quarta-feira, 12 de julho de 2017

O triunfo da Justiça sobre o Brasil arcaico

A Justiça demonstrou hoje, graças ao juiz Sérgio Moro, que todos são iguais perante a lei, mesmo quem já foi presidente da República. Post de Augusto Nunes:


A sentença divulgada nesta quarta-feira configura o triunfo da Justiça sobre o Brasil antigo e agonizante. Com o amparo da lei e da montanha de provas que recomendavam aos gritos a punição do réu, o juiz Sérgio Moro derrotou o cinismo obsceno de Lula, as ameaças do PT, as bravatas dos pelegos sindicalistas, as provocações dos movimentos sociais de araque, as chicanas e afrontas de advogados sem álibis nem pudores, as invencionices de blogueiros alugados e as manobras repulsivas de espertalhões alojados na cúpula dos três Poderes, fora o resto.

A condenação do chefe supremo do maior esquema corrupto de todos os tempos é também a vitória da esperança sobre a descrença dos pessimistas profissionais. E é um aviso aos que insistem em duvidar das mudanças ocorridas no Brasil da Lava Jato. O merecidíssimo castigo aplicado a Lula informa que o país do “sabe com quem está falando?” enfim começou a respeitar o primeiro mandamento do Estado Democrático de Direito: todos são iguais perante a lei.

Ninguém é mais igual que os outros. Nem um ex-presidente da República. Não existem bandidos inimputáveis. A tribo dos que se julgam condenados à perpétua impunidade está perto da extinção.

Um comentário:

Anônimo disse...

O "homem mais honesto deçe paíz" disse que iria a pé para Curitiba. Claro que o que elle diz não se escreve, mas uma boa marcha não faria mal ao déspota cachaceiro.