quarta-feira, 17 de maio de 2017

De Curitiba a Brasília

Coluna de Carlos Brickmann, publicada hoje em vários jornais do país:


A sentença de Lula deve ser anunciada até o início de julho, se o juiz Sérgio Moro mantiver seu rápido ritmo de decisão. Caso seja condenado, Lula irá recorrer ao Tribunal Regional Federal de Porto Alegre, que costuma decidir em um ano. Se condenado, Lula irá para a cadeia? Talvez não: um condenado em segunda instância pode ser preso, mas isso não é obrigatório. A Justiça pode aplicar a pena só após o trânsito em julgado, no Superior Tribunal de Justiça. Aliás, isso não tem muita importância. Ninguém, exceto os mais ferozes inimigos do PT (e boa parte da opinião pública), quer ver Lula em Curitiba. O que não se quer é vê-lo em Brasília.

O nome do jogo é outro: se Lula conseguirá ou não ser candidato à Presidência da República. Condenado em segunda instância, não poderá concorrer. Mas a condenação, para evitar que ele apareça como vítima, deve ocorrer antes que se inicie o prazo legal para registro de candidaturas, em agosto de 2018. Os prazos, portanto, são a chave da história.

Se Lula for candidato, terá dificuldades para se eleger. Lidera com folga as pesquisas de opinião, mas não o suficiente para ganhar no primeiro turno. E metade do eleitorado o rejeita, o que pode ser decisivo num eventual segundo turno. Mas quem conseguiu eleger até Dilma e Haddad pode dar a vitória a um candidato mais competitivo – ele mesmo. Pelo sim, pelo não, os adversários de Lula preferem que ele fique longe das urnas.

O abecedário petista

Se Lula não for candidato, quem sairá pelo PT? O partido nega que esteja pensando nisso. Mas tenta um Plano B, sim: o nome mais citado, por incrível que pareça, é o de Fernando Haddad, que deixou a Prefeitura paulistana com rejeição recorde e não conseguiu a reeleição. Há quem sugira o ex-governador baiano Jaques Wagner, houve quem pensasse no governador mineiro Fernando Pimentel. Mas Wagner tem ampla troca de mensagens com Leo Pinheiro, então presidente da OAS, sobre liberação de pagamentos; e Fernando Pimentel é alvo de delações premiadas.

O abecedário tucano

O PSDB, que desde o fim dos mandatos de Fernando Henrique manteve três candidatos à Presidência da República, uns abandonando os outros e sendo alternadamente surrados nas eleições, enfim pensa num Plano B: sem Aécio, nome constante de delações premiadas, e sem Serra, também delatado e com problemas de coluna (que, segundo disse, o levaram a renunciar ao Itamaraty), dos TCS (Três Candidatos de Sempre) só restou Geraldo Alckmin.

Mas Alckmin não desperta grandes entusiasmos desde que, nas eleições de 2006, teve menos votos no segundo turno do que no primeiro. O Plano B dos tucanos é João Doria Jr., que vem tendo forte aprovação popular como prefeito de São Paulo. Doria foi lançado por Alckmin para disputar a Prefeitura, e já disse muitas vezes que Alckmin é seu nome para a Presidência. Mas, se continuar crescendo, pode ser candidato. Doria não tem esquema montado no partido, porém já disse que o melhor candidato para os tucanos é o que tiver melhores condições de vencer. Em política, o cheiro da vitória é o mais atraente que existe.

O abecedário dos outros

Tirando PT e PSDB, nenhum partido mostrou musculatura suficiente para disputar bem a Presidência. O PMDB é forte, mas não tem candidato (e Michel Temer, hoje com baixa popularidade, dificilmente se arriscaria a sair). Ciro Gomes sonha com a candidatura, pelo seu PDT, ou algum outro; Jair Bolsonaro quer ser candidato pelo PSC (embora brigado com a cúpula partidária). Há candidatos nanicos, como sempre. Há outras possibilidades, mas só nos sonhos de alguma legenda, sem nada articulado, como Sérgio Moro, Joaquim Barboza, ministra Carmen Lúcia ou Luciano Huck.

Firmes…

Um fator novo é a cada vez mais possível delação de Antônio Palocci. Palocci é gente de dentro; conhece hábitos, costumes, manias, vícios do pessoal do PT, do Governo e dos aliados; sabe quem doou e quem levou, como o dinheiro foi ganho e foi gasto. Mônica Moura e João Santana, os marqueteiros de Lula e Dilma, íntimos dos hábitos eleitorais do Planalto, fizeram delações devastadoras. Palocci, além de íntimo, foi coordenador de campanha, foi ministro da Fazenda, foi a conexão entre o PT e os grandes empresários.
Ele sabe o que todos fizeram no verão passado.

…como geleia

E tudo depende, enfim, de investigações e de decisões judiciais. Nos dias 6, 7 e 8 de junho, o Tribunal Superior Eleitoral decide se cassa ou não o registro da chapa Dilma-Temer por abuso de poder político e econômico nas eleições de 2014. Se o registro for cassado, Temer perde o cargo e o Congresso elege quem completará seu mandato.

Quem? O TSE levará em conta que o Congresso está cheio de parlamentares sob investigação? (Via Chumbo Gordo).

3 comentários:

Anônimo disse...

Se o PSDB entrar na corrida à presidencia será surrado, mesmo com Doria, que aprovou a imigração de muçulmanos no Brasil, favorecendo os delinquentes de todos os naipes ENTRANDO AQUI!
O PSDBarango é a outra lãmina da mesma tesoura, quer do PT ou de qualquer outro partido comunista, portanto conspirador contra o povo e a favor de todos tipos de bandidagens e anarquistas!
Só de FHC ter salvo Lula do impeachment do mensalão de 2006, mostra que partideco mau caráter é esse!
PSDB, PT, PC do B, PSOL, PSTU, Rede etc. - as mesmas imundicies, partidos redes-de esgoto!

AHT disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
AHT disse...

A FICÇÃO ANTECEDE A REALIDADE?

Os ditos populares são frutos resultantes de observações e experiências acumuladas no decorrer da história da humanidade, por exemplo,

- A esperança é a última que morre.
- O povo unido jamais será vencido!
- A Justiça tarda mas não falha.

Dito isso, eis uma história de ficção brasileira:

JUSTIÇA, AQUI E LÁ

Ontem, 10 de fevereiro de 2.020, data que o ex-partido PT completaria 40 anos de fundação, o ex-presidente Lula partiu desta vida e tentou se hospedar definitivamente lá na Estância do São Pedro. Ao chegar lá, Lula sentiu a sua maior e última decepção: São Pedro, sem dizer uma única palavra, barrou a sua entrada no Céu.

Inconformado e já colérico pelo tratamento recebido, Lula contestou e tentou passar para as mãos de São Pedro a montanha de papel em sua defesa, elaborada pelos seus advogados no desespero de ganhar na bicaria o Juiz Moro, e negando tudo do que fora acusado e provado pelo Ministério Público.

São Pedro sem mais delongas, sentenciou:

- Lula, aqui você não entrará. Essa papelada terrena em sua defesa não prova nada, seu..." – e, elevando a voz, concluiu,

- Leve toda essa papelada para ser queimada e afaga-lo no inferno!

Celso Daniel e Toninho do PT ao assistirem aquela transmissão online da TV Celestial, no aparelho instalado no Purgatório, se entreolharam e discretamente sorriram e fizeram um sinal de "positivo" diante da Justiça finalmente feita.

AHT - 17/05/2017