quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

A lei na América Latina: tradição pouco respeitável.

Nos EUA, na Alemanha e na Inglaterra, o respeito à lei é quase reverencial, enquanto na América Latina ela é tida em baixa consideração. Hana Fischer analisa as razões dessas diferentes atitudes diante da lei:


Entre los diversos pueblos hay una diferencia abismal en su actitud ante la ley. En algunos de ellos, como por ejemplo en Alemania o Estado Unidos, la gente suele sentir un respeto casi reverencial hacia ella, mientras que en las naciones latinoamericanas se las tiene en muy baja consideración.

¿Por qué ocurre eso?

Las posturas contrapuestas descriptas derivan de que la ley es tan solo un instrumento. Y en tanto medio, puede ser correcta o incorrectamente utilizado. En el primer caso, la ley será la materialización de normas de recta conducta, generales y abstractas, enraizadas en las costumbres de esa comunidad; en el segundo, será algo artificial, una especie de aparato ortopédico, aprobada con el fin de beneficiar arbitrariamente a ciertos grupos sociales, especialmente, a la casta gobernante.

Hace siglos que se sabe la influencia que tienen las leyes sobre la prosperidad o miseria de un país determinado. El primero que hizo un estudio sistemático de ese factor -basándose en evidencia empírica- fue Montesquieu. Este filósofo francés viajó durante tres años por varios países europeos (Alemania, Suiza, Italia, Austria, Hungría, Holanda e Inglaterra), analizando sus costumbres, hábitos, ideas predominantes y normas jurídicas. Muchas de las conclusiones a las que arribó fueron volcadas en su afamada obra El espíritu de las leyes. Allí expone que las reglas que determinan la conducta humana no son permanentes ni absolutas, sino que surgen y evolucionan de acuerdo a los contextos históricos, culturales, tipos de gobierno y el carácter de una sociedad determinada.

De sus observaciones in situ, Montesquieu concluye que la mejor forma de gobierno es la republicana, donde las tres ramas del Estado son independientes y se controlan mutuamente. Para decirlo en otros términos, “que el poder controle al poder”. Ése es el modo más efectivo de impedir el despotismo. Además, la bondad de la República reposa en que se construye sobre la virtud ciudadana, lo cual provoca que la igualdad y la libertad sean las notas predominantes.

Si a un latinoamericano le dicen que la ley es la garantía de su libertad, soltará la carcajada porque generalmente en nuestro continente ocurre lo contrario. Según Frédéric Bastiat, “la ley es la organización colectiva del derecho individual de legítima defensa” que emana del derecho natural. Cada uno de nosotros está empoderado por naturaleza, a “defender su persona, su libertad y su propiedad, puesto que son éstos los tres elementos constitutivos o conservadores de la vida, elementos que se complementan entre sí”.

Sin embargo en América Latina, la ley “se dedicó a aniquilar la justicia, precisamente el valor que debía ensalzar […] Puso la fuerza colectiva al servicio de los que buscan enriquecerse, sin riesgos ni escrúpulos, a expensas de las personas, las libertades y las propiedades de los demás. Protegió la expoliación y le confirió categoría de derecho. Denigró la legítima defensa y la rebajó a la categoría de crimen”.

Pero como señalamos anteriormente, la norma jurídica es tan solo un instrumento que operan las autoridades. En consecuencia, son ellas las directamente responsables de esta corrupción de la ley.

Un ejemplo de lo anteriormente dicho, lo constituye el proyecto de ley actualmente a estudio del parlamento uruguayo. El Poder Ejecutivo presiona para que sea aprobado antes de que finalice el 2016. El proyecto en cuestión establece lo siguiente:

Las instituciones financieras deberán informar al fisco los saldos y rentas acreditadas en cuentas bancarias de residentes y extranjeros. Asimismo, obliga a identificar a los beneficiarios finales de sociedades uruguayas y aumenta los impuestos a las sociedades en paraísos fiscales. Establece la obligación de las instituciones financieras (bancos, fideicomisos, fondos de inversión, entre otros) de informar anualmente a la Dirección General Impositiva (DGI) "el saldo o valor de la cuenta al cierre del año civil así como su promedio anual durante el referido año" de sus clientes, tanto de los residentes como de los no residentes. En la futura reglamentación, el Gobierno definirá el monto mínimo a partir del cual será obligatorio el reporte al fisco, pero ya se adelanta que será muy bajo.

Mario Bergara, presidente de Banco Central, con cinismo proclamó que esa norma constituye "un golpe casi mortal" al secreto bancario. Es decir, que el jerarca se jacta de debilitar los derechos a la privacidad, a la libertad y a gozar de la propia propiedad sin tener que rendirle cuentas a nadie. Se invierte el peso de la prueba y se violenta un principio jurídico republicano: “Toda persona es inocente hasta que se pruebe lo contrario”.

Lo más grave de todo es que incluso el derecho a la vida peligra porque como señala Bastiat, la libertad y la propiedad y su relación intrínseca son indispensables para conservarla.

Leyes de esa índole son nefastas porque cuando la norma se convierte en instrumento de expoliación, borra de las conciencias la distinción entre lo que es justo e injusto. Con respecto a este asunto, Bastiat enfatiza que la existencia de una sociedad presupone el respeto a las leyes. Y lo único que garantiza esa conducta es que las leyes sean respetables. Pero, “cuando la Ley y la Moral entran en contradicción, el ciudadano se encuentra ante la cruel disyuntiva de perder, ya sea el principio moral, ya el respeto de la ley, dos desgracias de similar magnitud”.

Por tanto, muchos de los males de América Latina se originan, en que a lo largo de la historia nuestras autoridades frecuentemente han aprobado leyes que no son respetables. (Instituto Cato).

8 comentários:

Paulo disse...

O azar da América latrina é que isto aqui foi colonizado pelos Ibéricos (espanhóis e argh, portugueses) e não pelos anglo-saxões. Junto com a África disputam pau a pau para ver quem é o c@ú do mundo. Os brasileiros, por exemplo, para achar que são gente e que servem para alguma coisa se contentam em passar a vida inteira enchendo o rabo de cachaça para pular carnaval e torcer para times de futebol. Se desaparecerem do planeta não vão fazer falta nenhuma... a não ser para os tarados sexuais, drogados, agiotas exploradores, todo tipo de bandido e terrorista e outros lixos do resto do mundo.

Anônimo disse...

A outro brasileiro (presume-se) incapaz de ver os méritos de seu país e seus conterrâneos em meio a suas mazelas, um alerta e um pedido: não generalize, fale por si (in other words, lixo é a pqp).

Paulo disse...

Vestiu a carapuça? Doeu, né!? PQP é quem coloca traste como tu no mundo. Patriotada e Ufanismo barato nestas alturas do campeonato não, palerma! ¨Méritos¨ para um idiota como vc deve ser pagar impostos de primeiro mundo e receber serviços de quarto mundo enquanto ganha cinco copas do mundo, né, panaca? Essa pocilga não vai para frente por causa de conformados trouxas como vc, seu otário. Eleitores palermas como tu é o sonho de todo político corrupto, ladrão e incompetente que existe no planeta mas só no aqui nesta zona esses alienados existem em número suficiente para Lulas e Fidels, por exemplo, reinarem a vontade.

O MESMO de SEMPRE disse...

.
Putz!!!

Tenho que concordar com o Paulo, não posso deixar de laemtar que Paulo esta coberto de razão.

O aspecto é CULTURAL, tem raizes ideológicas. Os EUA foram formados por uma maioria que fugia da perseguição da Igreja Católica na Europa. Essa doutrinação católica que propagandeia a sua "opção pelos pobres", como se pobreza fosse mérito, é que APODRECEU o caráter latino.

Os protestantes em parte contestaram esse embuste que, pregando o mérito da pobreza, enriqueceu a Igreja e os governos.

O Papa tem lá seus penicos de ouro, veste-se com suas fantasias de destaque de escola de samba exatamente para DIFERENCIAR-SE da PLEBE a quem ele oferece bajulações para conquistar-lhes a simpatia enquanto os convence a aceitar bovinamente a EXPLORAÇÃO ESTATAL e resignar-se com os LUXOS da NOBREZA que EXTORQUE-LHES IMPOSTOS através da AMEAÇA de VIOLÊNCIA, ainda IMPONDO à PLEBE a OBEDIÊNCIA as deliberações arbitrárias nascidas nos conluios dentre a SÚCIA GOVERNATE e AGREGADA.

è isso, IDEOLOGIAS se fundamentam em FINS prometidos para futuro sem data e incerto. Com isso SEDUZEM e manipulam os fracos e recalcados que se entregam à inveja e cobiça, bem como às bajulações ideológicas arbitrárias ou, mais precisamemnte à MORAL IDEOLÓGICA que apodrece o caráter dos indivíduos com suas alegações arbitrárias sobre o comportamento e as relações entre os indivíduos.

Quando a tal "BONDADE" tornou-se o maior valor moral, em detrimento da HONESTIDADE, foi quando o ser humano começou a involuir moralmente.

Mais umas décadas e estaremos no mesmo nível moral do homem das cavernas: a barbarie moral em meio a alta tecnologia.

É preciso debater valores morais com base na ÉTICA (pretensa filosofia da moral) e não mais com base em FINS PROMETIDOS para FUTURO INCERTO como certificadores de valores morais arbitrários e voltados apenas para AMANSAR as massas e torna-las frouxas, COVARDES, resignadas com a própria servidão aos líderes ideológicos e suas curriolas, vacilantes e frágeis psicológicamente.

É preciso combater as ideologias, pois estas funsdamentam-se em FINS PROMETIDOS e NÃO em PRINCÍPIOS axiomáticos e conhecimentos.

Enquantos os FINS forem a base para a moral a canalhice, a inveja, a cobiça, o ódio, os recalques e toda sorte do que não presta terão um futuro promissor.

O MESMO de SEMPRE disse...

.
É curioso como alguns que tanto falam do "politicamente correto" continuam defendendo-o em outros aspectos. A única coisa que não se apresenta no cenário político é a RAZÃO. Tudo gira em torno de MANIPULAÇÕES MORAIS.

Até os tais NEOCONS que em pouco diferem dos "VELHOCONS" se apegaram a um LEMA moralóide a fim de conquistarem através de apelos à VAIDADE direcionada para os valores morais exclusivamente frutos de propaganda (a voz mais alta tende a ser tomada como verdade. Como bem percebeu Hitler e seu ministro da propaganda Goebbels ao acertadamente sentenciar que "UMA MENTIRA REPETIDA MIL VEZES TORNA-SE VERDADE".

Ou seja, não é que se torne existente na realidade, mas apenas É TOMADA COMO VERDADE pela massa que não pensa, preferindo entregar-se a seus instintos primitivos e aeitar "pensamentos" prontos e apenas REPETI-LOS papagaiosamente.

Vai daí a ESPIRAL do SILÊNCIO, conforme o nome dado a tal comportamento pela pesquisadora.
É algo instintivo nos incapazes de pensar, e oas preguiçosos também, aceitar o que mais lhes impressiona os ouvidos e/ou as vistas como verdadeiro, caso nada a tal se oponha com similar direcionamento aos sentidos primários (considero como o SEXTO SENTIDO a inteligência, capaz de analisar as informações dos demais sentidos em comparação com conhecimento adquirido e produzido).

Vai daí que os velhos FEUDALISTAS e MERCANTILISTAS, que vieram a denominarem-se CONSERVADORES como se oposição aos autointitulados "PROGRESSISTAS", defenderem um LEMA MORALÓIDE com HISTERIA e muitas caretas de indiganção e gritinhos de horror, como se tal fosse argumento, o tal "direito à vida" ou envaidecedor "anti aborto DESDE a COCEPÇÃO".

Embora tais CONSERVADORES defenda GUERRAS onde morrem criancinhas e não apenas punhados de células sem sistema nervoso ou certeza de tornarem-se seres humanos.
Sim, tais palhaços defensores do FEUDALISMO e do PODER ESTATAL ABSOLUTO se PAVONEIAM com este LEMA MORALÓIDE enquanto o contrariam defendendo guerras onde morrem crianças já paridas, fetos formados, digo REAIS, jovens, adultos e idosos.
Gostam de falar do tal mandamentos "não matarás" concebido pelo deus que passa todo o tempo ORDENANDO que SEUS FIÉIS MATEM todos que habitam as tais "terras prometidas", chegando mesmo, em inúmeras passagens bíblicas, a detalhar: "MATEM HOMENS, MULHERES e CRIANçÃS ATÉ DE PEITO", bem como "tudo que tenha fôlego" (que respire).
Tal deus contraditório dos mandamentos também autoriza, em algumas passagens, que não matem "as mulheres que nunca se deitaram com outros homens" aconselhando que estas passem a servir ao homens de seu povo escolhido. Tal deus também recomenda, em algumas passagens, que seus povo escolhido ou fiéis não façam escravos DENTRE SI, mas plenamente autorizados a ESCRAVIZAR integrantes de OUTROS POVOS.

Ou seja, TODA IDEOLOGIA É IGUAL: AUTO CONTRADITÓRIA e formada por um EMARANHADO DESCONEXO de AFIRMAÇÕES ARBITRÁRIAS.

Contudo, a cegueira e o desejo de seus sectários os impede de reconhecer as próprias contradições e os FATOS ESCRITOS que os guiam.

Ideologias IMBECILIZAM!

O MESMO de SEMPRE disse...

Ora, alguém que recomenda "dar a face esquerda a quem o agredir na direita",
ou que recomenda "se roubarem o que é teu, não o reclames",
ou "dá a todo que te pedir",
ou "ame o seu SENHOR, sobretudo aos MAUS, pois não há mérito em amar os bons",
ou "não julguies para não serdes julgados" (devo manter-me amigo de bandidos e safados),
...é o mesmo que ataca violentamente MEROS MERCADORES que negociam num templo. Ainda acusando-os de serem ladrões.

Sim, porque Roma misturava outrops minérios ao ouro, do qual cunhava as moedas, a fim de custear os gastos do governo e ISSO GERAVA AUMENTO dos PREÇOS e por tal o governo Romano acusava os mercadores e comerciantes de serem GANÂNCIOSOS e até apedrejamento destes "malvadões" teve. Logo a estórinha ideológica tinha que dar uma "paulada nos mercadores ganânciosos".

Só que qdo o lendário JC aafirmou que poderia derrubar um templo e reconstruí-lo, lá na frente entendeu-se o tal templo era apenas o CORPO HUMANO e não a tal "casa de meu pai". Casa esta construida e mantida por sacerdotes que não anuiam com tal paternidade. Enfim, a passagem foi apenas um meio de ATACAR os "MERCADORES GANÂNCIOSOS".

Afinal, apenas os mendigos e pobres trabalhadores seriam meritórios. Somente aos "pobres e humildes" seria concedida a vida eterna no "reino dos céus".

Até porque "MAIS FÁCIL um CAMÊLO PASSAR PELO BURACO de UMA AGULHA do que um RICO ENTRAR no REINO dos CÉUS"

Os ricos por tal ideologia, que INVENTOU o POLÍTICAMENTE CORRETO como uma MORAL ARUINADORA do CARÁTER, são malvadões e sem mérito. Só meritórios os ricos escolhidos por deus, claro. Como bem deixa claro o livro dos ardis.

Quer algo mais similar ao que chamam de POLITICAMENTE CORRETO???

Tal estratégia política foi usada no ocaso do Império Romano e REQUENTADA em todo o seu apelo SENTIMENTAL MORALÓIDE ou MORAL SENTIMENTALÓIDE como política contemporânea.

Afinal o moralismo sentimentalóide é a melhor ARMA para MANIPULAÇÃO e DOMINIO das massas imbecilizadas, em sua estúpida vaidade.

Anônimo disse...

paulo, seu viralata complexado, vá roer seu osso no lixo de que você não consegue se libertar.

Paulo disse...

Quem é um viralata complexado escondido atrás de um ufanismo barato tapando o sol com a peneira aqui é vc, otário. E, repito, a sorte de Lula, Obama, Soros, Clinton é que o ocidente (e ainda mais o Brasil) esta cheio de imbecis como tu. Vc é um idiota útil do tipo que chorou cheio de ¨orgulho¨ de ser bananeiro, ops, brasileiro com a abertura das olimpíadas e agora tai com cara de tacho com o ¨legado¨, né não!? Vai roer vc teu osso, sua massa de manobra alienada! Melhor, vá comer tua mortadela que o Boulos já esta solto de novo!