sábado, 10 de novembro de 2007

Tem chapa-branca e pelego na linha...

Alertado pelo De Gustibus (links), aí vai trecho de um artigo do Consultor Jurídico sobre o propinoduto ítalo-brasileiro que envolve as teles (Mainardi tem branqueado cabelo denunciando o caso). No trecho, aparece uma notória figura do jornalismo chapa-branca:

A apresentação da denúncia na Itália não mata todas as curiosidades. Fica no ar, por exemplo, a atitude que deverá tomar a Polícia Federal brasileira caso a peça acusatória cite os nomes (ou pseudônimos, em alguns casos) de integrantes seus que usaram suas franquias institucionais para uma operação extra, remunerada, para interferir em uma disputa comercial. Mais ou menos como o árbitro de um jogo de futebol que mata a bola no peito e chuta para o gol de um dos times.

A tradutora/intérprete de Bernardini, Luciane Araújo, citou nomes incompletos de gente da PF como R. Menezes, Lessa, Godoy e Geraldo. Outros personagens mencionados nas conversas: o presidente da Previ (Fundo de Pensão do Banco do Brasil), Sérgio Rosa; o ex-ministro Luiz Gushiken; o jornalista Paulo Henrique Amorim; o atual presidente da Brasil Telecom, Ricardo Knoepfelmacher; parlamentares petistas, como Ideli Salvati e até o juiz que cuidou do processo do Opportunity em Cayman, Kellog.


Boa parte desse grupo tinha por objetivo unicamente derrubar o obstáculo que os separava do comando da Brasil Telecom: o banqueiro Daniel Dantas. A meta foi alcançada quando o Citigroup, finalmente, retirou-o da gerência de seus fundos de investimento. Juntos, a multinacional italiana, o grande banco americano, os fundos de pensão, a Polícia Federal e uma das principais células do partido do governo, o PT, venceram a partida. Quanto custou, é possível que a justiça italiana responda em breve. (LEIA MAIS).

5 comentários:

Maria do Espírito Santo disse...

Luís Roberto foi Demarco, ex-Delira e atual Deuro.

ph disse...

Dei lá no meu, também. Este meu xará é um picaretaço de marca maior. O cara está esquizofrênico; parece aqueles doidos com idéia fixa. Pra ele, tudo é culpa da Glogo - empresa que só errou ao acolhê-lo por tanto tempo.

Didi Iashin disse...

"Estranho" ver o nome de sergio rosa (não merece 'capital letters') nesse rolo. Afinal, ele era um sindicaleiro "tão" dedicado, nos meus tempos de BB...
ele e berzoniev se borraram numa decisão de greve do BB, em 1991. Eu vi, eu estava lá. Os caras se borraram com a decisão unânime dos bancários que estavam presentes.

Anônimo disse...

Ideli? tá nesse rolo tb? Ohhhh, beleza, qto mais acharem podres da forasteira melhor...
Pena que a CPI das ONGs não alcançou a Rede 13 da Lurian...
NãoSouGirassol®

Ricardo Rayol disse...

quando bater no ventilador o calboca do Dantas será um estupendo mimo. Se já não o foi.