sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

O velho e novo Brasil: sempre antiliberal e patrimonialista.

Em sua coluna na revista Istoé, Rodrigo Constantino analisa o "capitalismo de compadres" vigente no Brasil - o velho e nefasto patrimonialismo, que impede o desenvolvimento do país, como bem mostrou Antônio Paim. Vale ressaltar que o uso da coisa pública para fins privados se consolidou com a chegada do lulopetismo ao poder, com sua mentalidade estatizante:


Não há nada mais velho no Brasil do que o “capitalismo de compadres”, o patrimonialismo, o uso da coisa pública para fins privados, alimentado pelo centralismo estatal. São males que nos acompanham desde sempre. Revolucionário em nosso País seria o liberalismo, que nunca nos deu o ar de sua graça. A mentalidade estatizante está enraizada, desconfiando de tudo que vem da iniciativa privada e delegando ao governo um papel de salvador da Pátria. Nesse aspecto, o Brasil se parece muito com a França. Esse centralismo, afinal, vem desde o Antigo Regime, e foi fortalecido pelos jacobinos e por Napoleão. Troca-se o inquilino do edifício, mas a alma permanece intacta.

Em sua análise dessa época, Tocqueville mostra como todo o arcabouço do centralismo estatal já estava presente no Antigo Regime, e foi apenas aproveitado pelos revolucionários. Os administradores concentravam absurdo e arbitrário poder. E como as regras eram muitas e rígidas, a saída era o “jeitinho”, uma prática frouxa. Os reformadores miravam em fins diversos, mas seu meio era sempre o mesmo: usar o poder central para colocar em prática seus planos pessoais. O poder do Estado deveria ser quase ilimitado. Se ao menos ele fosse utilizado de forma adequada…

“Ninguém imagina que possa levar a bom termo um assunto importante se o Estado não se imiscuir”, escreve Tocqueville. Mesmo os agricultores achavam que era preciso o governo atuar para “aperfeiçoar” seu setor, tanto por meio de conselhos como de auxílio. Tocqueville continua: “Tendo o governo tomado assim o lugar da Providência, é natural que cada qual o invoque em suas urgências particulares. Por isso encontramos um número imenso de requerimentos que, sempre se fundamentando no interesse público, dizem respeito entretanto apenas a pequenos interesses privados”.

Impossível ler essa passagem e não pensar na coluna do empresário Benjamin Steinbruch na “Folha de S. Paulo”. Nela, o acionista do Grupo Vicunha e da CSN defende uma participação mais ativa do Estado para salvar a indústria brasileira, como se não tivesse sido justamente o excesso de intervenção estatal o maior responsável pela crise. Câmbio manipulado, redução artificial na taxa de juros, seleção de campeões nacionais, estímulos fiscais, tudo aquilo que o PT fez, e gerou apenas desgraça, o empresário deseja rever. Os “progressistas” são tão modernos como os nobres do Antigo Regime francês! Ironicamente, quem também adota visão protecionista parecida é Trump, odiado por nossa esquerda, que parece ter se encantado com a globalização da noite para o dia. Mas sabemos que é pura fachada: essa turma só odeia os novos inquilinos, Trump e Temer, mas adora a alma centralizadora e estatizante de nosso País.

11 comentários:

SHAMI disse...

QUO VADIS
Feliz Natal e feliz 2.018 !!!
professor.

eu não guento

SHAMI disse...

extensivo á família.
lógico,sou machista.
kkkkkkkkkkkkkk

SHAMI disse...

QUO VADIS
Seria um bom "presente"para inicio de ao ?
https://www.facebook.com/tradutoresdedireita/videos/1224087991010087/

eu não guento

Joe Cool disse...

Constantino mantém uma fé em que o liberalismo puro e simples resolveria os problemas econômicos brasileiros, mas isto está longe da verdade. O brasileiro tem uma mentalidade usurária. Mesmo sem impostos os preços pouco baixariam pois aqui sempre alguém tem que levar vantagem. A regra é tentar roubar, enganar, extorquir e explorar uns aos outros, seja com golpes, desonestidade ou preços abusivos e extorsões, enquanto mantém uma postura passiva ante aos impostos e abusos do governo. A exceção é não se portar assim. Ou se monta cartéis e tenta isenções e vantagens referente a taxas e impostos ante ao governo ou repassa tudo mais um acréscimo para o consumidor. Sem contar que brasileiros se odeiam por uma série de razões: regionalismo, time de futebol, profissão, religião, subjetividades e banalidades como gostos pessoais referente a música ou hobbies causam séries divisões num povo desunido, imaturo, altamente emotivo que possui uma inclinação inata de desdém a regras e a ordem.

Joe Cool disse...

Com relação a Trump eu gostaria que Constantino me explicasse qual a vantagem para um povo e um país que suas empresas montem fábricas em países subdesenvolvidos (China, México e India, muitas vezes com trabalho semiescravo e trabalho infantil) tirando empregos dos trabalhadores locais e fechando fábricas, e depois vendendo estes produtos no mercado nacional sem pagar impostos e gerar empregos, ao mesmo tempo em que mantém uma política leniente de imigração absorvendo uma leva de imigrantes ilegais (sendo a totalidade pessoas com pouca instrução e raramente produtivas em suas próprias nações). O que Trump está fazendo é correto, a Ford já desistiu de montar uma fábrica no México e abrirá nos Estados Unidos, a Apple já anunciou que fechará sua fábrica na China e fará 100% da sua produção nos Estados Unidos. Este onde antinacionalista é altamente suicida para um povo e um país.

O MESMO de SEMPRE disse...

.
Primeiramente devo dizer que, mesmo sem saber, Constantino está mordendo a mão que o alimenta.

O Antigo Regime (Ancien Régime) é EXATAMENTE aquela podridão que os atuais CONSERVADORES defendem sem qualquer vestigio de vergonha na cara.

Ora, o LIBERALISMO surgiu exatamente combatendo as idéias do velho regime que agora tomou o apelido de CONSERVADORISMO.

Basta que se leia autores da época para perceber que com a entrada em cena do SOCIALISMO "CIENTÍFICO", de Marx-Engels opondo-se ao que Marx chamou de SOCIALISMO UTÓPICO (dos carolas safados), auto apresentado marqueteiramente com a alcunha de "PROGRESSISTA", forjou-se um NOVO ANTAGONISMO BINÁRIO. Nesta nova empulhação o objetivo era TIRAR o FOCO das IDÉIAS LIBERAIS através de um antagonismo um tanto fake (esta na moda esta palavra).

Assim os "progressistas" se antagonizaram dicotomicamente aos que então DEFENDIAM o Ancien Régime sob os mais cândidos ideais conservadores.

NIETZSCHE apontou que o Socialismo é que era REACIONÁRIO, sendo apenas uma exacerbação do Ancien Régime. Fez isso com magistral explanação.

Nietzsche foi apenas alguém que viu os FATOS:
- As idéias Liberais é que propunham MUDANÇAS e tanto os adeptos do regime vigente (Mercantilismo, Priotecionismo e lá mais o raio) quanto os marxistas COMBATIAM FEROZMENTE as IDÉIAS LIBERAIS, onde um lado visava manter (CONSERVAR) o sistema de privilégios estatais (Poder arbitrário do Estado) e o lado marxista visava AMPLIAR ESTE PODER do ESTADO até o TOTALITARISMO muito bem apontado por NIETZSCHE.

Ou seja, como o humano, infelizmente, ainda é BINÁRIO (se posiciona entre antagonismos) esse antagonismo forjado entre CUMPADRES Socialistas Utópicos x Socialistas "Científicos" acabou por arrefecer as idéias liberais que NÃO CONTAVAM COM RIOS de DINHEIRO a FINANCIA-LAS. Como acontece com marxistas e conservadores até os dias atuais.

Devo uma homenagem a DONALD STEWART (Ecisa) que usou seus recursos para reviver as esquecidas idéias liberais.

Tão logo aaas idéias liberais começaram a ganhar corpo os tais conservadores propuseram que estas não atacassem o intervencionismo e moralismo IDEOLÓGICO dos conservadores, sugerindo uma uniãom para combater o Socialismo marxista ou pseudo marxista. E, LÓGICO, após pegarem uma carona nas idéias liberais passaram a atacar ferozmente as idéias liberais (inclusive comprando simpatia para o Socialismo utópico dos conservadores).
Claro que ideológicos são todos iguais e por tal os tais conservadores passarama se dedicar À FOFOCA e chamar os liberais de esquerdistas para gerar confusão e se manterem como "a verdadeira oposição" ao Socialismo marxista propondo um Socialismo cristão.

Com o DINHEIRO rolando os conservadores tentam ROUBAR o antagonismo ao Socialismo marxista (baseado numa tal LUTA de CLASSES) através do Socialismo Cristão (baseado no reino dos céus).

AMBOS muito bem intencionados na criação de UM NOVO HOMEM (novo humano) bonzinho e caridoso, sem ambição e voltado para o bem alheio e resignado ante a própria SERVIDÃO frente ao ESTADO SOBERANO sobre a coletividade.

Tanto conservadores quanto marxistas (luta de classes e exploração) PRECONIZAM COLETIVISMO como ápse MORAL.
Ambos se apresentam em meio a DISCURSOS de ALTRUÍSMO e COLETIVISMO, defendendo que o Estado possui o direito de TIRAR de UNS para DAR a OUTROS. Um assim propõe em nome do desejo divino para a natureza humana e o outro assim propõe em nome de compensar a natureza malvada enquanto vai transformando o "velho homem" num "novo homem" altruísta e sem ambição material: o "São Francisco marxista".

Ambos marxistas e conservadores são apenas O MESMO de SEMPRE ou MAIS do MESMO.

Isso é política e nesta o OBJETIVO É MANTER o PODER do ESTADO SOBRE A SOCIEDADE, EXPLORANDO-A.
Conservadores e marxistas não poupam DINHEIRO para comprar simpatias ou sectários. Afinal ESTE É O NEGÓCIO DELES! ...o PODER e não o TRABALHO!

O MESMO de SEMPRE disse...

.
Donald Stewart deve estar se revirando no túmulo, sobretudo por ver no que deu seu Instituto Liberal depois que tomado por esquisitos logo que na década de 90 o liberalismo ganhou corpo.

Os carolas não podiam permitir que um difusor de idéias não contasse com a interferência de tipos esquisitos e sua trupe de estudantes oriundos do PSTU e recém "convertidos" ás idéias liberais, embora conservadores em defesa do velho regime.

Não é por acaso que antigos marxistas se tenham encantado pelas idéias CONSERVADORAS, que defendem um Estado hegemônico sobre a sociedade.

Como bem apontou Hayek sobre a facilidade de Nazistas e Marxistas transitarem entre seus grupos, IGUALMENTE É NOTÓRIO o trânsito de marxistas para o lado conservador e o inverso, como bem o prova os NEOCONS!

Tudo tem as patas dos carolas, seja o meio marxista ou em meio a simpatizantes do ANCÉN RÉGIME, cujos conservadores almejam reviver em seus mais cândidos delírios de canalhas. ...CUISP!

Prevejo que a imundicie ainda persistirá por séculos, possivelmente.

O MESMO de SEMPRE disse...

.
Ia já esquecendo de lembrar o magistral e fantástico SCHPENHAUER:

"Para a maioria das pessoas tudo se resume a escolha entre CHÁ ou CAFÉ"


Já naqueles tempos o GENIAL pensador descobriu a porca natureza binária do tar di serumano.
Os gênios são tão eternos quantos as verdades que descobrem ao analisarem este porco mundo.

O MESMO de SEMPRE disse...

.
Quem se vende, vale sempre muito menos do que o preço que aceita!!!

Quem se deslumbra com pouco não vale nada.

O MESMO de SEMPRE disse...

.
O autor do texto, que mais se parece com CORTIÇA BO RIO, se entrega:

" O poder do Estado deveria ser quase ilimitado. Se ao menos ele fosse utilizado de forma adequada…"


Aí ESTA o que digo. Medido, pesado e aprovado com o ATO FALHO que deixa escapar a índole:

"SE AO MENOS ELE FOSSE UTILIZADODE FORMA ADEQUADA...."


Eis aí o que digo sem medo de errar! ...Provado e COMPROVADO!


Qual a forma adequada? ...aquela que ele preferir, com certeza assim pensou o traste!

O MESMO de SEMPRE disse...

.
JOE,

não há como cobrar preços altos se não houver consumidores.

A explicação é um pouco complexa, embora fácil de perceber.

Porém há um jeito simples que qualquer um, por menos agudo que seja, pode perceber que quem dá o preço é o consumidor e não o vendedor:

- há preços sazonais ou que se dão devido a questões particulares e não só pelo clima ou época.

Por exemplo, há não muitos meses a CENOURA chegou superar o preço de R$ 7,00. Aliás no Rio passou dos R$ 8,00.

Há pouco tempo atras ela já estava por volta de R$ 1,00 e atualmente se encontra por volta dos 2 a 3 Reais.

Isso acontece com tomate, beterraba, inhame, carne de boi, frango e etc..

Pela sua idéia isso jamais deveria ocorrer, pois os GANÂNCIOSOS nunca baixariam os preços. Um cegueira envergonhadora.

Os preços SOBEM devido aos CUSTOS e devido a DEMANDA em relação a oferta.

Quando os custos sobem É NECESSÁRIO BAIXAR A PRODUÇÃO para que se possa ter PREÇO SUPERIOR AOS CUSTOS.

Um aumento generalizado de impostos eleva CUSTOS, pois que maior parte da produção é EXPROPRIADA pelo governo (os que recebem do governo consumirão mais do produzido).

Assim uma PARCELA MENOR do que ´e produzido terá que GERAR EXCEDENTES para COBRIR o CUSTO de TUDO que é produzido. Logo, os preços terão que aumentar e tal aumento é na verdade uma redução do consumo dos que recebem do governo que vai arrecadar mais e...

É uma corrida do cachorro atras do rabo.
Exatamente por isso que a INFLAÇÃO de MOEDA não gera riqueza, muito ao contrário, ELA GERA CUSTOS para o produtor/empresário porque os RECEBEDORES do governo estarão CONSUMINDO MAIOR PARCELA DOS PRODUZIDO e, desta forma a parcela restante terá que cobrir os custos de toda a produção e por tal tem que tentar obter maior valor relativo e isso é um "cachorro correndo atras do rabo".

Não é duificil perceber, mas infelizmente tais análises tolas ainda insiostem em habitar mentes que não se dão a qualquer análise dos fatos, preferindo soltar asneiras como se solta PUNS: irresponsavelmente.