sábado, 11 de abril de 2009

Ao MST tudo é permitido

No Grotão lulista nem os homens da lei podem enfrentar o violento "exército" de Pol Pot Stédile, que invade e depreda fazendas, órgãos públicos e universidades. O procurador gaúcho que ordenara o fechamento das escolas itinerantes do MST (locais de mera doutrinação ideológica) acabou desistindo da luta. Apanhou dos padrecos da "teologia da libertação", dos próprios colegas e do governo federal. Todos a favor da lavagem cerebral promovida por esse movimento antiliberal e anticapitalista - isto é, reacionário.
Isolado no Ministério Público, criticado pela Igreja, questionado pelo Conselho Nacional do Ministério Público e pelo governo federal, pressionado pelos movimentos sociais, o procurador Gilberto Thums jogou a toalha em sua cruzada contra o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).
O procurador anunciou a saída de cena após ser constrangido, na terça-feira, em uma audiência pública na Assembleia Legislativa com a presença de 200 filhos de sem-terra. Os estudantes estavam no parlamento gaúcho para tentar reverter o fechamento das escolas itinerantes em acampamentos do movimento – uma das vitórias que Thums havia obtido contra o MST.
Bene, o jornal que entrevistou o procurador parece também gostar dos celerados. Fazer respeitar a lei é "cruzada" contra o MST?
(Obrigado, CFE)

6 comentários:

Anônimo disse...

Como eu tenho dito à exaustão, já não vivemos mais numa democracia e, sim, sob a ditadura comunofascista imposta pelo desgoverno do Foro de São Paulo. Quem que ouse se levantar contra os "revolucionários" é imediatamente abatido, sem dó nem piedade. É assim que a vaca vai, em tem tudo para piorar ainda mais!

Blog de um Brasileiro disse...

Sinceramente, tenho literal ojeriza à forma de luta social realizada pelo MST. Se suas badernas fossem promovidas para a realização de algo inteligente, tudo bem, seria até aceitável. Mas o barulho que fazem, só serve para chamar atenções. Sem ser por uma causa concreta.

Mas também não acho certo fechar as "Madrassas".

Anônimo disse...

Bolsonaro contando da tribuna, a verdade sobre Dilma

http://www.bolsonaro.com.br/jair/videos/disc-008-2009.htm?id=225331

Anônimo disse...

Não deixem de ler a coluna da Danuza Leão na Folha de São Paulo deste domingo, onde ela comenta " respeito do "cara" que o Obama disse que é "o cara".

Maria do Espírito Santo disse...

Pois é... Obama disse que Lula é o cara...

Ele é o cara, ele é o cara ou coroa, e a nossa sorte azarada está lançada.

Juros mais baixos, Dilmona Lisa depois da plástica cada vez mais poderosa, e o itinerário das temerárias escolas ideológico-itinerantes se manteve ileso.

A "cruzada" contra o MST cruzou o Rubicão de rabecão. O juiz jogou a toalha e agora é pra frente Brasil, como sempre no fio da navalha.

Anônimo disse...

Taí Tambosi,

Vou pegar um pedaço da notícia e ignorar intencioamente o resto.

Volta e meia você se lembra de dar uma esculhambada na Igreja, às vezes com razão, às vezes sem.

Pois este católico que lhe escreve muito se admira quando sua Igreja é omissa diante de padres que defendem o MST, até porque, veja só, não é só aborto que causa excomunhão: o comunismo também. Há um Decreto papal, ainda vigente, chamado "Decretum contra communismum" que condena à pena de excomunhão "lateae sententiae" (aquela mesma do caso do Bispo pernambucano) qualquer um que pregue o comunismo, mesmo que seja indiretamente, como pregar pela manutenção dos centros de catarses do MST.

A pena de excomunhão pode até não significar nada para médicos apóstatas, mas para padres, ela há de ter alguma praticidade. A omissão do(s) papa(s) com parte relevante da Igreja na América Latina é algo simplesmente criminoso, até mesmo anticristão, eu ouso dizer.

abs.