quarta-feira, 17 de maio de 2017

Justiça rejeita outra patranha de Lula contra procuradores da Lava-jato

Outra tentativa dos advogados do tiranete de protelar o processo e prejudicar Sérgio Moro melou: o TRF4 rejeitou analisar o habeas corpus impetrado por Lula, que arguiu suspeição dos procuradores da República. Esse não se emenda mesmo:


A 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) rejeitou analisar o habeas corpus impetrado pela defesa do ex-presidente Lula contra os procuradores da Lava-Jato.

A medida pedia a suspeição dos Procuradores da República integrantes da força-tarefa.

Segundo os desembargadores, a utilização do habeas corpus para pedir a suspeição de membros do Ministério Público Federal (MPF) é incabível. E não é um instrumento previsto no Código Penal.

O advogado Cristiano Zanin Martins pedia a suspeição dos procuradores. Ele afirmou que há prévia inimizade com o ex-presidente.

E apontou suposta ilegalidade da atuação ao realizar entrevista coletiva em que Lula figurava em gráfico do Power Point como chefe da organização criminosa investigada na Operação Lava-Jato.

Para Zanin, seu cliente teria sido apresentado como criminoso antes de qualquer julgamento.

Na mesma sessão de julgamento, a 8ª Turma também rejeitou um segundo habeas corpus impetrado pela defesa do ex-presidente.

Desta vez, contra a decisão da 13ª Vara Federal de Curitiba que indeferiu a produção de novas provas requeridas pelo advogado de Lula.

Para o colegiado, não há ilegalidade flagrante que autorize o uso excepcional do habeas corpus pela defesa para interferir na instrução do processo.

Zanin alegou que há cerceamento de defesa e constrangimento ilegal na negativa pelo juiz Sérgio Moro de produção de novas provas.

A defesa requeria liminar autorizando confecção de prova pericial multidisciplinar e prova pericial econômico-financeira.

Na primeira, queria identificar se houve desvio de recursos em relação aos três contratos indicados na denúncia e quem seriam os beneficiários dos recursos desviados, bem como se houve algum tipo de repasse em favor do ex-presidente.

Na segunda prova, pretendia apurar se a OAS utilizou diretamente os recursos oriundos desses mesmos contratos. (Radar on-line, Veja).

3 comentários:

Anônimo disse...

"Ele afirmou que há prévia inimizade com o ex-presidente."
Seria como que meu filho não estuda para a prova, tira um ZERO, e depois culpamos o professor por discriminação, perseguição, etc., etc., etc.

César de Castro Silva disse...

Quando um jogador de futebol faz cera para se beneficia o juiz da partida aplica-lhe cartão amarelo, portanto a justiça tem de advertir esses advogados sobre pedidos meramente procrastinatórios.

Anônimo disse...

Lula é um traste peçonhento, como uma serpente, ou ela mesma, sempre quer sobreviver a qualquer crise que ele mesmo provoque, passar em cima do que for, sem exceção e colocar todos a seus pés, como se fosse um deus!
Tadinho dele, tá possesso?