terça-feira, 12 de junho de 2018

Sala VIP do STF: se a moda pega...

Aeroporto de Brasília.
"Se esses procedimentos típicos de recepção de motel pegarem, logo haverá salas especiais para deputados, para senadores, para ministros do TCU, para ministros de Estado. Ou - quem sabe? – surgirá uma nova capital federal, em área mais remota do sertão, onde não haja povo para encher o saco". Artigo de Percival Puggina:


Os onze ministros do STF contrataram um espaço especial no aeroporto de Brasília. Pela bagatela de R$ 374 mil anuais livraram-se dos “desconfortos” da sala VIP que já utilizavam e transformaram seus voos num prolongamento das mordomias habituais em que tudo é privativo, do elevador ao “capinha” (aquele funcionário que puxa e empurra a cadeira quando sentam).

A nova sala vem acompanhada de outras regalias, como o procedimento de embarque exclusivo, uma van que transporta o ministro até a aeronave e uma escada lateral pela qual ascendem à cabine de passageiros. Todo o pacote minimiza o contato de suas excelências com o povo a quem dizem servir na “distribuição” da Justiça.

Com isso, e à nossa custa, evitam que algum passageiro malcriado lhes dirija palavras desagradáveis, como eventualmente acontece. Palavras desagradáveis também são privativas no topo do Poder Judiciário. Só ministros podem proferir desaforos a ministros. E normalmente com razão.

A assessoria do Tribunal, segundo matéria do Estadão, informa que se trata de conduta de segurança. O dito soa estranho porque a regalia se refere apenas ao aeroporto de Brasília. Se for, mesmo, procedimento de segurança, presume-se que algo assim deva se reproduzir nas capitais do país, especialmente nos destinos frequentes dos senhores ministros.

Sublinhe-se, em favor da população e de sua opinião sobre o colegiado do STF, que todo o descontentamento que, por vezes, se expressa em indignação, é motivado pelos bons favores e pela tolerância da Corte para com a prazerosa impunidade dos corruptos. A situação se tornou, mesmo, intolerável.

Se esses procedimentos típicos de recepção de motel pegarem, logo haverá salas especiais para deputados, para senadores, para ministros do TCU, para ministros de Estado. Ou - quem sabe? – surgirá uma nova capital federal, em área mais remota do sertão, onde não haja povo para encher o saco.

6 comentários:

Anônimo disse...

Exatamente o problema não é só o Executivo e o Legislativo, mas o Judiciário também. Os juízes, ministros da justiça, a OAB tem grande responsabilidade pela podridão que é o Brasil. Se trata de uma classe ultra previlegiada, com muito poder e infinitas mordomias além de cumplice e conivente com todas as roubalheiras, inconpetência e falcatruas nacionais.

Anônimo disse...

Artur Nogueira diz:
Esses são os verdadeiros donos do BR. As despesas com o poder Judiciário atinge 1,5% do PIB brasileiro. Todos se locupletam. Não é apenas sala VIP no aeroporto . É aquele plano VIP de saúde, auxílios VIP prá tudo quanto necessário, aquela aposentadoria e que tais.
Casta de intocáveis, eles acreditam piamente que estão acima de qualquer coisa e que não precisam prestar contas a ninguém, contando ainda com a conivência de seus pares. Tudo isso sob o olhar atônito do povão que já nem sabe mais se pertence mesmo à esse país.Asqueroso. Até quando isso vai persistir????

Anônimo disse...

A falta de respeito desses políticos com o povo é a prova cabal de que essas urnas eletrônicas são fraudáveis sim.

Anônimo disse...



Isto tudo vai persistir ate o momento em que digamos BASTA ! E tiremos destes senhores estas prerrogativas que não merecem. Trabalham muito pouco para tanta pose. E no caso do Gilmar mendes existe algo nos ceus alem dos aviões de carreira. É preciso investiga-lo. E claro, dizer BASTA !

Anônimo disse...

Fato: Participei dos movimentos de impeachment de Dilma Roussef pelo "Vem Pra Rua". Um dos representantes desse movimento no interior de SP esteve numa comitiva dos movimentos que foi a Brasília e relatou o que viu no STF. "[...] Os motoristas do STF, todos eles, deixam os carros ligados para manter os veículos bem refrigerados para o caso de suas excelências terem a necessidade de se deslocarem de carro [...]". Pergunta: Isso é ou não é cuspir na cara dos pagadores de impostos?

Anônimo disse...

Quando esse juízes passarem para o lado de lá e se encontrarem com o Juiz dos juízes, Cristo Jesus, verão a dura sentença que lhes será aplicada de serem pagos pelo povo para o chantagear!
Nem todos, evidente; existem os menos ruins!!