quinta-feira, 8 de junho de 2017

Ingleses votam preocupados com o terrorismo? Então, pé na bunda do comunista Corbin.

Vamos ver se a votação corresponde às preocupações dos ingleses. Caso vença o extremista Jeremy Corbin - travestido de trabalhista -, o terrorismo tomará conta do país. Ele tem ligações com os aiatoloucos do Irã e com os terroristas do Hamas, além de ter considerado os bárbaros do Estado Islâmico mais ou menos vítimas do Ocidente. Aliás, Corbin tem cara e barba de bolivariano/petista. Vade retro:


Os britânicos aproveitam as últimas horas de urnas abertas em todo o país para votar nas eleições gerais desta quinta-feira, 8, ainda assustados pelos atentados dos últimos três meses, que deixaram 34 mortos em três ataques em Londres e Manchester. Sob um forte esquema de segurança, os eleitores depositaram seus votos ainda assustados em virtude dos ataques na Ponte de Londres, que deixaram oito mortos no sábado. 

O alerta de segurança no Reino Unido no dia da eleição é "severo", o segundo maior da escala. Policiais e equipes antiterrorismo patrulhavam pontos de votação e locais públicos ao longo de todo o dia. 

"Foi um dia muito assustador o sábado", disse Rachel Sheard, de 22 anos. "Por isso acho que os eleitores estão pensando mais em segurança que propriamente no Brexit."

"Fiz a minha escolha com base nestas duas questões: ter um bom acordo sobre o Brexit e a segurança", declarou Angus Ditmas, de 25 anos, em um bairro do norte de Londres.

No mesmo local, Simon Bolton, de 41 anos, afirmou que deseja votar num "líder forte, alguém que transmita segurança, que poderá obter o melhor acordo possível para o Brexit".

Os britânicos renovam hoje os 650 assentos da Câmara dos Comuns em uma eleição antecipada pela primeira-ministra Theresa May em abril. Com a aprovação em alta, a premiê pretendia ampliar a bancada do seu Partido Conservador para conseguir capital político nas negociações com a União Europeia sobre o Brexit. 

Uma série de erros na campanha e os ataques recentes, no entanto, a colocaram em xeque. O apoio a cortes em programas sociais e impostos para custear o atendimento a idosos encurtaram a liderança de May, de 20 para 10 pontos. Com os ataques, sua liderança e credenciais como Ministra do Interior por seis anos foram colocadas em xeque pelo rival, o trabalhista Jeremy Corbyn. 

Os cerca de 40 mil colégios eleitorais onde são esperados 46,9 milhões de britânicos para votarem nas eleições gerais do Reino Unido abriram nesta quinta-feira, 8, suas portas às 7h (3h em Brasília), em uma jornada que vai durar até às 22h (18h em Brasília).

May depositou o seu voto por volta das 9h20 (5h20 em Brasília) em Sonning, no Condado de Berkshire. Com semblante tranquilo, ela votou ao lado do marido, Philip, e não fez nenhuma declaração aos meios de comunicação que aguardavam sua chegada.

Corbyn votou em um colégio eleitoral do bairro de Holloway, no norte de Londres, por volta das 9h45 (5h45 em Brasília). O líder esquerdista estava sozinho, com expressão relaxada e sorridente. (Estadão).

Um comentário:

Anônimo disse...

Se votarem no jumento Jeremy, preparem as malas e tratem de se mandar do Reino Unido que o pé no rabo virá sem falta prá deixarem de ser otarios!
Criaram serpentes e ainda mantêm dentro do país o serpentario, podendo se compararem nesse caso como piores que os povos atrasados das A Latina e Central, mesmo da África!