terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Fenaj contra a Justiça e a democracia. Em defesa de Lula, como sempre.

A Fenaj sempre foi reduto de esquerdistas - boa parte deles criados no antigo curso de jornalismo da UFSC -, abraçando o lulopetismo na primeira hora. Até hoje são nostálgicos da derrocada do socialismo. Escória ideológica de entusiastas do totalitarismo. A propósito, segue artigo de Jones Rossi, editor de Ideias da Gazeta do Povo:


A Federação Nacional dos Jornalistas funciona como um braço do Partido dos Trabalhadores, atrapalhando o jornalismo e os jornalistas sérios do Brasil. 

Nunca foi tão importante estar bem informado.Sua assinatura financia o bom jornalismo.

Geralmente lenta em defender os jornalistas do assédio moral de instituições como o próprio PT, que vem tentando, desde antes de sua chegada ao poder, “regular as comunicações”, um eufemismo politicamente correto para a censura pura e simples, a Federação chega ao seu ponto mais rasteiro ao escrever uma nota subalterna a favor de Luiz Inácio Lula da Silva, “denunciando” um inexistente “golpe de estado no Brasil”. 

Para a FENAJ, a deposição de uma presidente que jogou o Brasil na pior recessão de sua história e abusou das infames pedaladas fiscais foi golpe. Para a mesma FENAJ, se Lula for condenado pela Justiça Federal, tudo não passará de uma forma de impedi-lo de concorrer à eleição presidencial de outubro. 

A entidade só admite um resultado nesta quarta-feira: a absolvição de Lula. De acordo com sua nota oficial, aí sim teríamos o “restabelecimento do Estado Democrático de Direito”. Caso contrário, tudo não passará de uma “farsa judicial”. 

A nota chega ainda a dizer que, diante deste quadro, “A Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) vem a público defender a democracia e o Estado Democrático de Direito.” 

Qual democracia a FENAJ defende? 

A da ditadura militar, que em 1969, em plena vigência do Ato Institucional número 5, que restringia a liberdade de expressão, estabeleceu o diploma de jornalismo como obrigatório para exercer a profissão e calou inúmeras vozes dissidentes ao regime e até hoje contribui apenas para proliferar faculdades de fundo de quintal e jogar a qualidade do jornalismo brasileiro na lama? 

Ou a democracia de Luiz Inácio Lula da Silva, que no Twitter ameaça veículos de comunicação e deixa claro seu espírito bélico com afirmações como esta: “A Veja é uma central de mentiras. Eu quero que eles saibam. Trabalhem pra eu não voltar. Porque se eu voltar vai haver uma regulação dos meios de comunicação.” 

Qualquer entidade séria que realmente representa os jornalistas faria uma nota oficial de repúdio. Não só calou-se como dias depois brinda-nos com uma sabujice sem tamanho, apoiando aquele que pretende lutar contra a imprensa livre e crítica. 

A nota diz que a condenação de Lula em primeira instância pelo juiz maringaense Sérgio Moro aconteceu “sem provas”. Fizesse menos militância e mais jornalismo, ou pelo menos prestigiasse com a leitura das várias reportagens deixando claro a variedade de provas contra o ex-presidente, a Fenaj não viria a público para agir como linha auxiliar do PT. 

No fim da nota, a Fenaj conclama os jornalistas “a atuarem na cobertura do julgamento com a necessária ética e responsabilidade profissional. A missão da categoria é oferecer ao cidadão informação confiável e correta, possibilitando à sociedade condições de se posicionar criticamente frente à conjuntura atual.” 

Ora, a imprensa, atacada tanto pela esquerda quanto pela direita, trabalha dia e noite para oferecer o melhor para os leitores. Feita por seres humanos, é imperfeita, claro, e seria estranho se fosse diferente. Mas a Fenaj pode ficar tranquila: ao contrário da entidade, que nem escrever corretamente o nome do ex-presidente foi capaz (na nota está escrito “Luís”, quando o correto é “Luiz”), a maioria dos jornalistas do Brasil sabe bem o seu dever. E também não dá bola para o que a FENAJ diz, escreve ou papagaia por aí.

5 comentários:

César de Castro Silva disse...

Sem provas????? Eu não sabia que o crime de corrupção precisa de recibo, escritura pública, gravações de áudio e vídeo etc para ser provado.

Anônimo disse...

Terá solução algum dia este pais?

Anônimo disse...

JORNAL HOJE SÓ SE FOR PARA SERVIR DE PAPEL HIGIÊNICO, NADA +!...
Os jornalistas estão é despeitados e maguados da vida pela baixíssima credibilidade que possuem junto ao povo via recorrentes denuncias das redes sociais, mais se parecem redatores de textos que mesmo o que simulam ser, exercendo profissão de jornalistas, só se forem de capachos a serviço do globalismo das esquerdas!

Anônimo disse...

federação nacional dos jumentos (sem querer ofender os muares).

Alexandre Sampaio disse...

Não a toa, a imprensa em geral estar tão desacreditada. Ninguém aguenta mais essa corja embusteira, essas penas de aluguéis.