quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Espírito Santo: a criminalidade do pós-petismo.

Os "famintos" do lulopetismo.
A violência no Espírito Santo, a falência do RJ e do RGS são resultado de um longo reinado do lulopetismo, que sempre desprezou o Estado de Direito e abominou a democracia. Depois do PT, estamos no nível do autoritário cucrachismo latino-americano. E os cidadãos estão desarmados, o que é pior. Texto de Percival Puggina, mais moderado que meu comentário:


Enquanto assistia às cenas de ladroagem e faroeste à solta nas principais cidades do Espírito Santo, vieram-me à mente artigos que li ao longo das últimas décadas. Eram textos de inumanos defensores de direitos humanos. Digo-os inumanos porque o nível de zelo e compaixão que dedicam a bandidos de toda espécie os coloca acima dos umbrais da santidade. Se um dia entrassem numa igreja sairiam como fumaça pelos telhados e sentariam à cumeeira qual anjos góticos. Sim, sua compaixão se derrama como mel sobre qualquer um que caia nas malhas da lei, contanto que não seja um corrupto de direita, para os quais não há perdão. Se for de esquerda vira, imediatamente, injustiçado herói do povo brasileiro, vítima dos "facínoras e canalhas" da Lava Jato.

Há muitos anos esses cavalheiros afirmam que prender não resolve e que é preferível construir escolas a presídios, numa espécie de "Aguenta aí até as escolas ficarem prontas e a próxima geração chegar". Enquanto isso, seus companheiros não fazem escolas nem presídios. Com tais convicções, em grande maioria, defendem o desencarceramento, ou seja, a soltura de bandidos por descriminalização dos atos que praticam ou pela aplicação de penas alternativas à de prisão.

No entanto, a greve dos policiais militares do Espírito Santo está proporcionando ao país, com larga audiência, porque é assunto constante em todos os noticiosos da TV aberta, um excelente audiovisual sobre a quantidade assustadora de bandidos que estão fora das prisões brasileiras. A greve em si mesma, como consequência das quebras de hierarquia e da desatenção à ordem pública, é outra imagem viva do estrago que governos de esquerda e centro-esquerda fizeram em nosso país no último quarto de século.

É preciso que fique evidenciado, acima de qualquer refutação: toda defesa teórica ou prática de desencarceramento, fechamento de hospitais psiquiátricos, abrandamento de penas - como tantas outras sandices - são propostas privativas da esquerda, com vista a seus próprios objetivos políticos. Você jamais verá alguém que não seja companheiro ou camarada sugerindo algo assim. Vale o mesmo para a ruptura da ordem e da hierarquia militar, para a promoção de invasões de propriedades públicas, privadas e estabelecimentos de ensino. E não preciso ir ao Espírito Santo para saber qual o partido político por trás dos "coletivos" que sustentam a ilegalíssima greve dos PMs capixabas.

3 comentários:

Joe Cool disse...

A verdadeira natureza do povo brasileiro apareceu nesta greve. Saques, assassinatos e roubos. Somos um país de ladrões e bandidos, a natureza do brasileiro médio é roubar, saquear e trapacear. Não fiquem zangados comigo, mas com os fatos. Quanto aos policiais e suas mulheres a atitude é ridícula e mostra que a polícia como instituição está falida como todas as outras instituições do país. Independente de ser justa a reinvindicação salarial, os policiais sabem que não podem fazer greve e covardemente se escondem atrás das esposas. Novamente não fiquem zangados comigo, mas com os fatos. Não precisa de greve policial, basta um caminhão carregado tombar em qualquer estrada no Brasil que em minutos a carga é saqueada por quem está por perto.

Alexandre Sampaio disse...

São Paulo, 9 de fevereiro de 2.017

Prezado Sr. Tambosi,

O comentarista Joe Cool tem razão ao afirmar que a greve dos policiais militares do ES é ilegal.Só discordo educadamente dele, ao acusá-los de covardia. Uma pessoa que propõe-se a exercer uma profissão que é mal remunerada, mal treinado, perigosa, e que não dispõe de equipamentos adequados para exercer suas funções pode ser tudo, menos covarde. O grande problema é: E se os insatisfeitos resolverem pedir exoneração dos cargos? Quem irá ocupá-los? Há de se pensar que muitos policiais, possuem muitos anos de experiência, conhecem o local onde trabalham, os bandidos com quem lidam, etc. Demanda tempo e dinheiro, formar uma nova tropa policial. E as questões salariais e de estrutura, logo, logo, surgirá novamente. O exército e a tal força federal está no ES. Resolveu o problema? Não. Não pois, naõ conhecem o território em questão; Ademais, exército não tem o mesmo treinamento que a polícia e a tal força federal, convenhamos, é mais uma maluquice lulo-dilmista, não passa de uma guarda pretoriana terceiro mundista, criada por esquerdopatas. Sobre o caos em ES, também concordo com o nobre comentarista. Fosse o brasileiro um pouco menos amoral, e a situação não estaria nesse ponto. Querem acabar com a polícia militar? Vejam o que está acontecendo no ES, com a greve da PM. Bem ou mal, a PM é a última linha entre os cidadãos decentes e a bandidagem. Um pais que não permite que seus cidadãos compre armas, mas nada faz para combater o contrabando de armas para bandidos, não pode sequer pensar na possibilidade de desmilitarização da policia ostensiva. Tornar todos civis? Ah, tá! A bandidagem vai deitar e rolar se isso acontecer.

O MESMO de SEMPRE disse...

..e por falar de greve:

Aqueles menos úteis têm direito de greve que é o privilégio de ficar até mais de seis meses sem trabalhar e continuar recebendo salários e tikets diversos, mesmo não comparecendo ao trabalho.

O Judiciário (não confundir com Justiça) esta é grev no RJ ha mais de mês. Ora um pequeno percentual vai trabalhar e ora fecham totalmente.

Eles ganham muito mais do que os policiais e ainda assim todos os palhaços afirmam o direito do trabalhador de fazer greve e receber como se trabalhando. É o tal "direito".
Funcionários em geral podem fazer greve para pedir aumentos salariais e regalias. DESDE QUE NÃO SEJAM ÚTEIS.

OS MUITO ÚTEIS NÃO PODEM SE NEGAR A TRABALHAR, devem ser ESCRAVOS.

Concordo que quem NÃO ESTA SATISFEITO, DEVE PROCURAR OUTRO EMNPREGO ou ATIVIDADE.
........MAS ISSO TEM QUE VALER PARA TODOS............

Diz na constituição (prostituição) que TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI.

São mesmo?????

Mas o REBANHO POPULAR sobre nada reflete e apenas se agita no frenesi interesseiro.

O mais curioso é que é um setor do governo (judasciário) que ARBITRA se uma greve é LEGAL ou ILEGAL.

Assim, se empregadores e empregados não firmarem acordo, depois de um tempo "À LA CARTE" no mais fedorento CASUISMO, um juizeco delibera sobre se concede ou não s reivindicações. Caso discorde delas ARBITRA que a greve é ilegal e aí os vadios podem ser demitidos com gorda indenização.

ORA POMBAS!!! ...Para quê então a greve????

Os assalariados deveriam ir diretamente a um tribunal pleitear o aumento ambicionado e o JUIZECO arbitraria logo, sem a necessidade do desgaste de uma greve.

MAS NÃO!!! ...TUDO DEVE SER TEATRAL para EMPULHAR os IMBECIS fenéticos.

O tal "Direito de greve" é como alguém dizendo-se "mais fraco" reivindicar o seu "Direito" de PARTIR PARA A BRIGA CONTRA O MAIS FORTE COMPLETAMENTE IMOBILIZADO (INDEFESO). Afinal, o "MAIS FORTE" não deve ter o Direito de se defender do mais fraco que o ATACAR.

A greve deve ser LIVRE e quem não trabalha NÃO DEVE GANHAR. Assim, seria uma luta justa. Se os grevistas fossem insubstituiveis e indispensáveis, ganhariam a JUSTA remuneração.

Mas TUDO É TEATRO, PANTOMIMA:
Faz-se greve sem correr RISCO ALGUM e depois de tempo indeterminado um salafrário qualquer com cargo de Juiz ARBITRA se a reivindicação procede ou não, sem importar-se com a opinião de quem PAGA a remuneração.
Daí o "todo poderoso" libera para que não se pague dias parados OU ARBITRA o QUANTO deverá ser pago aos grevistas e IMPÕE SUA OPINIÃO sob AMEAÇA de MAL MAIOR.

Humanos, demasiado humanos ...CUISP!!!