quinta-feira, 11 de maio de 2017

Marqueteiro enterra Lula, o chefão do esquema criminoso.

A delação do marqueteiro João Santana, que fez as campanhas de Lula e Dilma, foi liberada pelo ministro Fachin, e o que se vê até agora já é suficiente para cobrir Lula com a última pá de cal. Não escapará de uma longa condenação e será conhecido na história como a figura pública mais corrupta do país:


Em anexo de delação premiada, o marqueteiro João Santana informou ao Ministério Público Federal que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a ex-presidente Dilma Rousseff tinham ciência de pagamentos oficiais e de caixa 2 feitos como contraprestação aos serviços prestados em campanhas eleitorais. De acordo com ele, falou diversas vezes com Lula e Dilma quando necessitava fazer cobranças. “Nestas oportunidades, tanto Lula como Dilma se comprometeram a resolver o impasse e, de fato, os pagamentos voltavam a ocorrer. Tanto os pagamentos oficiais, quanto os recebimentos de valores através de caixa 2”, informa o marqueteiro no seu anexo de delação premiada.

No depoimento aos investigadores, Santana fala da relação da Odebrecht no pagamento das dívidas de campanha e diz que Dilma e Lula sabiam que a conta seria paga com recursos de caixa dois da empreiteira baiana.

Ele narra ainda que o então ministro da Fazenda, Antônio Palocci, dizia que decisões definitivas sobre pagamentos dependiam da “palavra final do chefe”, em referência a Lula. Em dois momentos da campanha à reeleição de Lula, Santana diz ter ameaçado interromper os trabalhos em razão de inadimplência. Depois disso, o petista pressionou Palocci que “colocou a empresa Odebrecht no circuito”, segundo o anexo da delação.

Em anexo de delação premiada, o marqueteiro João Santana informou ao Ministério Público Federal que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a ex-presidente Dilma Rousseff tinham ciência de pagamentos oficiais e de caixa 2 feitos como contraprestação aos serviços prestados em campanhas eleitorais. De acordo com ele, falou diversas vezes com Lula e Dilma quando necessitava fazer cobranças. “Nestas oportunidades, tanto Lula como Dilma se comprometeram a resolver o impasse e, de fato, os pagamentos voltavam a ocorrer. Tanto os pagamentos oficiais, quanto os recebimentos de valores através de caixa 2”, informa o marqueteiro no seu anexo de delação premiada.

No depoimento aos investigadores, Santana fala da relação da Odebrecht no pagamento das dívidas de campanha e diz que Dilma e Lula sabiam que a conta seria paga com recursos de caixa dois da empreiteira baiana.

Ele narra ainda que o então ministro da Fazenda, Antônio Palocci, dizia que decisões definitivas sobre pagamentos dependiam da “palavra final do chefe”, em referência a Lula. Em dois momentos da campanha à reeleição de Lula, Santana diz ter ameaçado interromper os trabalhos em razão de inadimplência. Depois disso, o petista pressionou Palocci que “colocou a empresa Odebrecht no circuito”, segundo o anexo da delação. (Continua no Estadão).

2 comentários:

Anônimo disse...

Tudo que falam contra Lula vindo de seus amigos e colaboradores diretos é falso, muitos sem se contradizerem e só ele acha que tem a verdade, julga-se o deus Lula, acima de tudo e de todos!
Tá, imundicie!

Anônimo disse...

O TUCANALDO “MELA JATO” É UMA PEÇA

Reinaldo Azevedo, o Tucanaldo Mela Jato, é, desde sempre, o “oposicionista” de estimação do PT, dentro do embate farsesco que esse partido trava com PSDB. Farsesco, sim, já que ambos são de esquerda e vêm trabalhando juntos, em plena sintonia, pela crescente esquerdização de um país, cujo povo, no entanto, na sua grande maioria, é conservador.

È de estarrecer a leviandade, a desfaçatez e o cinismo com que ele vem investindo contra o Moro, o Deltan e a Lava Jato como um todo, usando, para tanto, os veículos de comunicação que o establishment político e empresarial colocou à sua disposição, nos ”trocentos” empregos que tem. De parceiro do PT num inverossímil telecatch político, tornou-se um bajulador descarado do poder que abriga, hoje, sob o manto da Mela Jato - pretensamente legalista - petistas, tucanos e pmdbistas, bem como os seus cúmplices nos demais partidos que infestam o país. Embora seja tão burro quanto o Lula, é mais esperto e ilustrado do que ele. Um perigo, portanto, ainda mais pelo fato de que engana muitos trouxas ao proclamar-se antipetista. Na verdade, foi sócio-fundador do PT e militante do comunismo trotskista, e tudo isso continua muito vivo dentro dele, enraizado no seu DNA..Não é de hoje, então, que ele perdeu a razão.

Profundamente desmoralizado, até mesmo perante aqueles que antes o seguiam, bovinamente, na pseudo-cruzada antipetista que travava, tornou-se um dos mais notórios vilões das redes sociais e, como seria próprio de um insano, culpa a direita - a “xucra”, não domada pelo PSDB, e não a “xupa”, que é desse partido e da qual ele faz parte -, o Moro e a Lava Jato pela sua desmoralização e pelas suas crescentes desditas. “Moro desrespeitou a lei”, “Moro cometeu abuso de poder” (gostou Renan? Gostou, Requião? gostou, Gilmar?), “Lula o venceu nas ruas e no tribunal”, “Lula não culpou Dona Marisa”, a falecida, “não há provas de que o tríplex seja do Lula”, e por aí afora, que o “Mela Jato” não tem medo e nem vergonha de ser ridículo. Prova disso é que, quanto mais desperta opiniões em contrário, mais certo ele se julga, como qualquer maníaco de pedra faria, e cava cada vez mais fundo no buraco sem fundo em que se meteu. Eu, hein!? Quem mandou darem escada pra maluco?

Vaidoso como é, a ponto de ter sido apelidado de “Deus” nos meios jornalísticos, compete com Lula da Silva, o alter ego dele. em santidade e sabedoria, e chora e range os dentes, em fúria, ao se dar conta de que foi publicamente desmascarado e de que é visto, hoje, como um reles desinformantezinho de esquerda pró-tucanos. De fato, sua sanha assassina contra a Lava Jato foi desencadeada a partir do momento em que, nas delações da Odebrecht, começaram a “pulular” nomes de tucanos, que são, agora, os seus investigados de estimação. A partir daí, subiu nas tamancas, agitou, freneticamente, suas plumas e paetês, numa cenografia tão especial que já se tornou um meme da Jovem Pan, e proclamou, entre gritinhos histéricos: “Eu, hein, Carlos Alberto!? Dêxa o Moro comigo!”

É, gente, o Tucanaldo “Mela Jato” é mesmo uma peça! E, volto a dizer, não é de hoje que ele perdeu a razão.

Lucas Daniel