quinta-feira, 18 de maio de 2017

O país que presta não tem bandidos de estimação

E não tem mesmo, seja de que partido for. O último escândalo pega o restolho de social-democracia que existe no Brasil. Chega de autoritarismo petista - bolivariano mal escondido -, e chega também de PSDB, também nascido na esquerda. Basta. Refundar a República - uma república que seja mais liberal, menos estatista, menos bolsista, menos coletivista. É preciso enterrar definitivamente a Era da Canalhice. A propósito, segue post de Augusto Nunes:


Os democratas antipetistas tentados a interromper a agonia política de Aécio Neves, Michel Temer e outras figuras mortalmente atingidas pela devassa nas catacumbas do Brasil precisam livrar-se imediatamente desse surto de esquizofrenia ética. O país que presta não tem bandidos de estimação, reitera esta coluna há mais de oito anos. Quem cumpre a lei e cultiva valores morais permanentes não pode ser cúmplice de corruptos condecorados. Quem aplaude a Lava Jato não pode bater palmas para os sonham com o fim da operação que desencadeou a dedetização dos porões do Brasil.

Todos os beneficiários da ladroagem institucionalizada pela Era da Canalhice devem ser punidos pelos crimes que praticaram, sejam quais forem os partidos que escolheram para homiziar-se. Quem luta contra a roubalheira não pode ser clemente com oportunistas que ou se aliaram ao esquema criminoso montado pelo PT, caso de Michel Temer, ou passaram 13 anos em silêncio obsequioso frente às falcatruas empilhadas durante os governos de Lula e Dilma Rousseff. Os figurões do PSDB sempre reagiram com miados às bravatas do chefão Lula. Agora se sabe por quê.

A turma que ousou desafiar o renascimento da Justiça e obstruir os avanços da Lava Jato precisa compreender definitivamente que agora todos são iguais perante a lei. Por terem deixado de ser mais iguais que os outros, Michel Temer deveria renunciar à Presidência antes de ser dela despejado, Lula coleciona pesadelos com Curitiba, Aécio Neves antecipou a irreversível aposentadoria da vida pública e Dilma descobriu que não tem votos sequer para eleger-se síndica do prédio onde se refugia em Porto Alegre.

Desmatada por Sérgio Moro, pelo Ministério Público e pela Polícia Federal, a estrada percorrida pelos gatunos cinco estrelas leva a um Brasil sem vagas, sem paciência e sem estômago para obscenidades de quaisquer partidos. O país do futuro ainda está em trabalhos de parto, mas certamente será muito melhor que o repulsivo Brasil que agoniza neste outono de 2017. Retirados os tumores que restam, a Nação mostrará a si mesma que fez mais do que sobreviver. Ficou mais viva e saudável do que nunca.

2 comentários:

Anônimo disse...

Um comunista se reelegeria a não que houvesse eleições diretas e o povão votando por urnas eletrônicas, aí sim, a dona SMARTMATIC elegeria de novo um comunista, do PT, do PSDB ou doutro partido vermelho qualquer, como fez com Dilma, elegendo ela ao poder!
Mas, como o PT e PSDB são socios, em 2014 a coisa ficou por isso mesmo; afinal, ambos são gente de casa!

Adilson disse...

Momento Zoeira

No Brasil não existem mais "comunistas" ou "socialistas", ou "direitistas", ou "centristas". Existem apenas e tão somente "99,0 %" POLÍTICOS CORRUPTOS. Da mesma que na Venezuela, no Brasil todas as regras também tem muitas exceções, o que explica a expressiva existência de "1,0 %" de políticos honestos incomodando o restante.