sexta-feira, 28 de abril de 2017

População desempregada atinge recorde: 14,2 milhões.

Enquanto os privilegiados pelegos do lulopetismo promovem arruaças país afora, mais de 14 milhões de brasileiros procuram emprego. Estes não estão em greve:


A taxa de desocupação no Brasil ficou em 13,7% no trimestre encerrado em março de 2017, de acordo com os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgados nesta sexta-feira, 28, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com isso, a população desempregada atingiu o recorde de 14,2 milhões de pessoas.

RIO - A taxa de desocupação no Brasil ficou em 13,7% no trimestre encerrado em março de 2017, de acordo com os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgados nesta sexta-feira, 28, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com isso, a população desempregada atingiu o recorde de 14,2 milhões de pessoas.

O resultado ficou igual à mediana (13,70%) e, portanto, dentro das expectativas dos analistas ouvidos pelo Projeções Broadcast, que estimavam uma taxa de desemprego entre 13,20% e 14,10%.

Em igual período de 2016, a taxa de desemprego medida pela Pnad Contínua estava em 10,9%. No trimestre encerrado em fevereiro de 2017, o resultado ficou em 13,2%.

A renda média real do trabalhador foi de R$ 2.110,00 no trimestre até março. O resultado ficou estável em relação ao mesmo período do ano anterior.

A massa de renda real habitual paga aos ocupados somou R$ 182,9 bilhões no trimestre até março, também estável ante igual período do ano anterior.

Desde janeiro de 2014, o IBGE passou a divulgar a taxa de desocupação em bases trimestrais para todo o território nacional. A pesquisa substituiu a Pesquisa Mensal de Emprego (PME), que abrangia apenas as seis principais regiões metropolitanas, e também a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) anual, que produzia informações referentes somente ao mês de setembro de cada ano.(Estadão).

4 comentários:

Anônimo disse...

"Enquanto os privilegiados pelegos do lulopetismo promovem arruaças..."
Se o 1° de maio eh o dia do trabalhador,
hoje podemos declarar o dia da vagabundice e da barbarie.
Nos somos um pais democrático e eles merecem ter um dia no seu nome.
*
Alias, que desastre está virando o Brasil.

Anônimo disse...

ALÔ, IMPOSTO SINDICAL!
V FOI O CULPADO DESSA GREVE, CERTO?
ERRADO! Foi a gana pela grana dos sindicatos por perderem essa bocada, as tetas!
Se os malandros do PT estivessem no desgoverno já teria passado de 20% de desempregados!
E culparia as oposições de não deixarem eles "trabalhar", como é o "normal" desses malucos, desequilibrados mentais, uns tarados!
Bem feito, um fracasso a greve; ainda tomaram um dia de trabalho dos empregados e patrões, impedindo produzirem!
Se os sindicaleiros prestassem, fariam essa greve num dia feriado ou domingo, mas ainda fuderam os que queriam trabalhar!
Não fazem nada e atrapalham quem quer fazer!

Anônimo disse...

OS COMUNISTAS QUEBRARAM O FOCINHOS! Que fiasco essa greve, gente; pensaram que teriam adesão do povo, porém, parou de cair nas conversas e propagandas do PT e de sua capacha, a CUT, a mesma merda, que por causa de não mais obrigatoriedade do imposto sindical, apenas isse, pôs vãndalos nas ruas destruindo o patrimonio público!
Em 2018 mais uma derrocada geral do PT e doutros anarquistas e quadrilheiros das esquerdas, comunistas, uns estúpidos!

lgn disse...

Ninguém poderá contestar o sucesso da greve. Quatorze milhões e duzentos mil estiveram paralisados nesse dia. É bem verdade que nos outros dias também. Mas é justo contar que, pelos menos esse número fabuloso, prestigiou a greve. Espontaneamente.