quinta-feira, 31 de maio de 2018

A Europa começou na Itália. Acabará na Itália?

Reproduzo abaixo a newsletter Macroscópio, de José Manuel Fernandes, publisher do Observador (jornal português produzido apenas na internet), analisando os últimos acontecimentos na Itália, que parece apontar para mais problemas para a União Europeia:


Clímax e anticlímax. A política italiana é fértil em surpresas e reviravoltas e esta semana não fugiu à regra. Depois de o Presidente da República ter recusado um ministro das Finanças eurocéptico, Paolo Savona, o primeiro-ministro indigitado pelos dois partidos anti-sistema que se tinham junto numa improvável coligação – o 5 Estrelas e a Liga – subiram de tom e exigiram eleições. O Presidente ainda tentou que um tecnocrata, Cotarelli, um economista que trabalhou para o FMI e é conhecido por “senhor tesouras” por propor cortes nos gastos públicos, formasse governo, mas à hora que escrevo este Macroscópio o presidente Sergio Mattarella estava a caminho de receberde novo uma proposta de governo dos dois partidos populistas, retocada mas capaz de, pelo menos num primeiro momento, acalmar uns mercados que passaram uma semana tão difícil que se voltou a falar do regresso da crise à Europa. 

Antes de falarmos um pouco mais detalhadamente de Itália, é bom termos consciência de que a instabilidade naquele país pode afectar-nos, e muito. Isso mesmo explicava Helena Garrido hoje no Observador, em O aviso que vem de Itália: “A situação política italiana veio colocar de novo Portugal no radar dos financiadores. Lá está a taxa de juro da dívida pública portuguesa a subir nas comparações com Itália e Espanha, como se pode ver neste artigo do Financial Times (para assinantes). A taxa de juro das obrigações do Tesouro a 10 anos (yield) passou de 1,7% em meados de Maio para 2,1% agora, situando-se em valores mais altos do que há um ano. Uma reacção reveladora da fragilidade financeira do país: quando chega a tempestade os investidores começam a olhar para os números. E a dívida pública portuguesa continua ainda elevada ao mesmo tempo que a redução do défice público não dá quaisquer garantias de que é duradouro e não apenas fruto do crescimento da economia.”

Apesar do aparente volte-face das últimas horas, com o regresso a um cenário de maior normalidade democrática uma vez que são de novo os partidos que ganharam as eleições que estão a tentar formar governo, o sobressalto dos últimos dias levou a que muitos se interrogassem, de novo, sobre se na União Europeia ainda se respeita a escolha dos eleitores. Vale a pena repescar esse debate, até porque está longe de ser claro o que vai acontecer. 

Primeiro que tudo comecemos por conhecer um pouco melhor o político que parece estar a capitalizar mais com esta crise, o líder da Liga, alguém que Cátia Bruno nos apresenta muito bem num especial do Observador, No jogo do caos político, Matteo Salvini traz uma carta na manga. Com um percurso heterodoxo e uma indiscutível capacidade para tirar partido das oportunidades políticas que foi criando, trata-se de alguém cuja verdadeira natureza é objecto de muitas interrogações. Contudo, “Para o biógrafo, a explicação para todas estas dúvidas sobre quem é Salvini e a sua Liga é simples: “Ele é um líder totalmente não-ideológico. Ele segue o vento, o espírito do tempo. E o espírito do tempo popular neste momento é este”, resume. Retórica contra refugiados e migrantes por um lado, discurso a favor dos trabalhadores por outro, críticas sempre presentes a Bruxelas, aos mercados e às elites. “Salvini prometeu tudo a todos: aos de esquerda, aos de direita, aos do centro”, resume Franzi.”

A meio da semana, numa altura em que tudo indicava irmos a caminho de novas eleições, Jorge Almeida Fernandes escrevia no Público, em Um conflito “de vida ou morte” entre europeístas e soberanistas, que “Percebe-se agora que Salvini, em alta nas sondagens, sempre desejou precipitar eleições. Se o M5S e a Liga concorressem juntos poderiam ter, com base nos dados actuais, dois terços da Câmara dos Deputados e do Senado. Mas não o farão porque tanto a sua identidade como os seus objectivos são muito diversos. É de admitir um choque entre os “dois populismos”. Tal como é de admitir que Salvini preserve tacticamente a aliança com Berlusconi porque precisaria dos seus votos para ultrapassar a barreira dos 40% e conquistar de vez a liderança do centro-direita.” Nesse texto sublinhava também que “As capitais europeias percebem mal esta dinâmica e algumas saudaram com alívio a nomeação de Cotarelli. Muitos jornais europeus insultam a Itália sem perceber que servem Salvini. A crise italiana é simplesmente mais um passo na crescente corrosão da Europa a partir de dentro.”


Ora, este é precisamente o ponto de dois artigos em destaque na Spectator desta semana, um de Douglas Murray, Europe has a democracy probleme outro de Charles Moore, The EU should go the way of the British Empire, este mais uma reflexão histórica onde se compara o destino da União com o de alguns impérios do passado. É Murray que é mais cáustico relativamente ao significado da tentativa do presidente italiano de impedir os vencedores das eleições de governarem: “This week the EU revealed its true nature. Rather than hand power to a Eurosceptic, the Italian President Sergio Mattarella defied the democratic process, and the wishes of most Italians, and put a puppet in place. Once again a major European democracy has seen the results of a legitimate vote dismissed; swept aside because the EU can’t countenance dissent.”

Nesse texto recorda-se uma das mais infelizes declarações da semana, a do comissário europeu do orçamento, o alemão Günther Oettinger, que era ao mesmo tempo uma reprimenda e uma ameaça dirigida aos italianos: ‘My concern and expectation is that the coming weeks will show that developments in Italy’s markets, bonds and economy will become so far-reaching that it might become a signal to voters after all to not vote for populists on the right and left.’ Naturalmente que opiniões destas só atiçam os espíritos, chegando de toda a Europa sinais de desunião: “The German papers denounce the Italians as lazy spendthrifts. The Italians accuse the Germans of using the euro to achieve what the Nazis couldn’t. The French condescend to the eastern Europeans, treating them as scabs undercutting wages. The eastern Europeans feel they are being treated like second-class citizens. And the EU’s songs about openness and transparency now sound slightly off-key.” 

A crítica de Murray chega mesmo ao ponto de considerar, tocando numa tecla sensível, que, agora, “‘Populist’ is one of those terms in the new European playbook reserved only for those (...) who are allegedly walking the ‘wrong way’ in this great march.” 

De facto não há nada que Bruxelas veja com piores olhos do que o avanço eleitoral de forças eurocépticas, como notou Ricardo Arroja no jornal online Eco, em Che casino, um texto onde também notava que essa forma de agir tem muitas vezes como tradução “na legitimação democrática desta frente eurocéptica. Uma legitimidade que, a avaliar pela subida das intenções de voto nos partidos ditos-populistas, continua a aumentar dia após dia. Uma legitimidade que, num país como a Itália, dificilmente permitirá a acomodação de tácticas intimidatórias do género votem-novamente-até-acertarem-na-escolha-certa.” E tudo isto porque o M5S e a Liga queriam à frente das Finanças um velho economista de 81 anos cujo objectivo seria “tirar o animal da jaula, a jaula alemã (“German cage”) do euro”.

Na verdade nada indicava que o programa do governo proposto por esses dois partidos quisesse tirar a Itália do euro, mesmo parecendo seguro que as suas intenções eram desrespeitar as regras da moeda única. De resto nem o homem no centro da polémica o defendia, como explicou a AFP em Paolo Savona, the eurosceptic at the heart of Italy's standoff.E fá-lo citando-o: "I'm passed off as one of those rare anti-European institutional economists but it is not true. I would be in favour of a united Europe in principle, and that's why I talk about the worst of what I see today in Brussels," Catholic daily Avvenire quote him as saying. "Europe's difficulties are down to the elites who run it: they say they take care of the people but they only take care of themselves." Aparentemente estas credenciais não foram suficientes para convencer o presidente Mattarella, que não o quis para ministro das Finanças. Agora Savona é-lhe proposto como ministro dos Assuntos Europeus, veremos o que vai fazer. 

Algo é certo: se este novo embrião de governo da coligação M5S/Liga não for por diante o mais certo é termos eleições pela frente, eleições que o Politico descrevia assim: Italian voters head for euro showdown, Nesse texto Alberto Mingardi considerava que os italianos, mesmo furiosos com o establishment, têm medo de um desastre financeiro, pelo que nenhum resultado estaria garantido à partida: “The president of the republic has made allegiance to the European Union and the euro an implicit theme of the next electoral campaign. Referenda on international treaties are prohibited by the Italian constitution, but that’s nonetheless in effect what the next electoral campaign will be. If the next election is to be a Yes/No referendum on the euro, it is difficult to forecast how it will go. To be sure, the Euroskeptics start with a considerable advantage: Their moderate counterparts, Berlusconi’s Forza Italia and Renzi’s Democratic Party, are in shambles.”


Ora a perspectiva de um reforço dos partidos anti-sistema foi precisamente o que alarmou jornais como o Financial Times, onde se considerou, em editorial, que Italy’s president gambles on the centre holding: “In Italy the odds are not necessarily in Mr Mattarella’s favour. Italians are justifiably fed up with the two decades of economic stagnation that have followed their country’s entry into the eurozone. Hence they are drifting to the populist extremes on both left and right.” Mais: “In his haste to appoint yet another unelected caretaker technocrat as prime minister, following the collapse of the coalition, the president has put wind in the sails of the anti-establishment parties. They had a strong mandate to form a government with a majority in both chambers of parliament. Now, with some justification, they can head towards fresh elections arguing that not only is the Italian establishment in hock to Europe — at the expense of Italian growth. They are also undermining democracy itself.”

Estas palavras têm imenso significado se pensarmos que o Financial Times é uma espécie de bíblia do europeísmo e o jornal mais lido pelas elites europeias. Sendo que este seu diagnóstico coincide com o do editorial do rival Wall Street Journal, Italy’s New Threat to the Euro, para quem “The rejection of a populist coalition may stoke more populism”já que “It’s hard to imagine a more highhanded elite dismissal of public opinion than Mr. Mattarella’s diktat”. Por outro lado, até poderia ser educativa a experiência de governo de partidos anti-sistema e com programas contraditórios, pois uma coisa é falar na oposição, outra governar: “The left-right coalition government was always going to be precarious, not least because the parties’ competing economic agendas are incompatible. The League wants a pro-growth flat tax, and 5 Star wants an anti-growth social-spending blowout. Mr. Mattarella would have been wiser to let the government fall of its internal contradictions. (...) The left-right coalition was a risk but one the Italian people chose to take. The political result after this latest display of elitist disdain may be worse for Italy and the euro.”


Mais três textos que, de perspectivas diferentes, convergem neste registo de análise: 
Italy’s real euro referendum, de Erik Jones no Politico, onde se defendia que “The markets — not voters — will decide if the country stays in the EU’s common currency área”. Mesmo assim, “that doesn’t mean officials in Brussels and Frankfurt can breathe easy. Italians may not want to leave the euro but they do want better social services, lower taxes and more generous benefits. And sadly, they lack leaders capable of explaining what the heavily indebted country needs to do to achieve those goals.”
Will the next Italian elections be a referendum on democracy?, de Henry Newman na Spectator, onde se criticava a decisão presidencial – “Previous Presidents have vetoed a few appointments in the past, for example of Berlusconi’s personal lawyer as justice secretary, or of unqualified nominees. However, in this case the President is vetoing Savona not because of a concern over competence, nepotism, or a conflict of interests. He is refusing to appoint someone on the basis of his views.” – e se alertava para os riscos associados a novas eleições: “Salvini accused Europe – and especially Berlin – of blocking the formation of the new Government. He railed again the loss of sovereignty that the EU and Euro has entailed. Some are predicting this morning that if elections do come they will be a referendum on the Euro. The bigger risk is that they will become a referendum on democracy itself.”
Harakiri, Italian Style, um texto de Jan Zielonka no Die Zeit e na Open Democracy, escrito a partir de uma perspectiva assumidamente de esquerda: “In my view, Mattarella’s decision is bad for Italy, Germany, and Europe. The only political force which is likely to profit is the Northern League – an extreme right-wing party which campaigns chiefly against migrants, and sides with Vladimir Putin and Marine Le Pen. Liberal democracy will be the greatest victim in Italy and beyond. Centrist parties will be reduced to a political footnote in the next Italian elections. Politics in the coming months will be ever more contentious, if not violent. Europe will be even more paralysed, faced with instability in one of its most important member-states. Germany will have to live with the implications.”
Vale também a pena ler a longa análise de Steven Erlanger no New Iorque Times (curiosamente assinada a partir de Lisboa): Italy Pushes Euro to Fore, the Last Place Europe Wants It. Aqui fica uma passagem onde se faz um paralelo que me pareceu interessante: “Mr. Mattarella has given Italians, exceptionally, the same option built into the French election system — two rounds of voting — the first to vote your heart, and the second to vote your head. In France, Ms. Le Pen did well in the first round of presidential voting last year; she was soundly defeated in the final round. Mr. Mattarella is gambling that Italians may do the same, if the populist parties can be made to surrender their ambiguity on the euro — an issue they skirted through the Italian campaign.”


Termino regressando ao Politico, já que nele Jacopo Barigazzipropõe uma leitura interessante sobre How Draghi lost Italy: “By removing the boot of the markets from the government’s neck, it gave the country’s politicians and its electorate a false sense of having room to breathe. (...) “Unfortunately, without pressure from the markets, Italian governments don’t do real reforms,” said Mingardi. (...) “Draghi has created the conditions for the success of populists,” Mingardi said. “All of their proposals are predicated upon the assumption that the European Central Bank won’t rein in its unconventional monetary policies in the foreseeable future, thereby keeping the cost of debt financing very low,” he added.”

Não exagero se disser que este último texto nos permite regressar precisamente ao ponto de partida deste Macroscópio e às comparações entre Portugal e Itália. Lá são os juros baixos que podem ter criado a ilusão de que as promessas dos populistas são concretizáveis; por cá são os juros baixos que vão alimentando a ilusão que tudo corre pelo melhor nas nossas finanças públicas. 

Mas essa é outra conversa. Por hoje fico-me por aqui, até porque já me estendi um pouco. E também porque há que ter atenção a Espanha, que está à beira de ficar sem governo. Por isso mesmo conto estar de novo convosco amanhã, mas agora com os olhos em Madrid.

Um comentário:

Anônimo disse...

Savona não rola?