quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Cria cuervos y te sacarán los ojos

Percival Puggina alerta para um ponto relevante na questão da insegurança nacional, dentro e fora das prisões: o crime e a violência avançam também por motivação política e ideológica. Tem razão: nos últimos 15 anos, o lulopetismo afagou a cabeça dos bandidos, relativizando o crime - mero "erro" - e erigindo os criminosos a "vítimas da sociedade", com a cumplicidade das universidades e das igrejas - sem contar que a lei é uma brandura nesse país que nem sequer tem prisão perpétua para autores de crimes hediondos: 


Quando as imagens do massacre de Manaus me caíram diante dos olhos, lembrei-me do ditado espanhol - "Cria cuervos y te sacarán los ojos". Naquelas cenas reiteravam o quanto é pueril supor que há perversidades inacessíveis ao homem. Não há. Feras não podem se humanizar, mas o contrário não é verdadeiro. E quando acontece, a ferocidade se potencializa pela aplicação da inteligência ao mal.

Muitas vezes, algo que parece nascido da boa intenção, tornando quase impossível ser percebido de modo diverso, acaba prestando extraordinário serviço ao mal e a seus objetivos. Pondere o que aconteceu com a sociedade brasileira, em avassaladora proporção, nas últimas décadas. Para tal fim, seja seu próprio instituto de pesquisa. Examine suas experiências de vida e as informações que lhe chegam de variadas fontes e modos. Tenho certeza de que acabará concluindo que a nação passou da quota na quantidade de maus cidadãos, de patifes, mentirosos, velhacos, corruptos, traiçoeiros e dirigentes de igual perfil, cujas decisões põem a ética e o bem de cabeça para baixo.

O que se constata nessa observação ligeira, mas suficiente, não é causa de si mesma em circuito fechado, mas consequência de uma atitude pedagógica aparentemente generosa, que concede liberdade sem responsabilidade, direitos sem deveres, prêmios sem méritos, amor sem exigências, educação sem restrição. E tolera a falta sem punição e o crime sem pena.

Temos recebido doses maciças disso nas famílias, nas salas de aula, nas relações sociais, no trabalho e na política. Então, prezado leitor destas poucas linhas, se lhe ocorre, ao lê-las, a ideia de que os cuervos a que me refiro estão enjaulados nas penitenciárias do Brasil, crocitando e executando sentenças de morte, ali mesmo ou nas nossas ruas e estradas, você se enganou. É ao seu criatório que me refiro. Ele está por toda parte, está aí na volta, combatendo a polícia, rindo da lei, declarando a morte da instituição familiar, chamando bandido de herói e herói de bandido, fazendo novelas de TV, ridicularizando a virtude, aplaudindo o vício, enxotando a religião, desautorizando quem educa ou usando a Educação para fazer política e relativizando a vida (aconteceu o que, em Manaus e Roraima, que não ocorra diariamente, com tesouras e pinças, em salas de aborto?).

Há cuervos que não se apresentam como tal.

Não estou afirmando que as pautas da violência se esgotem nestas que menciono. Estou dizendo, isto sim, que o crime e a violência avançam, inclusive, por motivação política e ideológica. E estou reafirmando, mais uma vez, que consciências ou se formam ou se deformam. Há no Brasil um evidente empenho em criar seres humanos com consciência de corvos. (Blog do Puggina).

3 comentários:

O MESMO de SEMPRE disse...

.

Estava ainda agora lendo no site "Implicante" um pulha mentir descaradamente e promover a confusão ao igualar Liberais e esquerdinhas.

O vagabundo esqueceu que os Conservadores facilmente se tornaram esquerdinhas nos EUA para se comporem NEOCONS.

Sim, quando as idéias liberais surgiram no Iluminismo, os Conservadores se juntaram aos socialistas marxistas (eram socialistas que Marx chamou de "utópicos") para defender o PODER ESTATAL da aristocracia.

Chego a suspeitar que a deturpação do termo "Liberal" associando-o aos socialistas tenha decorrido da FOFOCA dos conservadores. Afinal eles possuem muito dinheiro por desde sempre estarem paraticando canalhices no Poder Estatal. São sectários da ideologia que inventou o "POLITICAMENTE CORRETO" lá no ocaso do Império Romano. Onde bonito e chique era "dar a outra face" e "se ROUBAREM o que é teu, NÃO RECLAMES", além de demonizar os mercadores (comerciantes) chamando-os de ladrões ganânciosos e ainda afirmar que "os governantes são escolhidos por deus" e que "deus quer que se obedeça às autoridades e que se pague os impostos" como esta em Romanos ou Epístolas de Paulo.

Enfim, a canalhice se repete como história e IDEOLÓGICOS SÂO TODOS IGUAIS e desprovidos de caráter e senso de dignidade. Afinal, a tudo se permitem em nome da sua IDEOLOGIA para maníacos.

Orlando Tambosi disse...

Boa, O Mesmo (Mouro?). Compartilho sua aversão às ideologias. E não considero o liberalismo como ideologia. É uma filosofia.
Abraço

O MESMO de SEMPRE disse...

.
Por muito tempo eu tentei descobrir o que caracteriza uma IDEOLOGIA e uma TEORIA ou mesmo uma FILOSOFIA.

Sempre analisando-as "olhando" o seu todo quanto focando as partes so sentido de propostas e consequências e até mesmo o comportamento de seus adeptos.

A conclusão foi complicada, mas satisfatória.

Uma teoria ou mesmo uma filosofia, SEMPRE tem início com um dado da realidade ou um conhecimento objetivo, ou pretensamente objetivo e real. Ou seja, a idéia de um teórico ou mesmo pretenso filósofo é SEMPRE objetivando DESCOBRIR VERDADE e não criar uma deliciosa fantasia.

Portanto, TEORIAS e FILOSOFIA SEMPRE PARTEM de PRINCÍPIOS axiomáticos ou de conhecimentos já obtidos. Daí vão properando para se formarem com base NO CONHECIMENTO JÁ APREENDIDO empiricamente ou logicamente.
Desta forma a COERÊNCIA é FUNDAMENTAL. Qualquer afirmação sem fundamento racional ou objetivo depõe contra uma teoria e mais ainda contra uma filosofia.

No caso das IDEOLOGIAS não há absolutamente uma partida sobre qualquer possível realidade, mas unicamente sobre FANTASIAS DESEJÁVEIS.

O DESEJO é o FIM de onde partem TODAS as IDEOLOGIAS.

Esse OBJETIVO SUPREMO ou FIM REDENTOR é a origem de TODAS as ideologias. Pode ser a "VIDA ETERNA", a "DOMINAÇÃO do MUNDO", a HEGEMONIA de uma CLASSE ECONÔMICA ou RAÇA, uma impossível IGUALDADE material, uma vaga SALVAÇÃO qualquer ou LIBERTAÇÃO qualquer. a GLÓRIA ou a existência de um NIRVANA mirabolante mal explicado qualquer.

Enfim, IDEOLOGIAS são apresentadas como um amontoado de idéias, que se permitem desconexas, que conduzirão a um FIM REDENTOR para a humaniodade fiel.
Daí que tal objetivo supremo a TUDO JUSTIFICA se em seu nome invocado. Portanto um FIM REDENTOR que justifica TUDO que a ele supostamente possa conduzir.

É lógico que em tal empulhação o que impera é a ARBITRARIEDADE em afirmações CASUÍSTICAS que visam apenas SEDUZIR AGREGAR SECTÁRIOS hipnotizados pelo "MUNDO que lhes é oferecido num FUTURO SEM DATA".

Por isso, por exemplo, tanto o islamismo quantop o cristianismo são religiões de AMOR, mesmo que as palavras não condigam minimamente com os fatos ou mesmo com as recomendações ideológicas.

O Jeová que estipula o mandamento "NÃO MATARÁS" é o MESMO Jeová que passa o tempo todo mandando o eu povo MATAR.

Os adeptos da igualdade material (impossível e injusta) são os MESMOS que assumindo o PODER ESTATAL passam a ESCRAVIZAR, literalmente, populações inteiras para se fartarem no LUXO e na desigualdade que condenam.

A "religião do amor" produziu as mais terriveis perseguições, torturas e formas de matar para desestimular os críticos da sua ideologia. Tais "religiões do amor" produzem maníacos hipnotizados pelo DESEJO do "MUNDO FUTURO" que lhes é prometido e EXATAMENTE POR ISSO SE TORNAM VIOLENTOS para tentar IMPEDIR AS CRÌTICAS e sobretudo tentar impedir que os demais deixem de crer em tais fantasias. CERTAMENTE IMAGINAM QUE SE TODOS ACREDITAREM no FUTURO PROMETIDO ESTE PODERÁ EXISTIR ou, pelo menos, NÃO haverá exposição de fatos que ponham em dúvida UMA CRENÇA vulnerável a críticas racionais.

O FANÁTICO TEME PERDER A CRENÇA e é por isso que se torna violento, irracional e estúpido ao ponto de não perceber o quanto é DESCONEXA a sua IDEOLOGIA e quão fantasiosos os FINS PROMETIDOS.

Enfim:

- IDEOLOGIAS fundamentam-se em FINS prometidos para FUTURO incerto.

- TEORIAS e FILOSOFIAS fundamentam-se em PRÍNCIPIOS axiomáticos e CONHECIMENTOS aqdquiridos. Portanto não se permitem incoerências.