quarta-feira, 23 de maio de 2018

Caso Azeredo: mais uma derrota para o PT.

Campeão na fabricação de factoides e fake news, os petistas perdem mais uma: já não podem dizer, como sempre disseram, que a Justiça protege os tucanos. A propósito, segue coluna de Merval Pereira ("Camisa amarela"), via O Globo:


À medida que vai desmoronando a tese da esquerda de que a Operação Lava-Jato se dedica apenas a perseguir Lula, vão ficando cada vez mais patéticas as tentativas de criar fatos políticos que não se realizam. É verdade que Lula continua fazendo política de dentro da cadeia, e que o PT demonstra uma capacidade de agitação acima da dos demais partidos políticos brasileiros. Mas isso não quer dizer que os resultados positivos virão. Pelo menos não estão vindo. Lula continua liderando as pesquisas, mas o PT corre o risco de sucumbir devido à estratégia definida por Lula de não indicar seu substituto até o último momento. 

Ontem, o ex-governador de Minas e ex-presidente do PSDB, Eduardo Azeredo, condenado a 20 anos de prisão por peculato e lavagem dinheiro, em segunda instância, viu os esforços de sua defesa para protelar a decisão se esgotarem e o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) expediu o mandado de prisão.

O episódio ficou conhecido como o mensalão mineiro, numa demonstração da capacidade marqueteira do PT. Azeredo não deu mensalão a ninguém, seu caso é de peculato, isto é, usar o dinheiro público de maneira ilegal para financiar sua campanha eleitoral. O apelido de mensalão mineiro, ou tucano, só serviu para tornar situações distintas em semelhantes, no interesse do PT de dizer que todos os partidos roubam.

É verdade, a Operação Lava-Jato está demonstrando, mas o esquema petista de compra de apoio em troca de propinas geradas por obras superfaturadas em estatais, especialmente a Petrobras, é insuperável. E um ataque ao Estado democrático. Apenas o mentor dos dois “mensalões” é o mesmo, o publicitário Marcos Valério, que está devidamente encarcerado.

O final do caso Azeredo retira do PT o mantra de que os tucanos são protegidos pela Justiça. Outra notícia desanimadora para a defesa do ex-presidente Lula foi a decisão do Comitê de Direitos Humanos da ONU de rejeitar o pedido para que ele fosse solto por uma medida cautelar.

A ida à ONU, por si só, faz parte do aparato de marketing político que o PT vem utilizando, aqui e no exterior, para tentar caracterizar uma situação de perseguição política. A tentativa era no sentido de que a ONU seguisse a mesma decisão que atendeu a um pedido similar de políticos catalães. Nesse caso, a Comissão recomendou que o deputado independentista Jordi Sanches fosse liberado para que pudesse participar de eleições. O estado espanhol ignorou a recomendação da ONU, e o mesmo ocorreria no Brasil, mas seria um ganho político para Lula ter essa espécie de aval da ONU.

No caso do ex-presidente Lula, a Comissão não viu “riscos de um dano irreparável”, mas o caso, que começou em 2016, continua sendo analisado, e o resultado deve ser anunciado somente em 2019. Mas aí o valor político de uma improvável decisão a favor de Lula já terá sido esvaziado consideravelmente.

Mas o ponto mais risível do marketing político dos apoiadores de Lula é a tentativa de esvaziar a torcida pela seleção brasileira na Copa do Mundo da Rússia sob a alegação de que a camiseta amarela foi usada pelos “coxinhas golpistas” nas manifestações a favor do impeachment da ex-presidente Dilma.

Também a corrupção na CBF seria uma razão para que a camisa da seleção não esteja animando a torcida. Como se pudéssemos voltar no tempo, tenta-se reviver um sentimento que esteve muito presente em 1970, em plena ditadura militar, quando muitos da esquerda decidiram não torcer pelo time de Pelé, Tostão, Jairzinho e companhia. E como não se soubesse o que aconteceu, segundo o relato bem-humorado de vários exilados e membros da oposição guerrilheira: na hora agá, não resistiram à paixão pelo futebol e comemoraram o tricampeonato mundial.

Provavelmente acontecerá igual desta vez, apesar de o desânimo com a situação do país e a difícil saída da recessão econômica não darem muito espaço para comemorações antecipadas. Mas, mesmo sendo “o país do futebol”, os resultados das Copas do Mundo nunca influenciaram as eleições para presidente da República, que de quatro em quatro anos coincidem com os campeonatos desde 1994.

3 comentários:

Anônimo disse...

Alguma vez elles foram mesmo bons de marketing? Devem ter sido sempre toscos como gushiken ou dirceu, só crescendo diante da indiferença e até da incredulidade da brasileirada. Quando as pessoas se decidiram a ser cidadãos, essa fabriqueta de sonhos e ilusões de araque só podia mesmo minguar, falir e fechar.

Anônimo disse...

Não conheço uma só pessoa que diga que votará no bandido e ladrão do Brasil, o rato-de-esgoto Lula, ainda mais em pesquisas pagas e nã conheço ninguém morando sempre em capitais que tenha sido entrevistado pelos IBOPES da vida!
Papel é curral pequeno que cabe de tudo e se fosse devoto da mula-sem-cabeça creria que Lula lidere pesquisas de intençao de votos!
Só se fosse para se fraudarem as urnas e depois dizerem que a "pesquisa" acertou...

Anônimo disse...

O processo da prisão desse cara demorou quase 20 anos; deixam, como Maluf e outros corruptos-corruptores - estarem próximos da morte para o teatro de "prenderem", e por "questoins umanytarias" liberarem para a prisão domiciliar, quando o cara até esqueceu de morrer!
Prisão nos "casebres" desses caras é realmente uma duríssima PRIZAUM!