segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Fiasco: vaquinha virtual em favor de Lula alcança só metade da meta.

A coisa anda feia para o tiranete chorão, com cinco processos nas costas e esquecido pelos eleitores. Agora só lhe resta apelar aos pelegos e arruaceiros que regou com dinheiro público. As vacas estão magras, muito magras:


A vaquinha virtual criada para levantar recursos para a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se encerrou neste sábado bem abaixo da meta. Em dezessete dias, a campanha conseguiu arrecadar 270.051 reais — um pouco mais do que a metade do objetivo inicial, que pretendia alcançar a soma de 500.000 reais.

Diante do fiasco iminente, o blog Radar On-Line, de VEJA, revelou que, a dois dias do fim da campanha, o Instituto Lula havia convocado os quadros do PT para ajudar na arrecadação. Na ocasião, as doações ainda estavam em 188.000 reais.

A vaquinha, que vigorou entre os dias 7 e 24 de dezembro, foi hospedada na plataforma de crowdfunding (financiamento coletivo) Catarse. Segundo informações da página, o intuito era patrocinar uma campanha nos meios de comunicação para “romper o cerco jurídico midiático, fortalecendo o papel da blogosfera e de veículos alternativos, acumulando forças para a democratização dos meios de comunicação”. Ao todo, 2.381 pessoas doaram ao “comitê em defesa da democracia e do Lula”.

Para efeitos de comparação, em dezesseis dias, uma vaquinha semelhante feita em prol da ex-presidente Dilma Rousseff conseguiu arrecadar 791.996 reais, cerca de 58% a mais do que a meta inicial — também de 500.000 reais. No caso, a campanha visava levantar fundos para custear as viagens de Dilma pelo Brasil quando o impeachment ainda não estava consumado.

Para convocar a população a doar, a vaquinha de Lula divulgou vídeos com depoimentos de celebridades e políticos. De acordo com a página, a campanha “Um Brasil justo, pra Todos e pra Lula” foi organizada por lideranças de movimentos sociais e sindicatos, como Guilherme Boulos, do MTST, Vagner Freitas, da CUT, Carina Vitral, da UNE, João Stédile, do MST, dentre outros. (Veja.com).

Um comentário:

Anônimo disse...

Embora a natureza destas "doações" sejam suspeitas, um sem número de retardados doaram quase 300 mil para este ladrão vagabundo. Além dos suspeitos de sempre: políticos, militantes, partidários, sindicalistas, a famigerada classe que atende por "artistas" e professores, especialmente os universitários, tem uma multidão de trouxas e canalhas que doam para este ladrão que deve dar risada com tudo isto. Após de roubar tudo o que roubou ainda ganha quase 300 mil dos idiotas.