segunda-feira, 22 de maio de 2017

Esleylândia do crime: um golpe de mestre contra os brasileiros.

Editorial do Estadão vai ao ponto: "para os irmãos Batista, que moram em Nova York e cujos negócios estão, em sua maior parte, no exterior, pouco importa o caos que sua irresponsabilidade criminosa ajudou a criar no Brasil":


O Brasil está sofrendo prejuízos incalculáveis com as delações dos donos da JBS. Mas houve quem saísse no lucro – em especial os próprios delatores. E que lucro.

O acordo para a delação premiada dos irmãos Joesley e Wesley Batista, fechado com o Ministério Público Federal, prevê imunidade completa para os dois. Eles não passarão um minuto sequer na cadeia nem terão de usar tornozeleira eletrônica, podendo deslocar-se pelo mundo como bem entenderem, inclusive com residência fora do País. Tampouco serão obrigados a deixar o comando da JBS. A única punição para os Batistas será o pagamento de uma multa, além da entrega dos negócios ilegais da JBS.

Foi um negócio da China. A ser verdade o que relataram aos procuradores, os Batistas cometeram diversos crimes. Na gravação que chegou ao conhecimento do público e que está no centro da crise enfrentada pelo governo de Michel Temer, Joesley comenta com o presidente que comprou políticos e até um procurador da República para obter informações sobre investigações contra a JBS. Em outros anexos, o empresário relata como corrompeu dúzias de parlamentares, servidores públicos e partidos.

Tudo isso deveria ser suficiente para condenar os irmãos Batista a uma longa temporada na cadeia e a JBS a perdas proporcionais aos estragos que causou, a exemplo do que está acontecendo com Marcelo Odebrecht e a empreiteira que leva seu sobrenome. Mas, por razões que somente a Procuradoria-Geral da República será capaz de explicar, nada disso vai acontecer.

Para quitarem a multa e saírem livres, os irmãos Batista poderão recorrer aos estonteantes ganhos que certamente obtiveram ao comprar entre US$ 750 milhões e US$ 1 bilhão no mercado de câmbio antes da divulgação das primeiras informações comprometedoras sobre Michel Temer. Enquanto a notícia sobre o presidente circulava e causava estragos, o dólar subia quase 8,5%. Fazendo-se as contas, os donos da JBS, que tinham a informação privilegiada sobre a delação que eles mesmos fizeram, podem ter embolsado mais de R$ 260 milhões.

Mas não foi só isso. Em abril, quando já haviam negociado a delação, os irmãos Batista, decerto cientes de que o escândalo faria despencar as ações da JBS, venderam R$ 329 milhões em papéis à espera da divulgação do depoimento. A Comissão de Valores Mobiliários, é claro, abriu investigação.

Não foi apenas esse tino para os negócios que construiu o império dos irmãos Batista. Eles contaram com o farto financiamento do BNDES nos governos petistas – foram mais de R$ 10 bilhões em operações prejudiciais ao banco, que acabou se tornando sócio da JBS. Nenhum grupo empresarial foi tão beneficiado – em troca, agora se sabe, de propinas pagas à fina flor do condomínio que se instalou no poder com o PT. 

Depois de tudo isso, para coroar a desfaçatez, Joesley Batista divulgou uma nota em que pede “desculpas” por ter recorrido a “pagamentos indevidos a agentes públicos”. Afirmou ainda que, em razão de seu “espírito empreendedor” e de sua “imensa vontade de realizar”, teve de se submeter a um sistema que “cria dificuldades para vender facilidades”. Segundo informou o empresário, cujos negócios cresceram astronomicamente à base de dinheiro público e corrupção, “em outros países, fora do Brasil, fomos capazes de expandir nossos negócios sem transgredir valores éticos”. Agora, ele assume o “compromisso público” de ser “intolerante e intransigente com a corrupção”. Esses termos, que aparecem com palavras equivalentes em outros documentos de igual efeito, têm uma única e suspeita inspiração, indissociável de órgão público cujos membros insistem em que as instituições nacionais estão podres, exceto a que os abriga.

Para saírem impunes e salvarem suas empresas, os irmãos Batista sabiam que tinham de entregar ao Ministério Público o prêmio mais cobiçado – a possibilidade de destruição integral do mundo político, tão desejada pelos procuradores. Para os irmãos Batista, que moram em Nova York e cujos negócios estão, em sua maior parte, no exterior, pouco importa o caos que sua irresponsabilidade criminosa ajudou a criar no Brasil. Para os que aqui ficam, resta a duríssima tarefa de proteger as instituições democráticas dos muitos aventureiros que nessas horas sempre se oferecem para salvar a pátria.

6 comentários:

Anônimo disse...

Esse cara dá rasteira em cobra e nó em goteira - mas não deu o golpe sozinho, né?...
A nossa atriz Oleo de Peroba Dilma: "olha o que fizeram com o Brasil, estou preocupada com a crise"!
V está boa, Dilma, super amadurecida é para uma pornochancada
Ou a sua preocupação foi porque o golpe fracassou e dessa vez o Wesley saiu da me$ada, meno$ um?

"Política sem medo" disse...

Pois e, Anonimo, ela so esqueceu de dizer que so desses caipiras ela recebeu uma bolada de 75 MILHOES de reais, depositados la fora. A dupla caipira chega ao cumulo de pedir desculpas pela sua canalhice e ao mesmo tempo vende letras de Cambio de sua empresa usando de uma informacao privilegiada na Bolsa de valores recebendo de uma so vez mais de um BILHAO de reais. Desse jeito qualquer brasileiro pode ficar rico!
No inicio do governo de Lula eles eram apenas caipiras e quando o "Nine Fingers" assumiu imediatamente viu nesses dois criminosos a chance de ganhar mais uns trocados (BILHOES) porque tambem e tao ambicioso quanto. Entao esse molusco passou a doar dinheiro, emprestar a juros baixissimos do BNDES, tao descaradamente que deu nisso que voces estao vendo agora e que com um STF nomeado por ladroes, a caipirada saiu ilesa, livre e solta para desfrutar a vida em Nova York onde poderao gastar a vontade porque Joesley mesmo disse que eles so roubaram o povo brasileiro porque em todos os paises que eles tem negocios, jamais praticariam o que fizeram no Brasil. No exterior eles nao farao crimes porque teriam prisao perpetua. Espertinhos!

shamijacobus disse...

QUO VADIS
Alô Professor.
Para quem gosta de números.
Temos alguns aqui..:

https://www.slideshare.net/arykara7002/irpf-2017-base-2016-do-socio-da-blessed-jbs-swift-Friboi

desculpem a caligrafia.. kkkkk

eu não guento

lucia disse...

essa dupla de bandidos roubou nosso dinheiro com o aval do lula, e dividiu com o lula, a iolanda, o Aécio..... Temer.....

Cadeia em primeiro lugar para o chefão da quadrilha: LULA

Cadeia para LULA, LULA, DILMA......

César de Castro Silva disse...

Os irmãos Batista cometeram muito mais crimes do que Marcelo Odebretch, que foi condenado e preso, mas eles entregaram dois diamantes negros que o PGF garimpava há muito tempo, que foram as gravações das conversas comprometendo Aécio e Temer, por isso receberam um prêmio fabuloso e ainda sairam ganhando milhões de reais com suas manobras, ou seja, no Brasil o crime compensa mesmo.

O que eu não entendi foi o afastamento meteórico de Aécio, que foi acusado de receber dos Batista míseros 2 milhões de reais, enquanto os mesmos Batista informaram que deram 150 milhões de dólares a Lula e Dilma, depositados em contas no Exterior, e o STF deixa os dois flanando por aí e fazendo campanha eleitoral fora de época.

Eu s´queria entender!!!!!!!

Anônimo disse...

O objetivo da gravação de Temer e Aécio era um só: FUGIR DO JUIZ MORO!!! Eles sabiam que JANOT É BUNDÃO, FÁCIL DE ENROLAR COM QUALQUER MERDA!! E FAQUIM...BEM, FAQUIM...BEM, DEIXA PRÁ LÁ!! O CABRA CHEGOU A FAZER CAMPANHA PRA ESTÚPIDA IOLANDA/DIRMA!!!