quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Fachin relator, melhor para a Lava-Jato. Podia ter sido pior.


O azar poderia ter sorteado Lewandowski ou Toffoli - nos quais as ruas não acreditam -, mas, como saiu Luiz Fachin, melhor para todos. Pelo menos é um juiz formado na carreira, embora tenha tido relação com o lulopetismo:


Sorteado novo relator da Operação Lava Jato nesta quinta-feira, 2, o ministro Luiz Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, prometeu conduzir o caso com "prudência, celeridade, responsabilidade e transparência". Em nota divulgada por seu gabinete, o ministro afirma que essa será uma forma de homenagear o "saudoso amigo e magistrado" Teori Zavascki, antigo relator das investigações sobre a Petrobrás e morto em um desastre aéreo no último dia 19

Os trabalhos de transição entre o antigo gabinete de Teori e o de Fachin já começaram. Apesar de já ter pedido para deixar o STF, o juiz Marcio Shiefler, braço direito de Teori, ainda circula pelo Tribunal ajudando na transição.

Em entrevista, Fachin disse que está "tranquilo" em relação ao grande volume de trabalho que terá pela frente. "Nós temos uma equipe suficiente para dar conta dos afazeres. Estou tranquilo", afirmou o ministro, em resposta a um questionamento sobre se o grande número de inquéritos da Lava Jato poderia levar os trabalhos a "patinar".

Edson Fachin também confirmou que começou a obter informações da equipe do ministro Teori Zavascki e que se reuniu, logo após sua designação, com o juiz auxiliar Márcio Schiefler. "Já me reuni com ele hoje", disse Teori.

Nota. "O ministro Edson Fachin, a quem, na forma regimental, foram redistribuídos nesta data os processos vinculados à denominada Operação Lava Jato, reconhece a importância dos novos encargos e reitera seu compromisso de cumprir seu dever com prudência, celeridade, responsabilidade e transparência, com o que pretende, também, homenagear o saudoso amigo e magistrado, o eminente ministro Teori Zavascki, que muito honrou e sempre honrará esta Suprema Corte e a sociedade brasileira, exemplo de magistrado sereno, técnico, independente e imparcial", diz trecho da nota. 

Na mensagem, o gabinete de Fachin confirma que iniciou o trabalho em conjunto com a equipe que trabalhava com Teori Zavascki. O ministro ainda diz possuir "confiança inabalável" de que o STF irá "realizar a Justiça com independência e imparcialidade", cumprindo a Constituição, leis penais e os prazos devidos.

Sorteio. Fachin migrou da Primeira Turma para a Segunda Turma do Tribunal após a morte de Teori Zavascki e, no sorteio eletrônico realizado nesta quinta-feira, foi designado novo relator da Lava Jato. Além de herdar as 77 delações de executivos da Odebrecht, Fachin será responsável por todos os inquéritos e denúncias já em curso contra políticos supostamente envolvidos no esquema de corrupção na Petrobrás.

Na nota, o gabinete de Fachin diz contar com "o esteio da digníssima presidente Cármen Lúcia", para fins de recursos humanos, técnicos e de infraestrutura necessários para a transição dos processos da Lava Jato. Ele também diz contar com os colegas da Segunda Turma e demais integrantes do STF. (Estadão).

Nenhum comentário: