segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

O populismo, essa maldição latino-americana.

A América Latina sempre foi quintal do populismo - particularmente o de esquerda -, com seus caudilhos e tiranetes, os últimos deles abraçados ao bolivarianismo e assemelhados, como o lulopetismo. No texto a seguir, o diplomata Paulo Roberto de Almeida esboça uma análise do populismo econômico e da "destruição destrutiva" por este promovida nesse continente quase perdido:


Poucos anos depois que Karl Marx, no primeiro volume de Das Kapital – em 1867, o único que ele publicaria em vida –, tivesse formalizado sua concepção acerca dos poderes destrutivos do capital, como condição para a criação de novas forças produtivas e novas relações de produção, o conservacionista pioneiro e promotor do movimento ambientalista nos Estados Unidos John Muir, discípulo intelectual de Alexander von Humboldt, expunha, em carta ao amigo transcendentalista e poeta Waldo Emerson, sua crença em que mesmo fenômenos naturais aparentemente destrutivos serviam para criar novas formas de vida. Em outro sentido, Lavoisier tinha expresso a mesma ideia algum tempo antes, quando disse que na natureza nada se criava ou se perdia, mas que tudo se transformava. Talvez, nenhum dos três tivesse refletido sobre essa bizarra, ou até mesmo essa inacreditável capacidade que possuem certos seres humanos, ou certos grupos sociais, de destruir instituições criadas pela própria sociedade, sem nada colocar no lugar. Em nenhuma outra região do mundo essa notável bizarrice humana exibiu-se de forma tão exuberante quanto na América Latina, aliás de forma recorrente, o que pode ser um vício, mas também um “pecado original”. (Continua no Instituto Millenium).

4 comentários:

Paulo disse...

A América Latina e a África sempre lutaram muito para saber quem é o c@#$ú do mundo com o maior número de trastes inúteis per capita. Não é a toa que os comunistas globalistas adoram valorizar os povinhos que moram nestas regiões e querem que os países do primeiro mundo engulam esses fracassados com o intuito de detonar os países desenvolvidos de dentro para fora sem precisar de uma guerra.

O MESMO de SEMPRE disse...


O POPULISMO é o EMBUSTE baseado no PRÉ-CONCEITO:

Aquilo que a MORAL VIGENTE VALORIZA.
Afinal, incensar os pobres, o povo, os fracos, os desgraçados e etc. é algo que a propaganda moral estabeleceu como discurso valorizador.

Qum não acha os pobres, os desgraçados, os fracos, os deficientes, os feios, os incapazes e etc. como sendo portadores de grandes méritos, é moralmente julgado alguém MALVADÃO e REPULSIVO. Segundo a MORAL MILENAR ideológicamente introduzida através de APELOS EMOCIONAIS de promessas paradisiacas e ameaças aterradoras, MÊDO e DESEJO para conquistar simpatia valorizadora e antipatia depreciadora.

No fim das contas tudo visa à manipulação do HOMEM-MASSA (de fato fica com a forma que lhe dão) através da VAIDADE IMBECILIZADORA, pois que EMOÇÃO e não razão.

O MESMO de SEMPRE disse...


VAIDADE, MODA e ESTUPIDEZ

O Socialismo era o estado inicial dos povos e a LIBERDADE a idéia NOVA e verdadeiramente revolucionária e REBELDE. Sim, pode parecer estranha essa afirmação, mas BASTA PERCEBER A REALIDADE:

- No mundo sempre houve uma SÚCIA MANDANTE e as MASSAS OBEDIENTES.

O domínio que estas SÚCIAS cujo NEGÓCIO, sim o NEGÓCIO, é VIVER do PODER e não do TRABALHO tem se imposto à humaniodade desde seus primórdios.

Espertalhões se fizeram caciques, patriarcas, califas, faraós, reis e etc. através da difusão de idéias que se baseavam em FINS e NÃO em PRINCÍPIOS.

Ou seja, o PODER decorre das IDEOLOGIAS em seu primitivismo.
Essa corja de maníacos que sempŕe almejaram viver do PODER sempre se imiscuiu com FOMENTADORES IDEOLÓGICOS que se utilizavam até do MISTICISMO para reivindicarem a SERVIDÃO das massas em nome de alegados SERES MIRABOLANTES capazes de magias fabulosas. Assim o PODER sempre se misturou com fantasias de seus MORUBIXABAS, PAJÉS, FEITICEIROS e SACERDOTES de todos os fedores.

Estas fómulas de Poder que se fundamentavam difundindo o MÊDO e o DESEJO irracionais foram turbinadas ao se descobrir que a ARMA MORAL é de gigantesca utilidade na "guerra pelo Poder". Pois é a MORAL que estabelece o VALOR do INDIVÍDUO no seu MEIO COMUM.

Entendendo-se a VAIDADE HUMANA se percebeu o quanto uma IDEOLOGIA poderia ser MANIPULADORA ao fomentar uma MORAL IDEOLÓGICA de forma a que o meio comum fosse convencido do valor dos fiéis a essa moral.

Assim as IDEOLOGIAS se tornaram o NEGÓCIO da SÚCIA que vive do PODER e NÃO do TRABALHO. Da seguinte forma:

- A IDEOLOGIA justifica-se pelos FINS que PROMETE para um futuiro sem data e incerto. Em si mesmo esses FINS são alcunhados de "O BEM COMUM" por seus prometedores. Desta forma nem mesmo apresentam os fins que prometem para serem julgados, MAS JÁ DE ANTEMÃO os SENTENCIAM COMO O "BEM COMUM" e todo aquele que os criticarem ou que criticar a IDEOLOGIA que os prometem passa a ser ESTIGMATIZADO pela HISTÉRICA REPETIÇÃO que visa "enfiar pensamentos nas cabeças" impedindo que os indivíduos façam suas próprias análises contrárias aquelas que lhes são fornecidas em CONCEITOS já PRONTOS. Essa é a idéia do pré conceito difundido pela repetição histérica que não deixa espaço para argumentos de debate, mas apenas para tomada de posição num JOGO BINÁRIO, MANIQUEÍSTA como se tudo fosse objetivamente uma questão de BEM x MAL, onde quem fala mais alto passa a ter razão por fornecer a um maior número de pessoas os seus conceitos sem fornecer a análise ou deixar espaço para reflexões. Tudo é um REPETIR freneticamente aquilo que se imagina, por ser mais ouvido ou lido, a opinião da maioria ou mesmo a opinião do meio comum.

É o APOIO COMUNITÁRIO o objetivo daqueles que precisam mais da OPINIÃO ALHEIA do que da própria.

A VAIDADE HUIMANA é EXATAMENTE ISSO: o DESEJO DESESPERADO POR APROVAÇÃO ALHEIA!

E é por essa vaidade estúpida que o HOMEM-MASSA é facilmente MANIPULADO.


...continua:

O MESMO de SEMPRE disse...


.
É o APOIO COMUNITÁRIO o objetivo daqueles que precisam mais da OPINIÃO ALHEIA do que da própria.

A VAIDADE HUIMANA é EXATAMENTE ISSO: o DESEJO DESESPERADO POR APROVAÇÃO ALHEIA!

E é por essa vaidade estúpida que o HOMEM-MASSA é facilmente MANIPULADO.

- Basta obscurecer a racionalidade através do CLIMA EMOCIONAL. Nesse ponto a HISTERIA, o FRENESI VERBORRÁGICO, os GRITOS com ENTONAÇÃO EMOCIONAL e as CARETAS de indignação, horror, tristeza e alegria tornam-se contagiantes pois "falam" à emoção como os argumentos falam à razão.

Em tal clima emocional e AGITADO sem a devida análise fria de fatos e possibilidades, o ser humano é tomado pela HISTERIA e não se permite reflexões. Afinal esta em busca do APOIO ALHEIO, o milenar "ASINUS ASINUM FRICAT".

- Um vaidoso abomina as COMPARAÇÕES. Ele sofre por acreditar que os demais possam ter sobre ele o mesmo conceito que ele próprio possui de si. Quanto mais se despreza, mais se entrega ao desejo pela OPINIÃO ALHEIA em seu favor. Pois intimamente QUER ACREDITAR que se os demais ostentarem a boa opinião que lhe dedicam, ele terá argumentos para tentar convencer-se de que possui mais valor pessoal do que aquele que ele consegue perceber, atribuindo aos demais uma maior capacidade para reconhecimento de seu próprio valor.
É algo CÍCLICO:
"Eu" não me aprovo. Então se "eu" me moldar à opinião alheia eu obterei aprovação alheia. Então eu devo "me" aprovar porque os demais em sua superioridade coletiva, são mais sábios do que "eu" e assim "meu valor verdadeiro" decorre da imagem que transmito para os demais (a coletividade ostensiva), do qual devo me convencer.

Eis aí o fato!

Um vaidoso ao ver que seu vizinho comprou um "carrão" passa a crer que seu vizinho é melhor por ser capaz de conquistar mais riqueza que ele.
Então se individa para comprar um "carrão" e tentar se igualar ou superar seu vizinho ante os OLHOS ALHEIOS. Tal ostentação poderá atrair a valorização dos outros.
...E É EXATAMENTE A OPINIÃO ALHEIA QUE PREOCUPA o VAIDOSO, NÃO A PRÓPRIA.

Ele também pode ostentar sua "BONDADE", "ALTRUÍSMO", "INTELECTUALIDADE", "INTELIGÊNCIA", "HEROÍSMO" à lá Robin Hood deturpado e ETC..

São inúmeros os "VALORES" morais que podem ser ARBITRADOS através da PROPAGANDA enaltecedora (difusão repetitiva) e se TORNAR o VALOR da MODA.

A MODA é uma boa visualização de tal FUNESTA IMBECILIDADE HUMANA:

- Difunde-se que agora a MODA é saias curtas ou longas, cabelos compridos ou curtos, as cores tais e tons tais e blábláblá...

Os imbecis e inseguros logo CORREM a MOLDAREM-SE à MODA do momento, que então por "decreto" os tornará mais "ANTENADOS", "MODERNOS", "CHIQUES" e até "inteligentes".

Mas quem define o que atribui tais características AOS SEGUIDORES da MODA e quem define a MODA?

é SIMPLES: MERO CLIMA EMOCIONAL a produzir HISTERIA IMBECILIZANTE.

Procurem a EXPLICAÇÃO PARA A MODA ...é um exercício de reflexão fantástico!