domingo, 15 de janeiro de 2017

Politicamente correto: uma doutrina maléfica e perigosa.

O politicamente correto é uma sobrevivência da patrulha comunista derrubada a partir do muro de Berlim e do desmantelamento da União Soviética. Relativista e negador da verdade, é abraçado pela mentalidade esquerdista prevalecente em vários países ocidentais. É uma praga a ser eliminada. A propósito, segue artigo de Lucas Berlanza, publicado no site do Instituto Liberal:


Prestigiada por sua carreira de sucessos merecidos como atriz, homenageada com uma honraria na cerimônia do Globo de Ouro, Meryl Streep subiu ao palco e preferiu destilar veneno esquerdista ao microfone. Repetiu a mentira Democrata sobre o suposto deboche de Donald Trump a um repórter com deficiência física, um engodo detalhadamente desmentido por Felipe Moura Brasil em sua coluna na Veja.

Não ficou só nisso, como se caluniar alguém dessa forma fosse pouco; “chorou miséria”, lamentando o quanto os afortunados artistas de Hollywood, os estrangeiros e os jornalistas – eles mesmos, os figurões da CNN que trocam carícias e cargos com o Partido Democrata – são as “categorias” mais perseguidas nos EUA na era nazista de Trump. Trump, saliente-se, que ainda nem foi empossado como presidente da República (!). O que é, na verdade, um posicionamento de oposição à imigração ILEGAL – ILEGAL! -, Streep, como os seus amigos Democratas, lê como xenofobia. Ainda sobrou para os lutadores de MMA e jogadores de futebol, menosprezados de maneira gratuita pela diva do cinema.

Dias depois, saltou-nos aos olhos uma notícia sobre um incidente bastante inacreditável em uma universidade britânica. Segundo a notícia, reproduzida na Gazeta do Povo, “estudantes em Londres querem ‘afrontar a instituição branca’. Por isso, exigem que filósofos brancos (…) deixem de constar no currículo de filosofia e devem ser incluídos no programa ‘apenas se necessário’ e estudados ‘de um ponto de vista crítico’” – como se alguém os estivesse forçando a concordar integralmente com Platão, Kant ou Descartes. De acordo com essas AMEBAS chamadas estudantes da Escola de Estudos Orientais e Africanos, esses “filósofos brancos” – como se as grandes questões da filosofia estivessem intrinsecamente atreladas a cores de pele – representam a “colonização” do ensino superior (?), e deveriam ser estudados majoritariamente filósofos africanos e asiáticos. Mentes lúcidas, como o conservador Roger Scruton, criticaram essa estupidez, como não poderia deixar de ser. É de uma idiotice tão grande que tenho dificuldades até de comentar.

Mentiras sobre a conduta pessoal de um adversário político-ideológico que incomoda as próprias certezas e imperativos rocambolescos sobre o mundo; confusão propositada entre se opor a um grupo que infringe a lei e ser hostil a qualquer estrangeiro; jogar no lixo a maior parte da epopeia da filosofia ocidental que forjou a nossa cultura. Todos esses comportamentos lamentáveis estão sob a mesma égide: o politicamente correto.

Esses dois incidentes revelam da maneira mais indiscutível que, sob o pretexto de proteger minorias supostamente vítimas, em determinado contexto social, de perseguições e opressões naturalmente absurdas, a esquerda moderna – quer seja a chamada beautiful people da classe artística e do Partido Democrata americano, quer seja a New Left em qualquer parte do mundo, quer sejam os “coletivos” (de negros, LGBT ou qualquer coisa que o valha) – está disposta a: destruir reputações, transformar o apreço pela lei no ódio ao diferente, inventar e disseminar histórias falsas, explorar qualquer oportunidade (mesmo premiações individuais) para destilar o seu veneno, atentar contra a educação e a continuidade da transmissão das informações que moldaram a nossa cultura.

Em resumo: DESTRUIR todos os nossos valores e TODA A NOSSA CIVILIZAÇÃO. No ponto extremo, é a esse resultado que eles pretendem chegar, se continuarmos a dar ouvidos a eles. Quando um limite dessa monta e uma pretensão apocalíptica a essas proporções começam a mostrar seus sintomas, passa a não ser nem de longe mais possível o comedimento em defesa das verdades e coisas permanentes que nos são caras. O politicamente correto de que estamos falando é um adversário RACISTA, OBSCURANTISTA e DESTRUTIVO e, por isso mesmo, não merece um pingo de respeito.

2 comentários:

Joe Cool disse...

O mais ridículo das ditas celebridades e de atores e atrizes (de Hollywood ou qualquer lugar), cantores, atletas e etc. é que eles se acham de um importância extrema, dão a entender que fazem algum tipo de favor para humanidade com suas profissões inúteis e que são indispensáveis para sociedade.
A eleição de Trump está incomodando até agora, desde a campanha infindável da mídia contra ele, destas ridículas celebridades hollywoodianas fazendo vídeos antes da eleição pedindo voto a Hillary e agora cantando I Will Survive, ou mesmo o idiota pomposo do Bono Vox anunciando que adiará o novo disco do U2 por conta da eleição de Trump (isto sim é favor para a humanidade) pelo fato da Mainstream Media e Hollywood descobrirem que eles não possuem a influência que imaginavam sobre as pessoas e que tão pouco detém o controle da narrativa. Esta percepção é distorcida por todos viverem numa bolha e as leis though crime silenciarem quem se opõe ao politicamente correto e afins.

"Política sem medo" disse...

Sem falar que nos ultimos 30 anos ou mais, Hollywood tem sido uma fabrica de filmes todos adaptados as vontades de Soros, Rockfellers, New World Order, Gramsci, Karl Marx, Lenin, Stalin, Fidel Castro e outros aberracoes com um unico objetivo de destruir tudo o que tem mantido por milenios as civilizacoes de pe, ou seja a religiao, as familias, o amor ao proximo e todas as praticas saudaveis da vida, substituindo-as pela Teoria Critica da Escola de Frankfurt, semeando a luta de classes, o odio, separacao das familias, lutas entre pais e filhos, odio entre patroes e empregados, brancos e negros, ricos e pobres, feminismo, racismo, minorias, teorias de genero, transgeneros. Infelizmente essa gente e dominada pela midia e seguem esses insanos ate as ultimas consequencias, como estamos vendo acontecer na Venezuela, Brasil, USA, Alemanha e na Europa em geral. Mas isso nao e por acaso nao, e que essa maioria de gente gosta de coisa que nao presta e vem nessas praticas a liberacao dos instintos que eram contidos e que agora eles podem liberar a vontade. Tudo pouca vergonha na cara, isso sim! Quem gosta da esquerda Global sao sem-vergonhas, simples assim!