sexta-feira, 31 de agosto de 2018

Cassandra

Seria melhor os jovens lerem os trágicos do que lerem o mimimi generalizado de hoje. Coluna de Luiz Felipe Pondé, publicada pela FSP:


Haveria mesmo um vínculo necessário entre felicidade e ignorância? As pessoas mais felizes são as menos inteligentes? Ou isso seria apenas um discurso para disfarçar a incapacidade de algumas pessoas para a felicidade? E mais: seria a beleza "excessiva" numa mulher uma maldição para ela e para os homens à sua volta?

Não vou cair aqui na armadilha de definir felicidade nem beleza. Mantenha sua ansiedade sob controle quanto a essas definições. Existem definições que só servem às almas rasas e burocráticas. Como sabem muitos filósofos, mestres em definições, algumas coisas, quando definidas, ficam mais difíceis de serem compreendidas.

A intuição imediata, às vezes, é mais clara do que o esforço de dar nomes complicados para experiências "simples".

Voltemos ao que interessa: haveria mesmo um vínculo necessário entre felicidade e ignorância? E a beleza "excessiva" numa mulher seria uma maldição?

Indaguemos a tradição clássica. Você não tem clareza quanto ao que é a tradição clássica? Trata-se daquele conjunto de textos e autores que atravessam as época sendo melhores, mais profundos e mais relevantes do que a maioria dos outros. Sobrevivem a um monte de críticos que desaparecem, enquanto os clássicos permanecem. Italo Calvino (1923-1985), em seu "Por Que Ler os Clássicos", deixa isso bem claro.

Eu arriscaria dizer que poderíamos jogar no lixo grande parte do ruído causado por alguns textos e autores contemporâneos e colocar no lugar textos e autores antigos. Seria melhor os jovens lerem os trágicos do que lerem o mimimi generalizado de hoje.

Ouçamos Ésquilo (525/524 a.C-456/455 a.C) em "Agamémnon", primeira peça da sua trilogia "Oresteia".

Numa conversa entre o Corifeu (personagem líder do coro nas tragédias gregas) e Cassandra, uma bela escrava troiana recém-trazida a Argos pelo vitorioso Agamémnon, temos uma ideia da visão grega trágica acerca desses temas. "Não há dúvida que tens uma grande capacidade de sofrimento e uma alma corajosa!", diz Corifeu. Cassandra responde: "As pessoas felizes não ouvem palavras dessas...".

Cassandra é uma pitonisa (profetisa) nessa cena, isto é, ela conhece o futuro: Agamémnon será morto pela sua esposa, a rainha Clitemnestra. E Cassandra mesma será morta —não irei mais longe no enredo.

Ela sofre porque sabe disso tudo. Além do fato de ter sido feita escrava "sexual" devido à sua beleza, porque sua cidade foi derrotada na famosa guerra causada pela mulher mais bela da Grécia antiga, Helena de Troia, apesar de os sofistas Górgias (485 a.C-380 a.C) e Protágoras (490 a.C.-415 a.C.) negarem a culpa de Helena nessa guerra.

A questão de se a beleza "excessiva" numa mulher a destrói, assim como aos homens à sua volta, é consistente.

O Corifeu sabe da desgraça de Cassandra. De escrava do leito do rei Agamémnon a pitonisa de seu assassinato pela esposa, Cassandra responde ao Corifeu que as almas felizes não ouvem elogios acerca de sua capacidade de sofrimento e sua coragem.

O sofrimento de Cassandra começa pela derrota de sua cidade, Troia, arrastada a uma guerra causada pela bela Helena. Seu sofrimento avança por causa de sua condição de mulher jovem desejável. É coroado por seu saber acerca do que as pessoas normais não sabem, o saber acerca do futuro.

A resposta de Cassandra nos remete à ideia de que a felicidade é fruto da ausência de conhecimento prático da dor, causada seja por sua condição de escrava do leito, seja por sua condição de pitonisa.

A ideia de que a prática é a única forma de ter virtudes de fato aparece também em Aristóteles (384 a.C-322 a.C) em sua "Ética a Nicômaco".

O vínculo entre conhecimento excessivo e infelicidade está, portanto, posto por Ésquilo.

Não se trata de dizer que ser melancólico seja chique. Trata-se de saber que o conhecimento pode, sim, gerar uma prática da dor. A ignorância é uma forma de proteção contra essa prática.

Outra virtude de Cassandra, a coragem, é também irmã da dor. O que encanta o Corifeu é justamente sua postura altiva diante da desgraça. Sendo nós todos mortais, os gregos se encantavam por aqueles que enfrentavam o destino mortal sem medo. Esses merecem ser lembrados (uma heroína é exatamente uma pessoa que merece ser lembrada).

A beleza de Cassandra e Helena marcam o vínculo entre sofrimento e beleza. Qualquer mulher muito bonita sabe disso no silêncio de sua solidão.

Resumo da ópera: não se adquirem virtudes em workshops felizes de fim de semana. Fuja deles.

2 comentários:

Anônimo disse...

Solidão, silêncio e santidade. Alceu Amoroso Lima falava nesses três s.

Leoberto disse...

Luiz Felipe Ponde...

Assisto este ilustre filósofo e professor sempre que está no jornal da cultura.
Uma sabedoria e inteligência extraordinária. Vale a pena lê-lo e assisti-lo.
Realmente a Helena devia ser linda. Muito linda. Tão bela que provocou uma guerra e a sua historia é contada até hoje. Mais de dois mil anos depois. No final sobrou para o Heitor.

Pois agora... Também concordo que o conhecimento trás poder. E junto com ele o sofrimento. É melhor, as vezes, não saber, do que saber e sofrer.

Mas...Mas... A grandiosidade não está na covardia. Quem sabe na loucura.