quarta-feira, 8 de março de 2017

Depois do estrago petista, uma nova diplomacia.

Editorial do Estadão critica o longo reinado de Lula, que pretendeu se tornar um líder mundial submetendo o Itamaraty à tacanha ideologia bolivariana. Deu no que deu:


Ao longo de seus dois mandatos de presidente da República, de 2003 a 2010, Lula da Silva impôs ao Itamaraty uma política externa dedicada a viabilizar sua delirante ambição de transformar-se em líder mundial. Para tanto, aliou-se, no continente, ao então incipiente – e hoje em plena decadência – “bolivarianismo” inventado pelo caudilho venezuelano Hugo Chávez e, mundo afora, aos regimes autoritários que se opunham ao “imperialismo ianque”.

Vangloriando-se, lá fora, de ter eliminado “a fome e a miséria” no Brasil, Lula anunciava, aqui dentro, que estava expandindo nossas fronteiras para fortalecer o comércio exterior e beneficiar ainda mais nossa economia. Enquanto isso, ao pé do ouvido dos novos aliados internacionais que tentava conquistar, cabalava votos para eleger o Brasil membro permanente do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).

Parte essencial da estratégia diplomática de Lula foi a forte expansão das representações diplomáticas do Brasil, de modo especial, no Caribe e na África. Das 66 representações diplomáticas criadas por Lula a partir de 2003 44 são embaixadas.

Os resultados da aventura lulopetista falam por si. Lula não acabou com a fome e a miséria no Brasil, mas os programas sociais que desenvolveu obtiveram resultados positivos de duvidosa serventia, porque não tiraram as pessoas da pobreza, mas fizeram-nas estacionar em diferentes níveis de carência. E mesmo parte significativa dessas conquistas foi tragada pelo desastre econômico em que o lulopetismo mergulhou o País.

No plano internacional, a ONU jamais considerou seriamente a possibilidade de abrir vaga em seu Conselho de Segurança, o que privava a reivindicação brasileira de sentido.

Do ponto de vista econômico, enquanto o mercado internacional mantinha o preço das matérias-primas em alta, o governo Lula surfou nos substanciais superávits comerciais e julgou que não precisava de parceiros desenvolvidos para consolidar o processo de inserção do País no sistema econômico mundial. Em consequência, recusou todas as ofertas de associação comercial com países economicamente interessantes, a começar da Alca, e vinculou-se precariamente às economias ditas “do Sul”, que nada ou quase nada podiam oferecer. Com isso, foram perdidas oportunidades que talvez não se repitam.

O desperdício de recursos com a implantação de embaixadas em países de importância econômica e geopolítica secundária, no entanto, pode ser prontamente estancado. A conveniência de manter representações em Burkina Faso, Dominica, Guiné, Libéria, Mali, Mauritânia e Serra Leoa deverá ser decidida a partir de um amplo estudo aprovado em dezembro pela Comissão de Relações Exteriores do Senado. Esse estudo, elaborado pelo senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) e aprovado pela comissão então presidida pelo agora chanceler Aloysio Nunes (PSDB-SP), faz uma ampla e circunstanciada análise da ação do Itamaraty.

Trata também o estudo da necessidade de reforma das carreiras diplomáticas e da questão da falta de transparência no trato de assuntos relacionados com a política externa. Boa parte dele é dedicada à tentativa de comparar os resultados políticos e econômicos da política externa brasileira antes e depois de 2003 – quando Lula se tornou presidente com a ideia fixa de se tornar um líder mundial.

Afirma o documento que, com a criação de 66 representações diplomáticas a partir de 2003 “houve uma melhoria marginal nos resultados agregados do comércio. Mas a dispersão é muito grande e, de modo global, o investimento nas novas embaixadas possivelmente não cobre os retornos econômicos auferidos pelo Brasil. Os dados não sugerem causalidade entre a presença de embaixada e resultados econômicos”. Em outro ponto, revela o estudo que “o resultado médio agregado do nível de apoio político dos países que receberam novos postos diplomáticos após 2003 (...) não é necessariamente significativo”. Diplomaticamente, os senadores recomendam que o Itamaraty conserte o estrago.

9 comentários:

Anônimo disse...

Os 4 ratos de esgoto acima, delinquentes, quadrilheiros e renomados sanguessugas, empobreceram seus países em que nada funciona e seus povos foram levados para incriveis níveis degradantes, como no Sudão, Haiti etc.
A outrora rica Venezuela, após adoção do obsoleto comunismo, transformou-se num campo de refugiados, e os cidadãos que discordarem são presos, torturados ou mortos - assim funciona todo regime comunista!
Que é a merda Cuba senão um cortiço depois de 60 anos de comunismo?
E a China pedindo penico, com o Ocidente cortando seus investimentos nesse país para não sustentar o comunismo - terá em 2018 e adiante cada menor ainda a taxa de crescimento - esquema adotado por Trump e aliados para desmontarem nalguns anos Dragão Vermelho que tem os pés de barro!
Comunismo funciona bem apenas na teoria, na propaganda e no papel - uma maravilha!

Anônimo disse...

DICIONÁRIO PORTUGUÊS DE EXPRESSÕES

SIGNIFICADO DE “DIREITA XUCRA”:

1) DIREITA QUE AINDA NÃO FOI DOMADA E DOMESTICADA PELO PSDB;

2) DIREITA NÃO COMPROMETIDA COM A DEFESA DE POLÍTICOS E PARTIDOS POLÍTICOS DELATADOS NA LAVA JATO;

3) DIREITA VERDADEIRA, EM CONTRAPOSIÇÃO À FALSA, CONSTITUÍDA POR SOCIALISTAS FABIANOS ENRUSTIDOS;

4) EXPRESSÃO CRIADA POR JORNALISTA DE ESQUERDA, TUCANO, COM O OBJETIVO DE DESQUALIFICAR OPOSITORES, DEPOIS QUE SEUS CORRELIGIONÁRIOS POLÍTICOS PASSARAM A SER ALVOS DE INVESTIGAÇÕES NA LAVA JATO.

Lucas Daniel

Anônimo disse...

Perfeito, Lucas Daniel.

Anônimo disse...

Socialistas(PSDB) E COMUNISTAS(PT etc) são as 2 lãminas da mesma tesoura; ambas cortam juntas, mas separadas; no final se ajuntam para depois retornarem do mesmo jeito!
Conclusão: PSDB=PT e + PCs; PSDB=PT e + PCs...

Anônimo disse...

O comentarista Anônimo das 3:10:00 PM é petista, mas tenta disfarçar com sua FALSA E NOJENTA ISENÇÃO!!! Conheço esse discursinho petista safado, de tentar igualar todo mundo quando são pegos roubando dos pobres deste País!!! É a famosa Equalização Ética!!! Mas não vai colar, petista!!!

Anônimo disse...

Falta agora, a direita xucra dar o troco no PSDBosta não votando em ninguém deste partido. A direita xucra que se presa não vota em PSDBostas.

Anônimo disse...

Ô das 03:47 - acorde, sô, me chamar de peStista?! Comparar o socialista PSDB com o comunista PT é correto, são farinhas do mesmo saco, assim como todos os PCs do Brasil, só que ele ficam disputando entre si, mas são todos iguais, apenas os métodos de chegarem ao comunismo total são diferentes, porém, socialistas e comunistas a mesma canalha!
PSDBosta = PTitica!

Anônimo disse...

Foi pego ROUBANDO OS POBRES, NÃO É, PETISTA?! ENTÃO, PRA DISFARÇAR, TENTA EQUIPARAR OS OUTROS!! VELHA TÁTICA DE CORRUPTOS PEGOS COM A BOCA NA BOTIJA!!! E VÁ À MERD@, PETISTA, ANTES QUE EU ME ESQUEÇA!!! NÃO TENHO MAIS SACO PRA AGUENTAR ASNEIRAS DE PETISTAS SAFOS!!!

Anônimo disse...

DEDICAÇÃO ESPECIAL AO ANON. DE 8:38:00 PM:
"CHAME OS OUTROS DO QUE V É E ACUSE OS OUTROS DO QUE V FAZ" - Lênin.
"Seu" comunistóide peStista disfarçado!