sexta-feira, 19 de maio de 2017

A limpeza dos porões precede o parto de uma República de verdade

O Brasil tem jeito, sim, escreve Augusto Nunes. A crise é sempre renovadora, pelo menos na política. Vamos enterrar a República lulopetista, carcomida, corrupta, que amarra o país na gatunagem a céu aberto e no mais repulsivo cinismo:


Em 1954, o suicídio físico de Getúlio Vargas fez com que o presidente morto continuasse politicamente vivo por pelo menos mais dez anos, ao longo dos quais seguiu influenciando fortemente a vida pública brasileira. Neste outono de 2017, o suicídio moral de Michel Temer e Aécio Neves, consumado pela divulgação das conversas com os comparsas Joesley e Wesley Batista, reduziu a zumbis da política o ainda presidente da República e o já ex-presidente do PSDB.

Graças a cenas de cafajestagem explícita protagonizadas em companhia dos donos da JBS — dois açougueiros especializados no esquartejamento da lei —, Temer e Aécio logo estarão arrastando correntes nos porões onde gemem ou uivam Lula e seus quadrilheiros.

É sempre chocante a contemplação da face escura de gente que governou, por pouco não governou ou ainda governa a Nação. Mas quem não tem bandidos de estimação também não tem motivos para acreditar que o Brasil não tem jeito. O que está morrendo é o Brasil da roubalheira impune, da gatunagem a céu aberto, do cinismo repulsivo — essa abjeção que Lula concebeu, o PT e seus asseclas alugados amamentaram, e que teria durado muitos e muitos anos se não tivesse a existência abreviada pela Lava Jato.

A República está acabando?, perguntam-se neste momento milhões de brasileiros indignados com tanta ladroagem. Resposta certa: está nascendo uma República que merece este nome. É verdade que as dores do parto poderiam ser menos agudas, mas não tenham dúvida: a República surgida desta grande crise será muito mais robusta e saudável do que a velharia a caminho do jazigo.

Como no Brasil arrasado por 13 anos de hegemonia lulopetista até tragédias têm seu lado divertido, é impossível não gargalhar diante da reação dos devotos de Lula à divulgação das conversas produzidas pelos irmãos Batista. A seita agora acredita em revelações feitas por delatores premiados e, quem diria?, nas denúncias veiculadas pela imprensa. O rebanho de fiéis vai mudar de ideia de novo quando Joesley e Wesley contarem tudo o que fizeram em parceria com o chefão do maior esquema corrupto de todos os tempos.(Veja.com).

2 comentários:

Anônimo disse...

Com certeza o rebanho de fiéis do partido trambique vai mudar de novo de ideia. Afinal, eles não têm ideias próprias, vivem das ideias daqueles que os manipulam. Acabem já com essa bandidagem, os brasileiros de bem não estão aguentando mais tantos filhos de puta cagando em cima da nação.

Índio/SP

Anônimo disse...

Já estaria rolando por aí que o advogado de Temer, Antônio Mariz de Oliveira teria "informações seguras" sobre a existência de adulterações e montagens no áudio da conversa entre Michel Temer e Joesley Batista!
Aquela quantidade de arranhados das respostas de Temer estão muito estranhos, não estão bem evidentes e pareceriam montados!