domingo, 16 de julho de 2017

Mortos e feridos no plebiscito da oposição. Itamaraty calado diante do fascismo chavista.

Milícias fascistas de Nicolás Maduro, com as inconfundíveis motocicletas, atiraram contra opositores que participavam do plebiscito simbólico convocado pela oposição. O Itamaraty, chefiado pelo ex-guerrilheiro Aloysio Nunes, até agora não disse nem sequer uma palavra. Deveria ter rompido com o tirano há muito tempo:


Uma mulher morreu e outras três pessoas ficaram feridas neste domingo, 16, quando homens em uma moto dispararam contra opositores que votavam na zona oeste da capital, Caracas, em um plebiscito simbólico contra a Assembleia Constituinte convocada pelo presidente Nicolás Maduro.

A informação foi divulgada pelo Ministério Público. "Estamos investigando a morte de Xiomara Escot e três feridos" no populoso bairro de Catia, segundo informou um boletim do MP. Vídeos compartilhados em perfis no Twitter mostram o que seria o momento do ataque. 

A oposição de Venezuela realizou neste domingo, 16, um referendo não-oficial para pressionar Maduro enquanto ele procura aumentar sua força no legislativo. Venezuelanos residentes em outros países também aderiram ao plebiscito e os organizadores afirmaram que a participação foi maior que o esperado. 

O plebiscito perguntava, entre outras questões, se os cidadãos eram a favor de Maduro aprovar uma Assembleia Constituinte em duas semanas. Pela medida, adversários dizem que ele estaria consolidando uma ditadura. 

A pesquisa simbólica, que também questionou os eleitores se eles querem eleições antecipadas, busca diminuir ainda mais a legitimidade de Maduro. O governo, em campanha para a eleição dos 545 constituintes, acredita que a votação é a única saída para a convulsão política e social. 

Imagens de TV mostraram longas filas formadas no início das assembleias de voto improvisadas em teatros e outros locais de votação.

O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, o opositor Julio Borges, disse que a votação foi histórica. "É um processo feito somente pelos cidadãos, sem a intervenção do governo. Os 2.030 locais de votação funcionaram com êxito", disse ao canal institucional Capitolio TV. / REUTERS e AFP (Estadão).

2 comentários:

Anônimo disse...

PARIS, LONDRES, BERLIM, ESTOCOLMO, RIO ETC. JÁ FORAM CIDADES SEGURAS, PORÉM, AGORA, NAS PERIFERIAS, NEM POLICIA ENTRA MAIS...
Depois da entrada dos terroristas esquerdistas no poder elas foram aos poucos degradando...
Primeiro ato, desmontar a policia com corte de recursos, embora finjam apoiá-la - para INSTIGAR o caos, colocando idiotas-uteis deles mesmos SEM MOSTRAR OS FOCINHOS NAS REDES falando sempre assim, como aqui na Globo etc. é direto: "a policia entrou atirando primeiro, ela é truculenta, muito violenta", lançado os pobres contra a policia, pois sem caos total pelas lutas de classes o comunismo não consegue se instalar!
Já observaram a obsessão do jumento Maduro? Ele nunca fala em planos concretos para o povo que cumpra, mas apenas propagandeia, mas para o "povo"(=movimentos sociais do PSUV) que tanto vomita nas redes esse termo, mas sempre em apenas MANTER O PODER!
"SALVE O PODER, TUDO O MAIS É ILUSÃO" - Stálin.
Onde os diabólicos comunistas metem suas patas, caso Rio, Caracas e mais cidades teremos atraso, miseria, chantagens gerais, muita violencia, destruição e mortes, tendo seus milicas(colectivos) para servirem de fogo, drogas servindo de estopa o diabo está sempre presente para assoprar = Rio de Janeiro = Caracas e mais cidades de antecedentes comunistas!
Tudo aqui começou com o PSDB golpista do FHC protegendo o lixo PT, dos socialóides Aloysio Nunes-Aecim-Doria e Cia, capachos das bestas do Islã, assadores de cristãos em fogo lento em terras muçulmanas!
Breve aqui, Venezuela II se elegerem mais de seus aliados cãodidatos e partidos comunistas!

Anônimo disse...

Aqui em Portugal, foi maravilhoso, pois os venezuelanos compareceram em grande número e votaram contra o ditador assassino Nicolás Maduro.