menor. Mas um mal menor é ainda um mal. Os EUA vão ter um mau presidente, ganhe quem ganhar". Talvez o mundo necessite, de fato, de um grande presidente norte-americano, mas se não o teve com o medíocre Obama, é pouco provável que o terá agora - ainda mais se houver continuísmo, com a vitória de Hillary:


Não sei qual dos dois candidatos os americanos vão escolher, mas seja qual for, vão escolher um mau candidato, que será um mau presidente. Donald Trump é pior do que Hillary Clinton? Talvez, mas não nos deixemos ofuscar pelas lendas que fazem de Trump um intruso, a tentar subverter de fora o regime americano. Porque se o milionário, estrela de televisão e antigo anfitrião dos Clinton representa alguma coisa, são tendências há muito manifestas num sistema de que também ele faz parte.

Trump é quase tudo o que dizem dele. Mas não está sozinho. Trump parece excepcionalmente incivil, mas só até vermos a ousadia com que a imprensa dita “séria” se permite escrever sobre ele. Trump divide os americanos, mas Clinton faz o quê, quando, com uma velha sobranceria oligárquica, classifica as plebes que não votam nela como “deploráveis”? Trump é paranóico, mas a campanha de Clinton não hesitou em insinuar que o FBI conspirava contra ela. A indulgência com que Trump trata Putin é chocante, mas só se nos esquecermos que Obama começou com uma complacência igual. Trump é proteccionista, mas já também Clinton renega os tratados de comércio. Trump é autoritário, mas poucos presidentes abusaram tanto das “ordens executivas” como Obama. Trump não é apenas um populista: é um espelho do sistema, mais do que ele próprio ou os seus inimigos gostariam de admitir.

Na política interna, Trump e Clinton concordam em muita coisa, a começar pelas políticas sociais e pela intervenção do Estado na economia. É nos negócios estrangeiros, que Trump parece destoar, com o muro contra o México, a ameaça de guerra alfandegária com a China, e o desinteresse pela NATO. Dir-se-ia que Trump acredita que a prosperidade nacional dos EUA pode ser separada da ordem mundial que os EUA fundaram através de alianças militares e acordos de comércio. Na Europa, já se chora a perda do guarda-chuva americano, se Trump ganhar.

Acontece que, mais uma vez, Trump não está a romper com uma tradição, mas a reforçar uma tendência. Afinal, foi Barack Obama quem deixou Putin à solta na Ucrânia e na Síria, a Turquia em deriva neo-otomana, e a China a plantar bandeiras nos mares do sul. E foi também Obama quem denunciou os aliados dos EUA como “free riders”. A tentação isolacionista americana não começou com Trump. Já em 2000, Al Gore acusava George W. Bush de “isolacionismo”. O 11 de Setembro arrastou Bush para fora da América. Mas em 2008, Bush abandonou a Geórgia a Putin, apesar de a Geórgia estar a combater ao lado dos americanos no Iraque.

O problema não está só em Trump. Foi a elite americana que perdeu a sua velha crença num destino mundial. Os EUA têm uma população a envelhecer, que exige cada vez mais do Estado. A sua economia é ainda uma das mais prósperas do mundo, mas já não cresce como no passado e está carregada com uma dívida maior do que a que existia antes de 2008. Estes não são os EUA de 1960, de Kennedy e de Johnson, decididos a combater o comunismo e a pobreza no mundo.

Talvez o mundo precise de um grande presidente americano. Mas se não o teve em Obama, também não o terá desta vez. A polarização da opinião americana, conjugada com a divisão constitucional dos poderes, limitaria o alcance de qualquer presidência. O cadastro dos candidatos – e haverá mais investigações sobre a falta de transparência e o enriquecimento dos Clinton – é tão temível, que muito provavelmente o mundo não será a sua maior preocupação. Para já, ainda ninguém foi eleito, e a conversa política é já toda sobre o “impeachment” do próximo presidente, Clinton ou Trump. Nestas eleições, parece que os americanos, à direita ou à esquerda, não esperam escolher mais do que um mal menor. Mas um mal menor é ainda um mal. E mais tarde ou mais cedo, é isso que os americanos — e o mundo — vão descobrir.

3 comentários:

Anônimo disse...

O Texto do Observador mostra o que a Europa se tornou: um lugar ridículo cheia de pessoas fracas como autor do texto que esperam que os Estados Unidos venham salvá-los e limpar sua sujeira. A crítica a Trump ser um mau presidente consiste em que Trump não fará os Estados Unidos bancarem os xerifes do mundo. Também pelo fato que ele se concentrará nos problemas internos dos Estados Unidos e na recuperação de empregos dentro dos Estados Unidos, sem mencionar que pretende acabar com esta farra de imigração. O autor Português deveria se preocupar com Europa sendo invadida por milhares de Árabes e Africanos que tem um objetivo: destruir a Europa, estes estão sendo levados aos montes por George Soros padrinho de Hillary.

Anônimo disse...

assim como o ator Ronald Reagan surpreendeu os USA e fez ótimo mandato, o TRUMP também vai fazer o mesmo.

Alexandre Sampaio disse...

São Paulo, 9 de novembro de 2.016

Mi, mi, mi! Mi, mi, mi! Mi, mi, mi! Mi, mi, mi! MI, mi,mi! Mi,mi, mi! A Eurábia, pois a mais de quinze anos, não chamo o continente europeu de Europa, abriu as pernas para o globalismo, o comunismo, o islamismo, etc. Estão levando ferro de tudo quanto é lado, na economia, na imigração de terroristas, na islamização da cultura judaica-cristã, e continuam batendo no "Grande Satã" E.U.A, como se os americanos fossem responsáveis pelas políticas desastrosas adotadas no continente..., Elegem presidentes e primeiros ministros fracos, vendidos, como se Merkel, Hollande, May e tutti quanti, fossem grandes estadistas! Macaco, olha pro teu rabo! Bradava minha finada avó.