segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Um troglodita ideológico contra o Estado de Direito

José Rainha, chefão do FNL, continua delinquindo abertamente, desrespeitando as leis e as propriedades privadas e, não bastasse isso, pede "menos presídios" (quando a necessidade do país é o inverso) e a "união de cidade e campo" (discurso antigo do comunismo) contra as "garras do imperialismo americano". Saquinho, por favor:


José Rainha Júnior é um fenômeno. Em 2015, ele foi condenado em primeira instância a 31 anos e 5 meses de prisão por crimes de extorsão, formação de quadrilha e estelionato. Segundo a acusação, o notório líder dos sem-terra e seu bando invadiram fazendas para arrancar dinheiro dos proprietários, sob a ameaça de queimar plantações, e desviaram cestas básicas destinadas a assentamentos. Desde então, o indigitado, enquanto recorre da sentença, continua a desempenhar seu papel de baderneiro profissional, debochando da Justiça ao reiterar seus crimes, sempre sob o disfarce de “luta social”.

O último feito de José Rainha Júnior e sua Frente Nacional de Luta Campo e Cidade (FNL) foi a invasão de cerca de uma centena de fazendas em 12 Estados. Somente em São Paulo, nas cidades de Itapetininga, Andradina, Araçatuba e Bauru, e no Pontal do Paranapanema, foram ocupadas 16 propriedades. Segundo a Polícia Militar, em alguns casos os invasores não passavam de 20, embora a FNL tenha trombeteado a mobilização de “dez mil famílias”.

Chamada de “Carnaval Vermelho”, a ocupação de “latifúndios”, conforme explicou uma nota da tal FNL, “tem como objetivo chamar a atenção do governo para o descaso com que vem tratando a reforma agrária, que há muito tempo está paralisada”. Mas não apenas isso. A mixórdia ideológica que José Rainha Júnior explora para continuar a delinquir diz que as invasões também se prestam a exigir “menos presídios” e a conclamar “toda a sociedade a nos ajudar a defender nossa pátria das garras do imperialismo americano”.

José Rainha Júnior e seus comparsas não estão nem um pouco interessados em salvar o Brasil dos estrangeiros que estão a comprar terras “a preço de banana” enquanto “milhares de sem-terra vivem na extrema pobreza sem o mínimo de atenção do governo e do Estado”. Seu propósito é mais trivial: trata-se de usar os sem-terra como massa de manobra para atormentar o Estado e os proprietários de terra com o objetivo de dar vida fácil aos líderes da patota.

Como mostrou a investigação que resultou na sentença contra José Rainha Júnior, os métodos da quadrilha se assemelham aos da máfia tradicional, fazendo da questão agrária um negócio lucrativo. O juiz federal Ricardo Uberto Rodrigues, que condenou a turma, constatou que “o réu valeu-se de movimento socialmente legítimo, voltado à causa da reforma agrária, para manipular as pessoas que confiavam na legitimidade do movimento e na sua pessoa, como líder do movimento”, fazendo com que os sem-terra “se prestassem a meros instrumentos de seus desideratos criminosos”.

Ou seja, José Rainha Júnior, que ficou conhecido nacionalmente quando ainda era um dos líderes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), cometeu não apenas reiteradas vezes o crime de invadir propriedades alheias, mas de usar as invasões como meio de enganar incautos, com o objetivo de ganhar dinheiro e satisfazer sua “ganância desenfreada”, segundo escreveu o juiz Rodrigues. É de tal modo truculento seu comportamento que o próprio MST, notório por sua violência, considerou inaceitáveis os seus métodos e o afastou, em 2008.

Mesmo assim, o incorrigível José Rainha Júnior não apenas continuou na ativa, fundando um novo grupo de invasores de terra, como também tem a pretensão de exercer influência no governo de Michel Temer – chegou a ser recebido pelo presidente da República, levado pelo deputado Paulinho da Força (SD-SP), interessado na ocasião em ressuscitar o Ministério do Desenvolvimento Agrário e em obter para os apadrinhados de José Rainha Júnior cargos na Secretaria de Agricultura Familiar. Espera-se, para a preservação do decoro nacional, que essa lamentável conversa não tenha dado nenhum fruto.

Seja como for, está claro, a esta altura, que José Rainha Júnior não se sente nem um pouco intimidado, seja ao incitar invasões, seja ao transitar por gabinetes, e que continuará sua carreira de delinquência até que a lei, finalmente, prevaleça. (Editorial do Estadão).

Nenhum comentário: