quarta-feira, 5 de abril de 2017

O Estado podre e a Nação emparedada

José Nêumanne, em artigo publicado no Estadão: "o Estado-pântano esforça-se para apodrecer tudo e confirmar a sabedoria popular, segundo a qual uma maçã vencida estraga todas as outras frutas, sãs, de um cesto. E encaminha a Nação para um beco sem saída, cujo muro final só poderá ser ultrapassado pela Constituinte independente, sem nenhum mandatário atual entre seus membros, como sugere o professor Modesto Carvalhosa":


“Há algo de podre

no reino da Dinamarca”

W. Shakespeare (‘Hamlet’)

O estágio de decomposição moral vivido no Brasil oficial hoje resulta de muitos anos – o correto seria dizer séculos – de completa devassidão e absoluta impunidade gozadas por nossas elites dirigentes política e econômica. No entanto, chegamos agora a um ponto, inusitado em nossa História, em que o cinismo ultrapassou todos os limites da decência e da normalidade. A dimensão do rombo na economia pode ser imaginada após a leitura da chamada de primeira página do Estado de anteontem, Ações da Lava Jato pedem R$ 70 bilhões de indenização, ou seja, cerca de metade do déficit previsto para o Orçamento da República este ano.

Parlamentares, membros do Executivo, dirigentes partidários do governo e da oposição e agora fiscais da atuação destes no Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro foram pilhados cobrando propinas de empresas que prestam serviços a estatais, em troca do atendimento a suas reivindicações e seus interesses. E lhes propiciaram lucros exorbitantes em obras não executadas ou mal realizadas. O noticiário acompanha dia a dia o esvaziamento metódico e solerte de todos os cofres do erário, tudo feito com a maior desfaçatez.

O novo caso revela o extremo desse desplante. Parlamentares permitiam que empresas fizessem leis a seu talante e governantes lhes abriam os cofres para que deles fizessem o que bem pretendessem. E pelo menos uma das “cortes” que deveriam auditar as contas de um Estado também foi calada por propinas. Pode-se afirmar que nunca antes na História deste país (e quiçá do inteiro gênero humano) foi praticado o que se executou nestes 14 anos: um assalto de enormes proporções sem que nenhuma providência prática tenha sido adotada para pôr fim a tanta bandalheira. E embora não seja possível conviver mais com isso, é difícil imaginar como pode ser feito, pois o Estado, em franco apodrecimento, emparedou a Nação para impedir que esta aja.

Neste pântano em que o Brasil oficial afundou o País real, a constatação ganha ares (melhor dizer miasmas) de rigidez cadavérica pelo fato de que os três Poderes republicanos agem para acobertar os criminosos, impedindo que eles sejam devidamente processados e punidos, na medida em que possam fazê-lo. É bem verdade que não vige mais entre nós o preceito que destina só aos três pês – prostitutas, pobres e pretos – o inferno prisional. Nas masmorras da “república de Curitiba” o príncipe dos empreiteiros brasileiros, da fina-flor do empresariado, Marcelo Odebrecht, cumpre dolorosa pena. E outros tiveram de apelar para a delação premiada a fim de evitar o mesmo destino. Essa, contudo, não é a regra.

Neste momento, urge dar outro passo histórico. Um dos beneficiários do clube dos acobertados pelo manto da impunidade garantida vem de ser condenado a 15 anos e 4 meses de prisão pelo juiz Sergio Moro, o principal responsável pela revolução presente. Ex-presidente da Câmara dos Deputados e principal responsável pela abertura do processo do impeachment – mais que indispensável, necessário – da petista Dilma Rousseff, Eduardo Cunha recorreu ao cinismo, à truculência e, sobretudo, a chicanas jurídicas e regimentais do Parlamento para se livrar das penas da lei. Mas terminou sendo investigado, preso, processado e condenado pelos rigores da primeira instância, deixando de se valer da tolerância máxima permitida pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

No momento em que isso ocorre, contudo, mais de uma centena de seus colegas de poder partidário usufruem a benesse do sigilo, sob o qual reina a impunidade garantida pela benemerência do relator da Lava Jato na Corte, Luiz Edson Fachin. Entre tais privilegiados está o presidente nacional do PSDB, Aécio Neves, que execra a “delação seletiva” de que foi vítima e clama pela divulgação, da qual não escapará.

O cidadão sem foro exige saber quais são os gatunos que dilapidam o patrimônio coletivo para manter poder e fortuna. Pois esse tempo é empregado “noturna e diuturnamente” (sic), como diria dona Dilma, por eles mesmos para tornar legais os próprios delitos.

O senador Roberto Requião (PMDB-PR), criador impune do falso pistoleiro Ferreirinha, protagonista da fraude eleitoral que o alçou ao governo de seu Estado, relata um projeto dito de abuso de autoridade, mas que deveria ser chamado de garantia da impunidade. O deputado Vicente Cândido (PT-SP) prepara uma lei mais sórdida, pois tira completamente do cidadão o direito de escolher os próprios representantes no sistema (já em si defeituoso) proporcional vigente no Brasil. A lista fechada, sonho de consumo de dirigentes de partidos, pois abole a consulta ao eleitor, isolaria mais a sociedade do Poder que finge representá-la. Na Venezuela, esse sistema espúrio levou a Hugo Chávez e a Nicolás Maduro, que ora golpeia a democracia usando títeres no Judiciário. Tem sido vã a insistência em aprovar uma lei em que os coleguinhas políticos que tungaram o Fisco se anistiam e jogam no lixo da História o princípio da igualdade de todos perante a lei, já que a sonegação de impostos continuaria sendo vedada a empresários, mas permitida apenas para políticos. Só que, com a Nação emparedada e desmobilizada, a autoanistia é pule de dez no Congresso de malandros com mandato.

O Estado-pântano esforça-se para apodrecer tudo e confirmar a sabedoria popular, segundo a qual uma maçã vencida estraga todas as outras frutas, sãs, de um cesto. E encaminha a Nação para um beco sem saída, cujo muro final só poderá ser ultrapassado pela Constituinte independente, sem nenhum mandatário atual entre seus membros, como sugere o professor Modesto Carvalhosa. De preferência adotando performance bonds, que os ianques usam para impedir que empreiteiros de obras, políticos e burocratas corruptos se comuniquem. O resto é palha.

6 comentários:

Paulo disse...

Tudo isso na cara dos ¨bravos¨ bananeiros torcedores de futebol. Também quem não iria pintar com a cara, fazer de bobo, montar nas costas, passar para trás, desrespeitar, etc um povinho onde a maioria acha que ¨artilheiro¨ é quem faz muitos gols e que armas fazem dodói.

Anônimo disse...

A tragédia que foi o fim do Regime Militar do Brasil
2 de abril de 2017
*DISCURSO DO GENERAL PAULO CHAGAS.*
*Liberdade para quê?* *Liberdade para quem?*
*Liberdade para roubar, matar, corromper, mentir, enganar, traficar e viciar?*
*Liberdade para ladrões, assassinos, corruptos e corruptores, para mentirosos, traficantes, viciados e hipócritas?*
*Falam de uma “noite” que durou 21 anos, enquanto fecham os olhos para a baderna, a roubalheira e o desmando que, à luz do dia, já dura 26!*
*Fala-se muito em liberdade!*
*Liberdade que se vê de dentro de casa, por detrás das grades de segurança, de dentro de carros blindados e dos vidros fumê!*
*Mas, afinal, o que se vê?*
*Vê-se tiroteios,* *incompetência, corrupção, quadrilhas e*
*quadrilheiros, guerra de gangues e traficantes,* *Polícia Pacificadora, Exército nos morros, negociação com bandidos, violência e muita hipocrisia.*
*Olhando mais adiante, enxergamos assaltos, estupros, pedófilos, professores desmoralizados, ameaçados e mortos, vemos “bullying”, conivência e mentiras, vemos crianças que matam, crianças drogadas, crianças famintas, crianças armadas, crianças arrastadas, crianças assassinadas.*
*Da janela dos apartamentos e nas telas das televisões vemos arrastões, bloqueios de ruas e estradas, terras invadidas, favelas atacadas, policiais bandidos e assaltos a mão armada.*
*Vivemos em uma terra sem lei, assistimos a massacres, chacinas e seqüestros. Uma terra em que a família não é valor, onde menores são explorados e violados por pais, parentes, amigos, patrícios e estrangeiros.*
*Mas, afinal, onde é que nós vivemos?*
*Vivemos no país da impunidade onde o crime compensa e o criminoso é conhecido, reconhecido, recompensado, indenizado e transformado em herói!* *Onde bandidos de todos os colarinhos fazem leis para si, organizam “mensalões” e vendem sentenças!*
*Nesta terra, a propriedade alheia, a qualquer hora e em qualquer lugar, é tomada de seus donos, os bancos são assaltados e os caixas explodidos. É aqui, na terra da “liberdade”, que encontramos a “cracolândia” e a “robauto”, “dominadas” e vigiadas pela polícia!*
*Vivemos no país da censura velada, do “microndas”, dos toques de recolher, da lei do silêncio e da convivência pacífica do contraventor com o homem da lei. País onde bandidos comandam o crime e a vida de dentro das prisões, onde fazendas são invadidas, lavouras destruídas e o gado dizimado, sem contar quando destroem pesquisas cientificas de anos, irrecuperáveis!*
*Mas, afinal, de quem é a liberdade que se vê?*
*Nossa, que somos prisioneiros do medo e reféns da impunidade ou da bandidagem organizada e institucionalizada que a controla?*
*Afinal, aqueles da escuridão eram “anos de chumbo” ou anos de paz?*
*E estes em que vivemos, são anos de liberdade ou de compensação do crime, do desmando e da desordem?*
*Quanta falsidade, quanta mentira, quanta canalhice ainda teremos que suportar, sentir e sofrer, até que a indignação nos traga de volta a vergonha, a autoestima e a própria dignidade?*
*Quando será que nós, homens e mulheres de bem, traremos de volta a nossa liberdade?*

*Paulo Chagas é General da Reserva do Exército do Brasil.*

*Após a leitura, não deixe de repassar. É o retrato do Brasil.*

Publicado em 00 ÚLTIMO ANO DE LULA 2010

Unknown disse...

O cenário político-social é deveras preocupante, assustador mesmo. Seguimos célere para um grande desastre de proporções imagináveis. E pior, ñ há nenhum sinal de que todas as manobras dos três poderes para manietar e "emparedar" como bem definiu o articulista o povo e o país em uma ditadura nos moldes da Venezuela.Os bandidos que detêm o poder estào firmes no propósito de nos jogar no mais profundo e sinistro tempo que já vivenciamos em nossa triste história de república fracassada sem resgate e sem futuro.

Unknown disse...

...em uma ditadura nos moldes da Venezuela sejam detidas.

Anônimo disse...

Artur Nogueira diz:
O cenário político-economico-social e moral realmente é assustador. Herança das políticas implementadas pelos populistas aventureiros e esquerdistas que, nos últimos 20 anos , mentiram, manipularam, enganaram o povo com promessas irrealizáveis. Aonde esteve a oposição (se é que existe) durante todo esse tempo?? Lendo um artigo de janeiro de 2014, de autoria do Prof. Paulo Roberto de Almeida - “ A degeneração, para os neófitos”., encontramos algumas respostas.
Como ele diz..” não tenho nenhuma ilusão de que quaisquer propostas que eu possa ter venham a ser implementadas, não que elas sejam exatamente utópicas, mas porque o Brasil carece de estadistas que possam liderar um processo de reformas que julgo necessário e até indispensável se quisermos inverter a nossa trajetória atual de decadência e de retrocesso....”

Anônimo disse...

Sim, o poder apodreceu de norte a sul do país. Logo, como não compactuo com sistemas falidos e fraudáveis bem como não compactuo com governos corruptos e incompetentes, em 2018 comparecerei às urnas por "obrigação", por "imposição" e por "uma falsa democracia". Contudo, e por obrigação moral, anularei todos os meus votos, sejam quais forem os candidatos ou partidos. Foda-se Pindorama, você quer sugar até a alma de seus filhos. Um dia haverá reação contra a canalha do poder e a terra beberá o sangue dos inocentes.

Índio/SP