quinta-feira, 8 de junho de 2017

Troglodita Corbin derrotado: conservadores vencem eleições, mas perdem cadeiras.

O Partido Conservador de Theresa May, obteve o equivalente a 314 cadeiras (tinha 330 no parlamento anterior). Pelo menos uma boa notícia: Jeremy Corbin, o amigo dos terroristas, não será premier. Danou-se:


Os resultados de boca de urna indicam que o Partido Conservador venceu as eleições gerais britânicas desta quinta-feira (8), conquistando 48 cadeiras a mais que o rival, o Partido Trabalhista — arriscando a formação do próximo governo.

Os locais de votação fecharam às 22h (às 18h no horário de Brasília) e os primeiros números já foram publicados logo na sequência.

Mas a contagem oficial seguirá noite adentro, e alguns dos distritos só devem declarar os seus resultados nesta sexta-feira (09). O último deles, Berwick-upon-Tweed, no norte da Inglaterra, fará seu anúncio apenas ao meio-dia

O Partido Conservador, da primeira-ministra, Theresa May, teve o equivalente a 314 assentos. A sigla tinha 330 cadeiras no Parlamento anterior — isso significa que May reduziu sua maioria no Parlamento.

Seu objetivo ao convocar as eleições antecipadas, em abril passado, era justamente engordar sua vantagem em relação ao Partido Trabalhista, que conquistou 266 assentos.

O Parlamento tem 650 vagas e as cadeiras são decididas por distrito.

Portanto, não correspondem diretamente às porcentagens de voto. Havia 46,9 milhões de eleitores registrados.

“Brexit”

May, que assumiu o governo no ano passado no lugar de David Cameron, queria ter uma maioria ampla entre os legisladores para ter negociar o "brexit", a controversa saída britânica do Reino Unido, que deve ser concluída até meados de 2019.

A premiê defende um modelo duro, em que o país deixará o bloco econômico e também o mercado único, que congrega 500 milhões de consumidores europeus. Trabalhistas discordam disso.

O "brexit" foi um dos principais temas que motivaram eleitores, ao lado do sistema de saúde e da educação.

Mobilizados para eleger um Parlamento que impeça os planos conservadores de um "brexit duro", eleitores compilaram listas para o voto tático em diversos distritos do Reino Unido. As tabelas indicavam que partidos tinham maior chance de derrotar a sigla de May — a margem em alguns deles era de poucos milhares de votos.

Os partidos concentraram suas campanhas nesses assentos para reverter as pequenas diferenças. Entre eles, algumas regiões de Birmingham, Bristol e Oxford.

Os conservadores, em especial, se enfocaram no centro do país, onde pesquisas apontavam declínio no apoio dos trabalhistas. Eram disputadas também as vagas que o Ukip (Partido de Independência do Reino Unido, de direita ultranacionalista) deveria perder durante o pleito.

Segurança

As urnas haviam sido abertas às 7h locais (às 3h em Brasília). A primeira-ministra votou em Maidenhead, Berkshire, ao lado do marido — ela acenou a repórteres com um "olá" entusiasmado.

O líder trabalhista, Jeremy Corbyn, votou em Holloway, no norte de Londres, onde foi recebido com loas por eleitores. Sua campanha foi marcada por um intenso apoio popular, reunindo multidões nos discursos.

Em seu último comício, na capital, ele havia dito na véspera que mudou a maneira britânica de fazer política.

Sua campanha foi, em geral, mais bem avaliada do que a de sua rival. Ela se recusou a participar de um debate televisivo, por exemplo, no que foi interpretado por alguns eleitores como marca de sua distância.

"Me impactou o fato de ela ter se esquivado de aparições públicas", disse à Folha Stephen Phee, 34, que votou nos trabalhistas na região de Church Street.

Ele afirmou que, dos temas debatidos desde abril, o de maior impacto no seu voto era a educação. "Se os conservadores vencerem, haverá ainda mais custos nas universidades."

Um dos carros-chefe de Corbyn era trazer de volta a gratuidade das matrículas, tornadas pagas pelos conservadores em 2013; que consideram a medida impraticável, com os recursos disponíveis.

As eleições foram realizadas sem incidentes. Havia um reforçado aparato policial, depois de uma série de graves atentados, incluindo uma ataque na ponte de Londres que deixou oito mortos e 48 feridos no sábado. Três terroristas atropelaram e esfaquearam clientes de um mercado na região.

Houve longas filas em cidades universitárias, como Oxford, no que foi entendido como um sinal de bom augúrio aos trabalhistas — jovens de 18 a 24 anos preferem esse partido, com vantagem de 19 pontos percentuais, portanto seu comparecimento pode ser decisivo.

Imprensa

Desgostosos com a cobertura de parte da imprensa tradicional, que manteve uma postura bastante agressiva em relação ao candidato trabalhista, eleitores fizeram seus protestos na internet.

Um dos mais divertidos era contra o "The Sun", cuja primeira página de quinta-feira fazia um trocadilho entre Corbyn e a palavra "bin", que significa lixeira em inglês. Britânicos publicaram suas fotografias jogando o jornal fora ou mostrando o dedo do meio para a edição.

Outra campanha, desta vez sem conotação política, era a já tradicional publicação de fotografias nas urnas ao lado de seus cachorros. O jornal britânico "Guardian" compilava as melhores produções — com o destaque ao eleitor alternativo que levou uma chinchila para o voto.

Circulavam também imagens de urnas inusitadas, como aquela dentro de um vagão de trem em Yorkshire, ou um moinho de vento em uma região não identificada.(Gazeta do Povo).

Um comentário:

Anônimo disse...

SAFARAM-SE DESSA VEZ, MAS...
Menos ruim pros ingleses, por enquanto, mas os inimigos do país das esquerdas com seus comparsas muçus, se continuarem a crescer no país, poderão em breve vencer, sendo implacaveis em seus ideais de instalarem o globalismo!
E DEPOIS, POR CIMA, CONVERTEREM OU MATAREM OS DESCONTENTES OU DESAFIANTES QUE NÃO CREREM NA DEUSA LUA ALAH!
Só de ter aí um cara tipo Stédile, dsculpe, J Corbin nessa nação e quase vencendo, mostra de como a subversão aí já avançou e está bastante
sedimentada!
O diabo mandou parte de seu staff da A Latrina e Central para a Europa - está muito bem aceito aí - né?...