quarta-feira, 14 de fevereiro de 2007

Salve-se quem puder!

Manchete de hoje na Folha:

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu ontem a líderes de sua base no Congresso que derrubem o debate sobre a redução da maioridade penal. Para ele, a redução da idade mínima para punições penais, hoje em 18 anos, pode "desproteger os adolescentes".

Isso, presidente! Ensinemos esses países cruéis que maltratam os indefesos anjos infratores, tais como a Alemanha, a Inglaterra e a Noruega (ver post anterior). São um verdadeiro inferno infantil.

Repito o que disse outro dia: a leniência do Acampamento com os criminosos só vai terminar quando algum anjo ferver em óleo de pastelaria o filho de algum político importante.

Enquanto isto não acontecer, salve-se quem puder!

19 comentários:

Julian disse...

sabe do que mais, tambosi?
fritar em oleo.
gostei...que facam isso com os proprios politicos e com suas familias. pra mim, eh o que merecem.

Da C.I.A. disse...

Eu não sei porque esta preocupação do Lula. Os filhos dele já são todos "dimaior"!

Anônimo disse...

Degenereação de valores. Ou é por idiotia, ou é por motivos que nem gostaria de imaginar (me vem à cabeça o DVD do PCC).

Falando em idiotia, o inimputável Evo Morales será recebido com tiros de canhão (apontados pra nós, é claro), e falará no parlatório (ele tb. é craque nisso). Só não sei de quem partiu a iniciativa.

O Direitista disse...

Tambosi, é claro que a justificativa do Lula é mero pretexto. Dada a aliança do PT com as FARC no Foro de São Paulo, e a importâncis do exército de adolescentes para o crime organizado, como o PCC, aliado das FARC, o Lula jamais seria capaz de endurecer a legislação ou reduzir a maoiridade penal.

Anônimo disse...

ô Angelo,

O Lula faz tudo por seus eleitores.

Anônimo disse...

É o fim do país

Anônimo disse...

Acho que o Lula esta preocupado com os netos dele.Seria otimo que oleo fritasse os filhos dele dimaior!

Anônimo disse...

Fritar em óleo?

hahahah

Cruz credim, Tambosi.

By the way...depois de amanhã é festa no Acampamento (eu adorei isso de Acampamento..Posso usar?). Como a do lote carioca é a maior de todas, acho que ficaremos falando com as paredes...ou com as bundas.

Beijos

Ricardo Rayol disse...

Vocês não se tocaram. Ele está preservando seus netos. O Angelo esqueceu desse detalhe. Triste mas por que não verdadeiro?

Anônimo disse...

Olha só que beleza:

No Claudio Humberto:


"Entidades médicas apóiam suspeita de homicídio"

"Em nota conjunta, oito entidades médicas da Bahia, incluindo o Conselho Regional de Medicina, protestaram contra a prisão da médica e militante petista Aglaé Souza, subsecretária de Saúde de Salvador, acusada de mandar matar – a pauladas – o subcoordenador de Contabilidade do SUS, Neylton Silveira. A polícia suspeita que Silveira foi morto porque investigava mutretas que podem ser sido praticadas pelos petistas que controlam o órgão. À família da vítima, sem manifestações de solidariedade desse porte, resta chorar o crime covarde."

Anônimo disse...

Depois que se soube que militantes petistas espalharam o fungo da doença vassoura de bruxa, que ataca pés de cacau só pra prejudicar adversários políticos, nada mais espanta.

Anônimo disse...

Ele não está protegendo os netos. Está protegendo os militantes de seu partido.

Anônimo disse...

Salve, NG,

fique à vontade para usar a expressão Acampamento (um copyzinho para o blog também não vai mal, né?)

Bj.

Anônimo disse...

tem que ser óleo de pastelaria japonesa...O óleo é reaproveitado infinitamente hehehe

Anônimo disse...

Recomposição salarial
Polícia Federal ameaça começar greve nesta quinta
por Claudio Julio Tognolli

Cerca de 13 mil policiais federais associados à Federação Nacional dos Policiais Federais, a Fenapef, vão fazer um ato público nesta quinta-feira (15/2), a partir das 9h, para decretação do estado de greve da categoria.

Segundo a Fenapef, “além de protestar contra o anteprojeto de lei Orgânica do Ministério da Justiça, rejeitado por unanimidade por todos os policiais, os servidores cobram que o governo cumpra o compromisso assumido com os policiais federais em relação à segunda parcela da recomposição salarial que já deveria ter sido concedida aos policiais”.

Em comunicado, a Fenapef afirma que “paralelo ao movimento as entidades de classe da Polícia Federal devem seguir o diálogo com o governo federal para garantir que as autoridades que firmaram o acordo com os policiais cumpram o compromisso assumido durante as negociações salariais”.


O presidente da Fenapef, Marcos Wink, emitiu documento em que explica os motivos da greve.

Veja a íntegra do comunicado:

Ao assumir o Ministério da Justiça, o jurista Márcio Thomaz Bastos afirmou que transformaria a Polícia Federal em um FBI. Dentro desse espírito, por inúmeras vezes os representantes classistas o procuraram e apresentaram um anteprojeto de Lei Orgânica elaborado durante o Congresso Nacional dos Policiais Federais, promovido pela FENAPEF no ano de 2001. Além dessa proposta, um grupo de trabalho nomeado pelo Diretor-Geral da PF em 2002, composto por representantes de todas as entidades classistas e categorias funcionais do órgão também elaborou, de forma consensual, um anteprojeto de Lei Orgânica, semelhante ao da FENAPEF.

O senhor Thomaz Bastos sempre se mostrou simpático à formatação da proposta, através da qual teríamos carreira única e um projeto de especialização permanente do policial, valorizando, sobretudo, a meritocracia como o caminho para ascender e crescer na carreira. Da mesma forma, garantiu Paulo Lacerda que o texto elaborado pela Comissão nomeada por seu antecessor, e por ele ratificada, seria o projeto oficial do DPF.

Entretanto, o Diretor-Geral Paulo Lacerda se curvou ao corporativismo exacerbado da cúpula que o cerca, representada pelo Conselho Superior de Polícia. Com esse ato, ele demonstrou absoluta falta de coragem para enfrentar tal lobby e, junto com o ministro da Justiça, inviabilizou a proposta elaborada com a participação de agentes, escrivães, peritos, delegados, papiloscopistas e administrativos.

Durante o curso do ano de 2005 até meados de 2006, os servidores, através de seus representantes classistas, negociaram um reajuste salarial, para repor as perdas que se acumularam por dez anos. Curiosamente, apesar de sermos a categoria com as maiores perdas ao longo desse período, enfrentamos uma negociação dificílima e morosa, ao contrário do que garantira, inclusive por escrito, o ministro da Justiça.

Obtivemos uma reposição de 30%, mediante a transformação da remuneração dos policiais federais em subsídio. Péssimo negócio, pois perdemos uma série de vantagens.

Em razão disso, o aumento variou de 5 a 20%. Contudo, o acordo firmado pelos ministros da Justiça e do Planejamento, através do qual asseguravam a implantação da segunda parcela num prazo de 180 dias, ou seja, até o final de dezembro de 2006, fez com que os integrantes da carreira Policial Federal se mantivessem firmes em suas atividades, acreditando no referido acordo - afinal, quem duvidaria de um documento firmado por ministros do Governo?

Não obstante, Paulo Lacerda sempre garantiu que o aumento, em duas parcelas, seria de 60%. Passado o prazo definido pelos ministros, a FENAPEF entrou em contato com o gabinete do ministro da Justiça e com o Secretário de Recursos Humanos do ministério do Planejamento, já que Lacerda, quiçá saudoso do falecido regime militar, se nega a receber os dirigentes da FENAPEF (ministros de estado, senadores e deputados recebem a FENAPEF; Lacerda não!). A resposta que recebemos foi surpreendente: deveríamos retomar as negociações, segundo altos escalões dos dois ministérios.

Surpreendentemente, ao apagar das luzes, a dupla Thomaz Bastos/Lacerda apresentou um anteprojeto de Lei Orgânica, vinculando ao mesmo a segunda parcela da reposição salarial. No que diz respeito à Lei Orgânica, é a pior porcaria que já se viu no âmbito do DPF: conseguiram piorar uma proposta feita pela ADPF há alguns anos, a qual já foi devidamente queimada por todos os Sindicatos de Policiais Federais. Quanto ao aumento, o fato de vinculá-lo ao anteprojeto de LO significa não querer cumprir com o acordo. Logo, não querem dar aumento.

Com esse triste final de mandato, os senhores ministro da Justiça e Diretor-Geral deixarão um legado terrível a seus sucessores. Os delegados estão propondo paralisação em razão do não cumprimento da segunda parcela do aumento. A FENAPEF e seus sindicatos, na próxima quarta-feira, dia 7, definirão movimento paredista em protesto contra o anteprojeto de Lei Orgânica apresentado (Alagoas já deu o tom), e pela imediata discussão de uma proposta de LO, que, de forma cabal e definitiva, encerre de vez, com um final feliz, o debate em torno do tema, que se estende há quase vinte anos.

Caso haja acordo entre as entidades e todos lutarmos por essas pretensões, faremos o maior movimento na história da Polícia Federal, pois unidos conseguiremos o cumprimento dos acordos salariais e de uma proposta razoável de Lei Orgânica, que atenda aos anseios institucionais e dos servidores, de forma equânime, sem privilégios para uns em detrimento da grande maioria.

Os novos ministro da Justiça e Diretor-Geral da PF, sejam eles quem forem, não terão um prazo, pois Thomaz Bastos e Lacerda acabaram com nossa paciência e são – ou serão - os verdadeiros e únicos responsáveis pelos movimentos que se sucederão nos próximos dias.

Marcos Wink

Presidente da FENAPEF

(Do Consultor Jurídico)

Anônimo disse...

Tambosi

E lá eu sou mulé de não dar crédito?
Tá achando que petralhei, Tamba?

rsrsrs

Beijos

Anônimo disse...

Enquanto nos gabinetes refrigerados da Capital Federal chegou-se ao consenso, afinal, entre os três poderes sobre a redução da maioridade penal após o presidente Lulla, a presidente Gracie e o presidente Chinaglia declararem que “não podemos agir nesse estado de comoção nacional”...

No mundo real das cidades brasileiras a covardia e a impunidade continuam sob a proteção legal do Estado.

“O menor de 16 anos acusado de participar do bárbaro assassinato do menino João Hélio, no Rio de Janeiro, assumiu a autoria do crime a pedido do irmão mais velho, de 23 anos. A revelação foi feita pela mãe dos dois. Segundo ela, o mais jovem foi convencido pelo irmão sob o argumento de que, por ser menor de 18 anos, ficaria preso apenas “uns dois meses”.”

Anônimo disse...

Não podemos agir nesse estado de comoção nacional. Tá bom.
Então, o que eles ficaram fazendo nessas décadas todas pra não fazer logo uma droga de novo Código Penal? Estavam comovidos com outros a$$untos?

Anônimo disse...

Vejo os brasileiros indignados com um crime hediondo e clamando por justica. Ao mesmo tempo, vejo velhacos politiqueiros corruptos sendo reeleitos e tacitamente absolvidos pelo próprio povo, ainda tantos outros corruptos nunca serem punidos, alguns pouquíssimos receberem uma punicão hilária. Não deveríamos estar exigindo leis rigorosas com severa punicão a todo e qualquer criminoso, seja ele de colarinho branco, seja traficante de drogas ou de influência ou de dinheiro público, seja trucidador de crianca ou incinerador de índio ou de família ou de ônibus para moralizar este país?

O Brasil só acordará se algum Presidente ousar tocar no futebol e no carnaval. Aí o povo exigirá sua execucão sem julgamento nem defesa alguma.

Pão e circo para o povo!!!