quinta-feira, 15 de fevereiro de 2007

Cocaleiro pinta e borda em Brasília


Só falta ele exigir o Acre de volta

Refrescando: o presidente-cocaleiro Evo Morales, da Bolívia, em seu curto mandato, já perpetrou o seguinte contra o Acampamento Brasil: 1) tomou as instalações da Petrobrás com tropas militares; 2) em viagem à Europa, disse o diabo do Brasil (inclusive que o Acre foi anexado em troca de um cavalo); 3) acusou a Petrobras de praticar chantagem; e 4) não bastasse isso, também chamou a empresa de contrabandista.

Resposta da diplomacia bananeira? Nenhuma. O chanceler Amorim ainda tentou botar panos quentes, assim como Lula.

E agora mais esta: o cocaleiro impôs um aumento no preço do gás fornecido ao Acampamento. Desconversando, a diplomacia brasileira - hoje pró-cucaracha - chamou a coisa de "acordo" (vai sobrar para o consumidor). Resultado: a Bolívia arrancará daqui mais 100 milhões de dólares anuais.
Tomara que Evo exija o Acre de volta. É capaz de levar...
(Ilustr.: Molina)

13 comentários:

Anônimo disse...

Tem que aumentar o preço do gás e, de troco, mandar de volta pra Bolívia os 60 mil bolivianos que vivem ilegalmente em território brasileiro.

Anônimo disse...

Lá vem o Brasil, descendo a ladeira....

Anônimo disse...

Não brinca, não! Se o Evo pedir o Acre de volta, o Lula dá. Resta saber se ele vai defender os acreanos que se opuserem a fazer parte de uma república bolivariana...

Anônimo disse...

15/02/2007 - 12h13
Brasil vai pagar US$ 100 milhões a mais por ano pelo gás da Bolívia
Da Redação
Em São Paulo
Brasil e Bolívia chegaram a um acordo sobre o preço do gás boliviano que vai fazer o Brasil pagar até US$ 100 milhões a mais por ano. Isso representaria um aumento de 8% em relação ao valor pago em 2006, de US$ 1,260 bilhão. Essa é a conta do governo boliviano.


Os presidentes Lula e Evo Morales (Bolívia) conversam no anúncio de aumento de gás
ENTENDA A DISPUTA PELO GÁS
ASSISTA AOS PRESIDENTES
O governo brasileiro faz outra contabilidade e estima que o preço suba entre 3% e 4%. A informação é do ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau.

O ministro falou nesta quinta-feira sobre o novo modelo de negociação comercial com a Bolívia, logo após pronunciamento do presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre os resultados das reuniões que manteve desde ontem com o presidente boliviano, Evo Morales.

Lula confirmou o reajuste nos preços, acrescentando que componentes do gás serão considerados separadamente e os pagamentos serão realizados de acordo com as cotações internacionais de cada componente. Os elementos mais nobres, com maior poder energético, custarão mais caro

"Isso fará justiça ao valor do gás boliviano, e atenderá a um pleito do presidente Morales", afirmou o mandatário brasileiro.

Segundo o ministro de Hidrocarbonetos da Bolívia, Carlos Villegas, "o acordo é basicamente de reconhecer a necessidade de uma separação dos gases, do gás rico e do gás pobre". Ele destacou que os componentes básicos são o metano, o etano, o gás liquefeito de petróleo e a gasolina natural.

"O governo brasileiro pagará a preços internacionais o etano, o gás liquefeito de petróleo e a gasolina natural contidos no fluído", disse o ministro boliviano.

"Se tomarmos como base o volume de gás enviado pela Bolívia ao Brasil em 2006, segundo avaliações da equipe técnica da Petrobras, o aumento seria de 3% a 4% sobre o total", afirmou Rondeau.

Lula acrescentou que os novos contratos de operação da estatal Petrobras na Bolívia "entrarão em vigor nos próximos dias".

O presidente brasileiro também disse que o novo preço do gás boliviano exportado para Cuiabá, no Mato Grosso, entrará em vigor no mais tardar a partir de 15 de abril.

O ministro de Hidrocarbonetos da Bolívia afirmou que o novo modelo vai representar uma receita adicional para a Bolívia de US$ 100 milhões por ano.

Os dois ministros disseram que a fórmula para o cálculo de novo preço do gás boliviano, com a separação dos componentes, estará em um aditivo ao contrato vigente.

Análise da Petrobras
O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, e Silas Rondeau, juntamente com Carlos Villegas, anunciaram, também, que a Petrobrás vai iniciar estudos sobre a forma de cálculo para a elevação do preço do gás importado da Bolívia, em função da presença dos "componentes nobres" já citados, que têm preços no mercado internacional acima do que vem sendo cobrado.

Rondeau esclareceu que foi constatado que, em meio ao gás natural importado pelo Brasil, estão sendo enviados metano, gás liquefeito de petróleo (GLP, que inclui butano e propano), e a chamada gasolina natural.

Esses componentes não estavam previstos no contrato original e, como dão ao gás um poder calorífico superior ao que era, será negociado o aditivo ao contrato, de acordo com os estudos a serem feitos sobre a composição do produto que está chegando ao país.

O presidente da Petrobras disse, ainda, que, atualmente, não existe aproveitamento específico desses componentes nobres do gás, mas que, no futuro, isso poderá acontecer.

Atualmente, a Petrobrás importa cerca de 26 milhões de metros cúbicos de gás da Bolívia por dia —embora o contrato preveja a importação de até 30 milhões— e paga cerca de US$ 4 por milhão de BTUs (unidade térmica britânica, referência para medir o volume de gás).

O presenta contrato vigora até 2019, e, até ontem, a Petrobras vinha fazendo uma defesa reiterada de que fosse mantido sem alterações.

Garantias
Evo Morales disse nesta quinta-feira que não faltará gás natural para o Brasil e todos os contratos vigentes entre os dois países serão honrados.

"Vamos cumprir com todos os contratos que temos com a Petrobras. Nunca faltará gás para o Brasil", afirmou Evo, em declaração conjunta ao lado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ao encerrar sua visita a Brasília.

Desde que Evo Morales anunciou a nacionalização dos recursos naturais e a revisão de preços, houve especulação sobre a possibilidade de que fossem quebrados contratos de fornecimento de gás, o que poderia causar desabastecimento nos países importadores, como o Brasil.

Governo federal pagará a conta
Em Mato Grosso, o governador Blairo Maggi informou à agência de notícias Reuters que o governo federal vai arcar com a diferença paga pela usina termelétrica Mário Covas à Bolívia. Atualmente, o gás é vendido por contrato assinado em 1999 a US$ 1,19 o milhão de BTUs (unidade térmica). Pelo novo acordo, anunciado por Lula, subirá para US$ 4,2 o milhão de BTUs.

Analisando o aumento do valor do gás vendido para Cuiabá, o presidente boliviano disse: "Foi um preço justo. Sempre considerei o Brasil um país irmão".

Do UOL
(Com informações de Reuters e Agência Brasil)

Ricardo Rayol disse...

É isso aí, bateu pézinho, fez pirraça, fez beicinho e enrabou a gente o disgramado.

Anônimo disse...

O Acre a gente só entrega se o Evo levar o Sibá, o Tiao Viana e a Marina Silva junto.

Anônimo disse...

Certíssimo, Tiago, e será que a gente não deixou ninguém de fora?

Anônimo disse...

Tiago e Augusto,

Será que dá pra mandar fazer, em algum cartório do Acre, uma certidão de nascimento que diga que também o Lula nasceu lá?

Anônimo disse...

Nada Ricardo! É um afeto recíproco, olha só:

http://www.estado.com.br/editorias/2007/02/15/

Anônimo disse...

Bem, acho que ao menos ele deveria devolver o cavalo!

Anônimo disse...

O 'Zacarias' sem graca apadrinhado do Apedeuta ladrão se dando bem.

O próximo beneficiado de Lula será o Paraguai que já clama por aumento do preco da energia elétrica vendida ao Brasil, claro que o Luladrão aprovará tb.

Mas venho sempre dizendo que tudo isto faz parte dos planos do Forum de SP para implantar a URSAL.

Anônimo disse...

Acordamos hoje em ação de graças por não ter dado "aqueles" cinco minutos no apedeuta. Já pensou? Gloria Perez teria um trabalhão pra escrever tudo de novo: Amazônia: de Chico Mendes a Lula.

Anônimo disse...

FINANCIAMENTOS BRASILEIROS LEGAIS AOS ESQUERDISTAS VIA PERDÃO DE DÍVIDAS, DOACÕES, AUMENTO DE PRECO E ETC:

- BOLÍVIA - AUMENTA EM MAIS DE US$ 100 MILHÕES O GÁS PARA O BRASIL.

- Paraguai - U$ 20 milhões

- Mais Bolívia - US$ 52 milhões e mais novo empréstimo de US$ 600 milhões.

- Mocambique - US$ 315 milhões.

- Nigéria - US$ 83 milhões.

- Cabo Verde - US$ 3 milhões.

- Gabão - US$ 36 milhões.

TOTAL DESTA 'GENEROSIDADE' =

>>>> U$ 1.209.000.000,00 (UM BILHÃO, DUZENTOS E NOVE MILHÕES DE DÓLARES) <<<<<

ESTE VALOR É APENAS O QUE EU SEI. IMAGINE SE FIZERMOS UMA LISTA SÉRIA PARA REALMENTE APURAR O VALOR TOTAL DESVIADO PELO GOVERNO LULA POR MEIOS 'LEGAIS'!!!