domingo, 22 de julho de 2018

Os ouros, naipe da sucessão.

A tese de Alckmin, até hoje mal nas pesquisas, pode agora ser testada: quem tiver mais TV cresce. E ele tem quase metade do tempo total de TV. Da coluna de Carlos Brickmann:


De uma tacada só, usando os argumentos preferidos de boa parte dos políticos, Geraldo Alckmin se transforma no candidato dominante das eleições: terá quase a metade do horário eleitoral gratuito, e ganha o apoio do industrial Josué Christiano Gomes da Silva, ou “Josué Alencar”, filho do vice de Lula de 2002 a 2010. Josué é perfeito: promete não atrapalhar os planos de Alckmin e paga a campanha. Ou melhor, nem ele é perfeito. Ele é filiado ao PR de Valdemar Costa Neto, a quem muitos fazem restrições. Mas Valdemar não é exceção no grupo que apoia Alckmin: com ele estão Roberto Jefferson, Cristiane Brasil e Paulinho da Força, conhecidíssimos.

A tese de Alckmin, até hoje mal nas pesquisas, pode agora ser testada: quem tiver mais TV cresce. E ele tem quase metade do tempo total de TV.

Mas sejamos justos: não há candidatos viáveis mais ou menos impuros. O PT, seja quem for seu candidato, viu a condenação judicial de seu ícone, Lula; a prisão de seus tesoureiros; a pena de seus coordenadores. Ciro, que manteve imagem razoável, acaba de levar duas pancadas: o lançamento de sua candidatura foi murcho, e O Globo revelou que o deputado Leônidas Cristino pagou com dinheiro da Câmara mais de R$100 mil a um escritório de advocacia em Fortaleza do qual seu padrinho político, Ciro Gomes, é sócio. Cristino foi ministro dos Portos de Dilma, por indicação de Ciro.

Brigar por causa de política, hoje, é como ter crise de ciúmes na zona.

É ou não é

Alckmin finalmente tem sua chance de crescer — tanto que, após acertar a TV (quer dizer, com os partidos que cedem seus tempos de TV), recebeu a companhia, em comício, de João Doria Jr., candidato favorito ao Governo paulista e que tinha esperanças de substituí-lo na luta presidencial. Só que TV ajuda, mas não é infalível: em 1989 (quando Collor derrotou Lula no segundo turno), o maior tempo era de Ulysses Guimarães, PMDB, que ficou em sétimo. O segundo em tempo foi Aureliano, que ficou em nono.

Hora H

Bolsonaro é um dos destaques da campanha, mas tem sete segundos de TV. Pela posição na pesquisa, deveria ter multidões de pretendentes a vice. Mas ainda não encontrou ninguém: tentou o senador Magno Malta (em busca do voto evangélico), o general Hamilton Mourão; anunciou o general Augusto Heleno, que comandou as tropas da ONU no Haiti, tem excelente imagem entre os militares. Teve suas propostas rejeitadas. Hoje, pensa na advogada Janaína Paschoal, que, com Hélio Bicudo e Miguel Reale Jr., apresentou a proposta de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Você, empresário

O caro leitor talvez não saiba, mas é empresário, sócio de múltiplas empresas. Os governos que elegeu — Federal, estaduais, municipais — têm, juntos, 118.288 CNPJs — Cadastro Nacional das Pessoas Jurídicas, algo, para empresas, próximo àquilo que o CPF é para as pessoas físicas.

Vejamos um CNPJ, buscado ao acaso (é o nº 74.170 da lista): pertence à Cabana do Jaime, dirigida por Jaílton Ferreira de Jesus. Situação ativa: está funcionando (a última verificação é de 10 de julho de 2017), e é órgão público do Poder Executivo Federal desde, pelo menos, 2006. Tem capital social de R$ 0,00 (zero reais), está localizada na avenida Otávio Mangabeira, praia de Piata, em Salvador, Bahia — uma beleza de lugar. Tem telefone fixo (71), e os primeiros números são 328… Tem e-mail.

Não é difícil localizar a lista de CNPJs de entidades dos diversos níveis de Governo. Basta procurar em http://www.consultas……../. Sem problemas —mas será função do Governo Federal ter a propriedade de uma barraca de praia que serve bebidas e lanches a seus frequentadores? Quanto isso custa?

Licença jornalística

Na verdade, o caro leitor não é empresário, talvez nem seja formalmente sócio de uma empresa desse tipo. Mas cabe-lhe a honra de pagar a conta.

E não imagine que a coisa se limita a uma barraca de praia. Há também uma associação dos pescadores, uma associação de produtores rurais, um restaurante — não há dúvida, existe gente que tem sorte na vida. Porque controlar quase 120 mil empresas como essas deve ser muito difícil.

Prisão de novo

A Polícia Federal prendeu na sexta, pela segunda vez, o ex-governador André Puccinelli, a pedido da 3ª Vara Federal de Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Puccinelli, seu filho e o advogado tiveram prisão preventiva decretada, a pedido do Ministério Público Federal, em decorrência de apurações da Operação Lama Asfáltica. Estão detidos na sede da Superintendência da Polícia Federal. Puccinelli pretende se candidatar novamente ao Governo, pelo MDB. Há acusações referentes a contatos com a JBS, de Joesley Batista, à análise de documentos apreendidos em fases anteriores da Operação e de movimentações bancárias.

4 comentários:

Anônimo disse...

Vamos ver como ficam os votos brancos, nulos e abstenções.
*
Nas eleições de 2014, de acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), 27 milhões de eleitores não compareceram às urnas. Outras 13 milhões de pessoas foram até os locais de votação e apertaram o número zero ou a tecla em branco na hora de apontar sua escolha para presidente da República. Somados, brancos, nulos e abstenções atingem a marca de 40 milhões de votos. Essa quantidade seria suficiente para definir quem seria o vencedor para o cargo mais importante da nação e mudar o rumo do país.

Votos brancos, nulos e abstenções não entram nas contas dos votos válidos. Desde 2002, aumentam significativamente. No primeiro turno das eleições de 2010, quando o país tinha 135 milhões de eleitores, 18,12% deles não votaram. Em 2002, a abstenção atingiu 17,74% e, em 2006, 16,75%, e 19,76% nas últimas eleições gerais.

Ao contrário da crença popular, eles também não são computados para o vencedor. A percentagem de votos em branco, em 2014, também cresceu. Em 2010, eles foram 3,13% do total, em 2006, 2,73%, e em 2002, 3,03%. Em 2014, com a ex-presidente Dilma Rousseff e o senador Aécio Neves disputando o segundo turno, 3,84% dos eleitores apertaram a tecla branca. Em 2010, os votos nulos representaram 5,51% do total de votos e, em 2014, chegaram a 5,8% dos 142 milhões de votantes.

REF:
https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica/2018/04/23/interna_politica,675465/votos-brancos-nulos-e-abstencoes-devem-crescer.shtml

Anônimo disse...

Não adianta tentar, ator de teatro-circo-picadeiro e fariseu Alckmin, v e seu partideco, o BSDBagulho eram sócios do ParTido das Trevas do apenado Lula, 2 comunistas!
Votou em v, elegeu tb o outro!
Não quis em 2006 votar o impeachment de Lula por causa do Mensalão, mas eram "opositores"... Que teatro!
Chega dos socios comunistas e socialistas, desafetos só na frentes da câmeras, por trás são as 2 lâminas da mesma tesoura!

Anônimo disse...

Então um tal de cristino foi ministro de dilmanta? Juro que só fiquei sabendo agora.

Anônimo disse...

Quem assiste horário eleitoral gratuíto? Atualmente com os netflix da vida e serviços por streaming similares, smart phones, video games e internet, quase ninguém assiste o tal horário eleitoral gratuíto. Só masoquistas e os tais jornalisas especializados. Até as velhinhas que largam a TV ligada esperando a novela começar não prestam atenção nesta porcaria.